quarta-feira, 6 de abril de 2016

54% dos Muçulmanos da Europa odeiam o Ocidente - 1


OCIDENTALOFOBIA 

Para os intelectuais pós-modernos, o comportamento dos autores dos ataques de Bruxelas é devido às "humilhações económicas e sociais causados ​​pelo Ocidente". Há, contudo, explicações muito mais relevantes, que evidenciam a convicção de muitos jovens muçulmanos, de que os "infiéis" se devem curvar à sua superioridade étnico-religiosa. (Nota do tradutor francês).
A primeira reacção dos intelectuais europeus pós-modernos  aos massacres de Bruxelas era previsível: "O que fizemos, nós, europeus, aos muçulmanos?". Como é que os seguidores de uma religião que tão orgulhosamente se chama a si mesma a "Religião de Paz" puderam cometer tais atrocidades?
Pessoas como Peter Vandermeersch, o editor belga do diário holandês NRC Handelsblad, e o escritor belga David Van Reybrouck, dois prestigiados intelectuais, argumentaram que a Bélgica deve ter feito algo terrível para merecer os massacres. A sua linha de pensamento: a fúria de terroristas só pode ser uma resposta à maneira desumana como são tratados pelo Ocidente.
É mais seguro culpar as nossas próprias sociedades e as suas condições sócio-económicas do que culpar a religião e os conceitos culturais que foram usados ​​na lavagem cerebral dos terroristas.


Um muçulmano de 26 anos, que se refugiou na Suécia aos 13 anos, assedia idosos num autocarro. Ameaça matar pessoas se for expulso. Diz que é um jihadista e que sente a vingança no seu coração. Diz que sente raiva e que é capaz de comer carne humana. As pessoas permitem-lhe expressar os seus pontos de vista, mas perguntam-lhe porque é que não vai lutar para o Afeganistão."
Diz-se que a taxa de desemprego nos subúrbios de Bruxelas, no infame bairro de Molenbeek, agora visto como o terreno fértil jihadista da Europa, é de 30%. Esta é uma taxa relativamente elevada na Europa Ocidental, mas não é incomum nos países do sul da Europa e do mundo árabe. Há pobreza em Molenbeek, mas é uma pobreza relativa. Não há fome, não há sem-abrigo, não há falta de instalações médicas ou de escolas.
Se compararmos com o nível de vida médio de Marrocos ou do Egipto, o de Molenbeek corresponde ao padrão confortável de classe média. Como em todos os países da Europa Ocidental, muitas instituições e agências belgas oferecem apoio a famílias com necessidade de moradia, alimentação, educação ou cuidados médicos. As oportunidades de sucesso, de instrução e de que todos os cidadãos sejam membros respeitados da sociedade, não têm comparação com as existentes nos países de origem de muitos imigrantes. No entanto, o ressentimento é profundo nas gerações mais jovens de famílias de imigrantes vindos de Marrocos.
Na Holanda, a imigração proveniente de Marrocos e da Turquia, é uma realidade que sai muito cara ao contribuinte: os imigrantes são maiores consumidores de serviços do Estado- Providência do que o cidadão médio.
Não possuindo grandes habilitações literárias, os imigrantes ocupam os postos de trabalho não qualificados, absorvem mais benefícios sociais e subsídios de desemprego do que o cidadão médio. Como grupo, eles recebem mais dinheiro do que pagam em impostos. Eles ocupam um lugar mais importante nas estatísticas de criminalidade do que os seus números ditariam. Há muitas histórias de sucesso, mas também há tendências decepcionantes. A radicalização, por exemplo. E a situação belga é ainda pior.
*****
CONTINUA
Os muçulmanos na Europa, para além da criminalidade e do terrorismo, absorvem a maior parte dos recursos do Estado-Providência. Mas alguns demonstram certa gratidão. Confira:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.