quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Os Estupros de Ano Novo e a Lógica Islâmica

Resumo deste post: se para o Islão a culpa do Massacre de Paris foi da "islamofobia", a culpa da brutal onda de estupros cometidos por "refugiados" sobre mulheres europeias na Passagem de Ano... foi das mulheres estupradas!


O Grande Mufti da Austrália foi o ÚNICO líder religioso islâmico em todo o Mundo a pronunciar-se sobre o Massacre de Paris - para o aprovar!
Recapitulando, e raciocinando islamicamente:

A LÓGICA SEGUNDO O ISLÃO 

1 - Alá ordena: “E quando encontrares os infiéis, corta-lhes a garganta" (Alcorão 47:4)

2 - Porque o Alcorão é sagrado, é a palavra e Alá,  é indiscutível,  é interpretado e cumprido literalmente, os muçulmanos cortam diligentemente as gargantas dos infiéis, às centenas por dia, em todo o mundo (confira contabilidade em www.thereligionofpeace.com).
3 - Os infiéis têm o supremo atrevimento de ter medo dos muçulmanos, porque estes têm a obrigação religiosa de os degolar.
4 - Ora o medo dos infiéis é extremamente ofensivo para os muçulmanos (que se ofendem com TUDO o que seja não-muçulmano).
5 - O corolário lógico, em consequência da situação exposta, é enviar um comando suicida de "refugiados" muçulmanos ao Estádio de Paris, à sala de espectáculos Bataclan e aos cafés parisienses, matar tantos infiéis quanto possível, a tiro e à bomba.
6 - Perante as medidas de protecção tomadas pelas autoridades, o passo seguinte é mais indignação contra essas manifestações de "racismo", "xenofobia", "apartheid", "islamofobia", etc..
7 - O que conduz a mais ataques terroristas, em protesto contra o  "racismo", "xenofobia", "apartheid", "islamofobia", etc., num ciclo que durará até à submissão definitiva dos infiéis.
É assim que funciona há décadas em Israel, com a aprovação entusiástica do Mundo e das extremas esquerdas e direitas. Agora é a nossa vez.

O ESTUPRO SEGUNDO O ISLÃO



O Imã de Colónia, Alemanha, foi o ÚNICO líder religioso islâmico em todo o Mundo a pronunciar-se sobre o Festival de Estupros de Ano Novo - para o aprovar!


Tal como aconteceu no Massacre de Paris, a Imprensa também não conseguiu esconder a orgia de estupro colectivo que varreu as capitais europeias nas celebrações de Ano Novo. Os polícias (com medo de perderem o emprego (sob acusações de "racismo", "xenofobia", "apartheid", "islamofobia", etc.), iam relatando que estava tudo bem, enquanto hordas de bárbaros muçulmanos violavam as mulheres europeias (mais tarde admitiriam que nunca tinham visto selvajaria em tal grau e proporções).

Mas as queixas acumularam-se de tal forma, que a coisa teve que ser conhecida. Um pouco como aconteceu com as redes islâmicas de estupradores de crianças no Reino Unido, que a Polícia tentou esconder até aos limites, mesmo quando as crianças apareciam na esquadra ensanguentadas, acompanhadas dos pais desesperados.


ONDE ESTÃO AS MULHERES? - Do milhão de "migrantes" muçulmanos que entraram na Europa em 2015, quase 80% são homens. Da destruição causada temos dado breves amostras.



Via Breibart, a única declaração de um líder islâmico (de uma mesquita conhecida por abrigar terroristas e pregar a jihad) sobre os acontecimentos:

Falando ao  importante canal russo REN TV, o Imã Sami Abu-Yusuf, durante um segmento de 12 minutos, comentou os últimos desenvolvimentos da invasão de migrantes na Europa. 
Posto perante a evidência dos ataques de migrantes em Colónia, das mulheres agredidas sexualmente por gangues aparentemente árabes, e em resposta à súbita demanda de cursos de defesa pessoal na Alemanha, o Imã disse ao entrevistador: "Precisamos de reagir adequadamente, e não de atirar combustível para o fogo ".

Explicando a visão do Islão salafista sobre as centenas de mulheres vítimas de apalpadelas, agredidas sexualmente e em alguns casos estupradas por grupos de homens migrantes em cidades por toda a Alemanha, o Imã disse: "Os acontecimentos da véspera de Ano Novo foram culpa das próprias raparigas, porque estavam seminus e usavam perfume. Não é de surpreender que os homens as tenham atacado. Vestirem-se assim é deitarem combustível para o fogo".

A peça jornalística considerou previsível que a migração muçulmana em massa resultaria em violência e gangues de estupro. O narrador disse aos telespectadores que, após os acontecimentos de Véspera de Ano Novo,  tornou-se difícil dizer a quem pertence a Alemanha, se aos muçulmanos ou aos alemães. Também expressou a opinião de que estes ataques sexuais não são mais do que um ensaio para algo muito maior que está para vir. (...)
--------------------------
Raciocinando islamicamente, é fora de dúvidas que os 7 passos da lógica islâmica acima expostos se seguirão a este primeiro festival de estupro islâmico verdadeiramente mediático e em escala continental da era moderna. Mais e maiores festivais se seguirão - caso a Europa não ACORDE!

O Islão manda-os estuprarem as mulheres infiéis. Eles estão ofendidos por causa de as mulheres infiéis andarem a ter aulas de defesa pessoal para não serem estupradas por eles. Consequentemente, vão estuprá-las.



Uma das vítimas da onda de estupros que varreu a Europa no Ano Novo.

VEJA OU REVEJA


E isto, caros amigos, é uma amostra ínfima...
 
(É verdade, é - somos um blogue muito "violento". Pacífico só mesmo o Islão.)


P.S. - Diversos vídeos (feitos pelos perpetradores) das agressões sexuais e dos muçulmanos a dispararem fogos de artifício contra os infiéis foram retirados das redes sociais. Restam pequenas amostras como esta:

1 comentário:

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.