domingo, 18 de junho de 2017

Israel: Muçulmanos assassinam jovem por receio de que esta namore



Recentemente a ONU voltou a passar uma resolução que afirma que quando os muçulmanos espancam as esposas a culpa é de Israel.
Como há mulheres que se convertem ao Islão de livre vontade, ultrapassa a nossa compreensão. Como é que as feministas apoiam o Islão, também. O Islão trata as MULHERES  (veja esta nossa pequena secção) pior que objectos.

Israel: Muçulmanos matam jovem em assassinato de honra por medo de que esta venha a namorar homens
Os muçulmanos cometem 91% dos homicídios de honra em todo o mundo. Um manual da lei islâmica certificado como um guia confiável pela ortodoxia sunita da Universidade Al-Azhar, a autoridade mais respeitada no islamismo sunita, diz que "a retaliação é obrigatória contra qualquer pessoa que mate um ser humano de forma puramente intencional e sem direito". No entanto, "não são sujeitos a retaliação um pai ou mãe (ou seus pais ou mães) por matarem a sua prole, ou a prole da prole" ('Umdat al-Salik o1.1-2).
Por outras palavras, alguém que mate o seu filho não incorre em qualquer penalidade legal segundo a lei islâmica. Nesse caso, a vítima foi a irmã do assassino, vítima da cultura de violência e intimidação que tais leis ajudam a criar.

A Autoridade Palestina dá penas suspensas por homicídios de honra. As mulheres iraquianas pediram sentenças mais duras para os assassinos de honra islâmicos, que são insignificantes. A Síria em 2009 promulgou uma lei que limita a duração das sentenças para homicídios de honra; "a nova lei diz que um homem pode beneficiar de circunstâncias atenuantes em crimes de paixão ou honra", e a pena máxima de prisão é de dois anos. Em 2003, o parlamento jordano votou em bases islâmicas uma disposição destinada a endurecer as penas por homicídios de honra. A Al-Jazeera informou que "os islamistas e os conservadores disseram que as leis violavam tradições religiosas e destruíam famílias e valores".

Até que o encorajamento que a lei islâmica dá aos assassinatos de honra seja reconhecido e confrontado, mais mulheres sofrerão.
Robert Spencer


"Tios de jovem beduína acusados ​​de a assassinarem e queimarem o corpo"
Times of Israel, 18 de Junho de 2017:

    
Três homens foram indiciados este domingo pelo assassinato de uma parente, uma jovem beduína que eles acreditavam que "desonraria" a família, disse a promotoria estatal.

    
Hanan al-Bahiri, de 19 anos e recentemente divorciada, desapareceu no dia 3 de Maio da sua cidade natal, Lakiya, ao norte de Beersheba, pouco depois de falar ao telefone com a sua mãe e dizer-lhe que estava a caminho de casa.

 
A mãe relatou o seu desaparecimento, provocando uma investigação policial e a prisão de seis membros da família. Um dos suspeitos confessou e conduziu os polícias aos restos mortais de al-Bahiri, enterrados perto de uma das casas da família.

    
A Polícia diz que os dois tios de al-Bahiri, Sager e Yunes, bem como o filho de Yunes, Mahmad, capturaram-na na noite de 3 de Maio e questionaram-na sobre o seu divórcio, depois assassinaram-na e enterraram-na.

    
Antes da sua morte, a jovem de 19 anos de idade tinha sido casada ​​com um homem com deficiência. Após o seu divórcio, a família teve que devolver o tradicional "preço da noiva", que lhe tinha sido pago, e al-Bahiri,
órfã de pai, começou a trabalhar.

   
Os seus tios e primos estavam supostamente preocupados com o facto de que o seu estilo de vida recém-independente a levasse a encontrar e namorar homens, trazendo "desonra" à sua família.

    
Depois de a sequestrarem e questionarem sobre as suas relações, os três partiram-lhe o pescoço, depois queimaram o corpo e enterraram os restos, disse a Polícia.
    Os suspeitos negam as acusações contra eles.

------------------------------


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.