sábado, 24 de junho de 2017

Suécia: Mutilação Genital, Estupro, Sharia e o Fim

(Não perca o último vídeo, no final do post) 

Suécia: 150.000 mulheres sofreram Mutilação Genital; grandes áreas sob o domínio islâmico

Viver sob o único "governo feminista" do mundo está a tornar-se cada vez mais perigoso, especialmente para as mulheres. Grandes partes do país, incluindo a capital, Estocolmo, são efectivamente governadas por muçulmanos aderentes à Sharia.
Um novo relatório fornece informações perturbadoras sobre as mudanças no tecido da sociedade sueca que seguiram um influxo sem precedentes de refugiados e migrantes muçulmanos.
O relatório é parcialmente escrito pela SVT, órgão de informação estatal sueco, e conclui que pelo menos 150 mil mulheres na Suécia sofreram mutilação genital. Este procedimento brutal pode envolver a remoção parcial ou completa do clitóris (isto é, clitoridectomia, clitorectomia ou infibulação), além da excisão dos lábios também. Muitas vezes, esta operação é realizada em condições de higiene precárias e sem anestesia.
As autoridades ficam atónitas com o elevado número de mulheres e jovens que foram submetidas à MGF. Um relatório de 2015 concluiu que "apenas" 38 mil mulheres sofreram mutilação genital. Este aumento acentuado provavelmente resulta da determinação dos políticos suecos de cumprirem a Convenção da ONU sobre Refugiados e os regulamentos da UE sobre as quotas de refugiados.
A Suécia tem uma população de 10 milhões (cinco milhões de mulheres e meninas).
A tolerância e a abertura sueca entraram no debate internacional, já que o presidente americano Donald J. Trump usou o país como exemplo de como os refugiados e a migração dos países islâmicos corroem o Estado de Direito e contribuem para a formação de enclaves islâmicos, mesmo sociedades fortes como as democracias da Europa do Norte.
Grandes áreas da Suécia estão agora sob o domínio islâmico de facto. Estocolmo, a capital da Suécia, está quase completamente cercada por áreas (comumente chamadas de "zonas não-go") que são verdadeiramente governadas por gangues muçulmanos e "polícias" islâmicos que impõem a sharia. "Existem regiões onde hoje em dia reina a ilegalidade em Estocolmo", disse um chefe de Polícia nervoso, Lars Alvarsjø. "Existem algumas áreas em que parece que perdemos o controle".
Lars Alversjø diz que "o sistema jurídico, que é um pilar de toda sociedade democrática, está a entrar em colapso na Suécia". Per Magnus Ranstorp, pesquisador de terrorismo e radicalização no Colégio Nacional de Defesa da Suécia, elabora: "Nas piores áreas, os extremistas assumiram completamente o controlo. Todo o senso de justiça e paz estão ameaçados pelo facto de que a Polícia está a perder e as coisas estão a piorar. A Suécia está numa situação desastrosa ".

Em áreas sob o domínio islâmico na Suécia, os direitos humanos estão a deteriorar-se rapidamente, especialmente para as mulheres. A mutilação genital feminina é apenas um horrível exemplo de uma mudança geral na sociedade sueca, na sequência da chegada de um grande número de refugiados ou migrantes muçulmanos.
"Em muitas áreas, a auto-nomeada polícia da sharia ameaça e persegue as mulheres, impondo-lhes a lei islâmica, a Sharia. Ameaças e assédio podem ser consequências se a mulher não for casada, se as suas pernas não estiverem cobertas ou se estiverem a beber um copo de álcool na sua varanda. Vizinhos, estranhos, mesmo crianças e adolescentes, ameaçam as mulheres a seguir a Sharia. Se as mulheres não cumprem, a polícia sharia aumenta a sua intimidação. Uma mulher conta como um grupo de homens subiu ao seu apartamento usando o tubo de drenagem e confrontou-a na sua própria casa porque ela se recusou a cumprir as suas demandas".
Jihad Watch10news.one




Assim vai a Suécia (8 vídeos):
 

O jogo árabe do estupro, um 'must' na Suécia:



Síndrome de Estocolmo:

 

Refugiado islâmico rouba e mata sueco, e afasta-se a rir:



Etc..

E agora, VAMOS AO FUNDO DA QUESTÃO:


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.