quinta-feira, 1 de junho de 2017

Muçulmanos atacam europeus que não cumprem o Ramadão


O Ramadão é o mês em que os muçulmanos mais assassinam em nome da sua divindade. Todos os anos, o site The Religion of Peace (A Religião da Paz) leva a cabo a triste contabilidade do mês sagrado do Ramadão.
Mas, para o Islão, todos os meses são meses de matar. Por exemplo: no mês de Abril de 2017, foram assassinadas 1336 pessoas em nome do deus Alá, os feridos graves foram 946, os ataques suicidas foram 30, os ataques ao todo foram 165 e os países atingidos foram 25.
Ao 6º dia de Ramadão de 2017 já vamos com 29 ataques e 345 mortos. Nos mesmos períodos, nenhuma outra das centenas de milhar de religiões que há neste planeta matou ou atacou quem quer que fosse.
Mas nem só de assassínios e bombas vive o Ramadão. Ainda hoje, em Paris, um  homem que foi a um estabelecimento comprar uma cerveja. Um muçulmano atacou-o com um facalhão, porque segundo o Islão, não se deve beber álcool. Ainda por cima no Ramadão:


Também em França, um muçulmano desata a partir garrafas, porque é Ramadão:

  


Também em França, um muçulmano ataca pessoas e vira mesas porque, sendo Ramadão, não se pode comer durante o dia:


Ficamos apenas com três exemplos, para não cansar muito. De Paris, uma sociedade já fortemente islamizada, com a conivência das autoridades (ver a propaganda oficial de conto de fadas no post anterior).
Estes três breves exemplos servem para ilustrar:

a) a natureza intrinsecamente violenta e bárbara do Islão;
b) a incapacidade que os muçulmanos têm de tolerar outras culturas e deixar de impor a deles;
c) o espírito supremacista e conquistador do Islão, que, onde quer que chegue, trata imediatamente de esmagar os nativos, começando pelas mais disparadas exigências.

O único problema dos muçulmanos com Israel é que este é um país não islâmico (ainda que ridiculamente pequenino) no meio de um vasto continente islâmico, algo que eles não toleram, nem em termos geográficos nem em termos pessoais. A visão islâmica do mundo é que quem não é muçulmano deve ser morto, e ponto final.


Massacre de Manchester: o terrorismo islâmico é a expressão da total intolerância e do mandamento religioso de exterminar os "infiéis". Seja em Londres, seja em Jerusalém.

 Releia, sff:

Visite as nossas secções:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.