sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Intifacada continua: jovem pai assassinado

Tuvia Weissman, mais um inocente assassinado pelos terroristas islâmicos. Deixa viúva e filhos. Mas não faz mal. É judeu e israelita! Se fosse africano também não fazia muito mal. É um bocadinho mais aborrecido é quando se trata de 'pessoas propriamente ditas', não é verdade?...

Um jovem pai de família, de 21 anos de idade, foi assassinado enquanto fazia compras para o Shabat num supermercado, em Sha'ar Binyamin, a norte de Jerusalém. Outro cliente ficou ferido.

Um ataque terrorista palestino foi relatado pouco antes das 17:00 horas num supermercado israelita, na zona industrial Sha'ar Binyamin, na região de Binyamin, ao norte de Jerusalém.

De acordo com um porta-voz da Polícia, dois jovens terroristas palestinos conseguiram entrar no supermercado e esfaquear dois cidadãos israelitas, antes de os terroristas terem sido alvejados por um cidadão armado.

O cliente que foi assassinado foi identificado pelo IDF (Forças de Defesa de Israel) como  sendo o Sargento Tuvia Weissman, um soldado de combate da Brigada Nahal do IDF. Um homem de 35 anos ficou ferido, depois de sofrer ferimentos de faca no pescoço.

"Os corredores no supermercado ficaram apinhados de pessoas que gritavam" - disse uma testemunha no local ao Tazpit Press Service (TPS). "Alguém gritava para os terroristas: 'O que é que vocês estão a fazer?'. Então ouvi os tiros. Enquanto as pessoas fugiam, ouvi bebés e mulheres que choravam. Foi um terror!".

Vários clientes ficaram em estado de choque, incluindo uma mulher grávida.

Os dois terroristas feridos foram tratados no local e transportados para um hospital.

Por: Unidos Com Israel e TPS

http://unitedwithisrael.org/es/



OS PRÓXIMOS CAPÍTULOS

... clamam os pregadores muçulmanos. E o Mundo respeita, "porque é a cultura deles, 'tás a ver, man?".

- Se as houver, as únicas referências a mais este assassínio, na Imprensa internacional, serão, quanto muito, o habitual "Mais dois 'palestinos' feridos enquanto continua a escalada de violência em Israel", "Não há solução à vista: uma terra para dois povos", etc., etc., as infâmias do costume.
- O terrorista Ban Ki-moon lamentará que os dois terroristas tenham sido alvejados, e a ONU criticará Israel pela "força excessiva".
- Alguns lamentarão mesmo que houvesse um homem armado para impedir os dois terroristas de matarem mais inocentes. Os judeus, numa situação desta, devem pôr-se em fila para serem abatidos, como quando entravam nas câmaras de gás. É o mínimo que se lhes pede!
- As vidas dos judeus, o sofrimento da família, dos amigos, de todo o povo da única democracia do Médio Oriente, não interessam.
- Os judeus, que morrem todos os dias às mãos dos terroristas, continuarão a ser acusados, em certos círculos, de "matarem crianças árabes". É um daqueles dados adquiridos, algo que se tem por tão inquestionável que nem vale a pena tentar confirmar. "Ai matam crianças? Onde é que estão as provas disso?" - pergunto. A resposta vem, célere, sempre a mesma: "Ora poupa-me! Toda a gente sabe!". E como "toda a gente sabe" não vale a pena tentar demover os odiadores, as vítimas da propaganda islamonazi.

- Como sempre, os dois "jovens" serão condecorados pela "Autoridade Palestina" do "moderado" Mahmoud Abbas. Eles e as suas famílias receberão prémios em dinheiro e subsídios vitalícios, serão celebrados triunfalmente pela populaça islâmica, e haverá  procissões, fogo de artifício, tiros para o ar, distribuição gratuita de doces, fotos e vídeos de muçulmanos em delírio nas redes sociais. Matámos mais um judeu! Viva! Mais viúvas e mais órfãos!
- Como sempre, "os malandros dos judeus", em vez de abaterem ali os dois demónios islâmicos, chamaram a ambulância, levaram-nos para o hospital, dispensar-lhes-ão todos os tratamentos possíveis, salvar-lhes-ão as vidas, e eles agradecerão como sempre: voltarão para matar mais judeus. E será assim, até Israel expulsar os terroristas de vez do seu território - do que resta do seu território, que 3/4 dele foram oferecidos aos Árabes, apenas em troca da Paz que nunca veio. Nem virá, daquele lado.

As vítimas do terrorismo em Israel são iguais às vítimas do terrorismo em qualquer outro lugar do Mundo!
Clique aqui para ver o vídeo em que Ban Ki-moon admite que existe preconceito anti-Israel na ONU.

1. Telefone a Ban Ki-moon: 1 (212) 963-1234
2. Clique aqui para protestar na página da Facebook da ONU.
3. Envie um mail a Ban Ki-moonbkm@un.org

POST-SCRIPTUM


Entretanto, no decorrer do dia, mais um ataque terrorista. As forças de segurança eliminaram um terrorista "palestino" que esfaqueou dois polícias de fronteira, na Cidade Velha de Jerusalém. As vítimas feridas estão em condições de leve a moderada.

Um terrorista palestino feriu dois polícias de fronteira num ataque por esfaqueamento na Porta de Damasco, esta sexta-feira de manhã Cidade Velha de Jerusalém. Uma mulher "palestina" que estava nas proximidades também ficou ferida.
O assaltante, identificado como morador em Jerusalém, Mohammad Abu Khalaf, de 20 anos, foi baleado e morto pela polícia. Veja as imagens abaixo.
As vítimas israelitas, na casa dos 20 anos, ficaram levemente a moderadamente feridas - uma na cabeça e outra no braço. Foram transferidos para o Shaare Zedek Medical Center, na capital, depois de serem tratados por paramédicos da Magen David Adom. A mulher "palestina" ficou levemente ferida na perna e recebeu tratamento médico.

- As manchetes mundiais darão conta da morte do terrorista como sendo um árabe arbitrariamente abatido pelo Polícia. Dá audiências, vende jornais, ajuda a propagação do Islão e a consequente queda do Ocidente. Mahmoud Abbas, o instigador da "Intifacada", continuará a merecer os encómios da politicada global.

2 comentários:

  1. iSSO É UMA COVERDIA SEM LIMITES, E A ONU SE CALA CUMPLICE DESSE TERROR. DEUS PROTEJA ISRAEL.

    ResponderEliminar
  2. Não é possível fazer a paz com cães raivosos.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.