domingo, 7 de fevereiro de 2016

Somos todos judeus. E cristãos.

Salvando vidas de judeus num campo de prisioneiros de guerra - o heroísmo de um soldado cristão

Por Keith Davies, do site RESCUE CHRISTIANS (SALVEM OS CRISTÃOS)
Há setenta e um anos, um sargento-chefe cristão do Exército dos EUA arriscou a vida para salvar os seus soldados judeus num campo de prisioneiros nazi. 
Entre um grupo de 1.275 soldados norte-americanos que foram capturados e detidos no  campo Stalag IX-A, provavelmente não mais do que 200 eram judeus, mas os nazis queriam matar até ao último. O comandante alemão ordenou que os prisioneiros judeus - e somente os prisioneiros judeus - comparecessem à chamada. As razões eram óbvias.

   
O seu líder, o sargento Roddie Edmonds, sabia que, de acordo com a Convenção de Genebra, a única informação que os soldados tinham de fornecer era o nome, posto e número mecanográfico. Disse aos seus homens: "Nós somos todos judeus", e todo o grupo se apresentou à chamada. Quando pressionado, com uma arma apontada, a dizer aos soldados judeus para avançarem, o sargento Edmonds continuou a recusar-se a entregar os seus soldados judeus para uma morte certa.
Perante a nobreza de tal atitude, o comandante nazi não teve resposta. Virou-se e saiu. Alguns desses soldados judeus ainda estão vivos, e testemunham a integridade e coragem de Edmonds. O seu acto heróico só agora veio à luz do dia, trinta anos após a sua morte, devido à investigação conduzida pelo seu filho - a quem Edmonds não contou uma palavra da história. Edmonds foi postumamente homenageado pelo Yad Vashem, o Museu do Holocausto de Israel, como "Justo entre as Nações".

Imagine-se a força de carácter, o compromisso com os seus valores e a fé sólida, necessários para fazer a coisa certa, sob ameaça de morte. Você acha que seria capaz de fazer o mesmo?


Você pode.
Tal como os judeus na Europa nazi há setenta anos, os cristãos estão hoje a ser assassinados e perseguidos nos países muçulmanos por causa da sua fé. A organização RESCUE CHRISTIANS (SALVEM OS CRISTÃOS) envia heróis para o terreno, mas precisamos da ajuda daqueles que estão dispostos, apesar dos tempos económicos difíceis e apesar da pressão financeira desta época, a defender o que é certo.
Precisamos daqueles que sabem o que é a justiça e estão dispostos a fazer um esforço por ela. Precisamos do seu apoio. 
Este episódio, passado em 25 de Dezembro de 1944, repete-se hoje, em 25 de Dezembro de 2015. Vamos mostrar às pessoas que cometem o Mal que o Bem prevalecerá sempre.



A organização RESCUE CHRISTIANS foi fundada pelo ex-terrorista "palestino" Walid Shoebat, hoje convertido ao Cristianismo e refugiado nos Estados Unidos. Graças aos donativos de pessoas de Bem, muitos cristãos têm sido salvos da morte certa às mãos dos jihadistas. Se quiser doar, clique no logotipo abaixo e e siga as instruções. Se não puder doar, são bem-vindas as orações e a divulgação.

http://rescuechristians.org/purchasedonate/

6 comentários:

  1. Na qualidade de cidadão brasileiro, eu me pergunto o que nossas autoridades que são supostas basear sua conduta na moral judeo-cristã fazem a respeito dos maus tratos que muitos cristãos tem sofrido no mundo do islã. Aparentemente nada. Ora se elas se mexessem, elas conseguiriam resultados importantes junto aos países onde os ditos maus tratos estão acontecendo. Além disso, e de novo na qualidade de cidadão brasileiro, eu me pergunto o que meus conterrâneos estão fazendo para que nossas autoridades adotem uma atitude consistente com a moral que pretendem seguir. A resposta a esta pergunta é diversa. Alguns dos meus conterrâneos apoiam facções terroristas desses países onde os ditos maus tratos estão acontecendo; outros conterrâneos puxam o saco de governantes desses países etc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Posso dizer exactamente a mesma coisa em relação a Portugal, caro amigo. O nosso ex Vice-Primeiro-Ministro e ex-Ministro das Relações Exteriores,, senhor Paulo Portas, um católico devoto, reconheceu a "Palestina" islâmica e nada fez pelos cristãos perseguidos no Médio Oriente e em África, muito menos pelo castigado Estado Judaico. A nossa Assembleia da República subscreveu e o espectro político é unânime em condenar Israel e apoiar os países islâmicos.

      Daqui a alguns anos vamos perguntar: «Como foi possível?». É que o Holocausto dos cristãos que está a decorrer ameaça ser ainda maior que o dos judeus há 70 e tal anos.

      E nestas coisas de genocídios, até fica mal falar em milhões para aqui e milhões para ali, porque uma morte injusta já seria demais.

      Os países islâmicos têm grandes reservas de petróleo, e por isso até os partidos democráticos se vergam ás mais atrozes ditaduras. A China é a superpotência global dos nossos dias. E por isso já lá vão mais de 2 milhões de tibetanos massacrados e o Tibete foi anexado sem que o Mundo Livre mexa uma palha. Até se recusam a receber o Dalai Lama, por pressão da ditadura comunista chinesa.

      Na História dos Judeus, o episódio do Bezerro de Ouro recorda-nos quais são os valores verdadeiros e quais são os fúteis e transitórios. Quando estas pessoas comparecerem perante a Justiça Divina, responderão pelo genocídio dos cristãos, dos tibetanos e de outros desvalidos. Que Deus lhes perdoe, que a mim, custa-me um bocadinho...

      Oliveira

      Eliminar
  2. Uma história de coragem .... não conhecia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade. Não só foram heróicos, o sargento e os seus homens, como foram modestos e consideraram que apenas cumpriram o seu dever moral. As pessoas realmente boas nem percebem que o são.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Com efeito. Todo o pelotão arriscou a vida por uma minoria de camaradas. E é assim que deve ser. Mais vale perder a vida terrena do que comprometer a eterna. Felizmente, neste caso, não foi preciso morrer ninguém.

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.