terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Chora, chora, que a gente fotografa...




Um dos vídeos que ilustram Pallywood: «Pallywood in the Shuhada Street - Let's fool the world» - Pallywood na Rua Shuhada - Vamos Lá Enganar o Mundo.

Um grupo de árabes escondia-se dia após dia numa loja e atirava cocktails molotov contra as casas de judeus do outro lado da rua. Como resultado, os militares selaram a loja.
Os activistas anti-Israel tentaram apresentar a situação como agressão contra os "inocentes" "palestinos".
Neste vídeo pode-se ver os directores profissionais de cinema "Pallywood" dizendo à mulher idosa para se sentar numa cadeira na frente da loja e começar a chorar, (enquanto a filha ri incontrolavelmente), criando assim uma cena narrativa enganosa, enganando telespectadores em todo o mundo.

Os repórteres, visivelmente divertidos com a cena, não deixam de a apresentar como se não fosse encenada. Faz parte da profissão difamar Israel e os judeus.
Este é apenas um de milhares de exemplos, das mentiras que são espalhadas pelos "palestinos" e, em seguida, relatadas como factos na Imprensa global, quase toda conivente.
Se a causa "palestina" é tão justa, porquê a necessidade de mentir, apagar vídeos, boicotar sites como o paLIEStine, que foi mais uma vez pirateado?

3 comentários:

  1. Um nosso velho conhecido, um islamonazi a que fizemos referência recentemente, deixou como comentário a este post:

    «KVRGANIVS NOSTRATORVM3 de fevereiro de 2016 01:16
    JUDEIA ESTADO NEOCRUZADO DE MERDA DOMO RECONQUISTADO JA»

    Passa a vida a fazer perfis novos para poder encher a nossa caixa de comentários com os demónios que o atormentam. Ri-se do assassinato de mulheres e crianças em Israel, celebra o terrorismo islâmico global, como prenúncio de uma nova era de Nazismo ressuscitado, etc..

    Este é, mais um comentário deste islamonazi assumido, bem ilustrativo da amizade de nazis e islamistas, e do seu ódio à Civilização Judaico-Cristã, começando por Israel e pelos judeus.

    Perante todas as evidências que apresentamos, e que milhares de outros sites apresentam, aos milhares, às centenas de milhar, de que o Islamismo é igual ou pior que o Nazismo, que ambas as ideologias partilham os mesmos objectivos, indivíduos como este limitam-se a debitar slogans de ódio.

    Perante a História, o Direito e a Racionalidade mais elementar, indivíduos como este limitam-se a espumar ódio e malvadez. Sabem que a razão não lhes assiste, mas isso não é obstáculo para eles. O apelo do Mal é maior.

    A foto de perfil deste indivíduo é a do líder do bando terrorista islâmico Hezbollah, que trafica drogas, armas, e faz atentados mortíferos à escala global. E contém a famosa máxima jihadista de que Israel e o seu povo devem ser removidos da face da Terra.

    As amizades deste indivíduo - que assina em Latim - são nazis, terroristas islâmicos, extremistas de direita e de esquerda (os extremos tocam-se e o inimigo comum une ideologias que se odeiam entre si)

    Não têm um único argumento racional a apresentar, estas pessoas. Todo o pensamento desta gente se resume a ódio, teorias da conspiração, mitologias delirantes Hitlerianas e afins.

    ResponderEliminar
  2. Hitler considerava que o Judeo-Cristianismo era "o mal da Civilização Ocidental", por pregar o amor ao próximo, o perdão, a caridade. O único profeta que Hitler declarou admirar era Maomé, e a única religião que Hitler apreciava era o Islamismo, pela sua natureza bélica, cruel e totalitária. Hitler lamentava que o Islão não tivesse tomado a Europa.

    Pessoas como este indivíduo, que cultivam activamente o Mal, não olham a meios para atingirem os seus deploráveis fins: usam difamação, violência, propaganda, mentira, em plena consciência de que estão na senda do Mal. Mas é ao Mal que veneram.

    "Porquê dar importância a gente como esta?" - perguntarão. Por duas razões: porque apesar de tudo este é um ser humano, um filho de Deus; e porque gente como esta não se limita a propagar ódio (o que já de si é grave) - gente como esta mata e manda matar.

    Pessoas como este indivíduo criam os seus próprios mitos e acreditam neles. Tal como Hitler, acreditam serem descendentes de uma mitológica "raça" (de que não há traços históricos ou arqueológicos), e inventaram uma História alternativa, em que o Judeu-Cristianismo, com a sua "pieguice" de amar e perdoar, é o grande obstáculo ao reinado do "Super-Homem".

    Hitler (de estatura mediana e moreno) via no homem alto e louro de olhos azuis o "descendente perdido" da tal civilização perdida das neves do Norte. Mas tinha nos Japoneses os seus aliados estratégicos, que eram por isso considerados "arianos honorários". Os Árabes (aliados de Hitler também), eram apenas amigos de ocasião, transitoriamente úteis, mas destinados à extinção ou escravatura, juntamente com o resto dos habitantes da Terra.

    Este senhor que nos deixa o comentário é (pelo menos é o que ele diz) um sul-americano, chileno, provavelmente descendente de muitas "raças" que ele tem como inferiores, mas cultiva os mesmos ideais de Hitler.
    Agora que os Japoneses desistiram de dominar o hemisfério Oriental, serão os Muçulmanos os novos "arianos honorários".

    Olhando para a História do Nazismo e do Islamismo, podemos ter uma ideia da "Sociedade Ideal" que estas pessoas defendem. É este um dos perfis-tipo dos inimigos de Israel.

    Enfim, um caso de Psiquiatria que deixámos excepcionalmente passar para reflexão dos nossos leitores e amigos.

    Como cultivamos os valores judaico-cristãos (e todos os valores meritórios de outras Civilizações) desejamos a este senhor que ganhe juízo, e se possível que se cure. O ódio é um sentimento que não albergamos no nosso coração "amolecido". É por isso que apoiamos Israel e todas as nações que sofrem sob as tiranias islamistas e comunistas.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.