terça-feira, 25 de outubro de 2016

História de Israel - O Mandato Britânico

Mais um post da série HISTÓRIA DE ISRAEL:
Dicionário Larousse, ano de 1939. Na página da esquerda, em cima, na bandeira da Alemanha, que era então a bandeira nazi, com a respectiva cruz suástica. E como era, em 1939, a bandeira da Palestina?
Era assim:
"Palestina" foi o nome  dado pelos ocupantes Britânicos à Terra de Israel. Nunca existiu nenhuma Palestina árabe. Israel é a terra dos judeus, desde há MILÉNIOS. Como Portugal é a terra dos portugueses, não importa quantos nomes tenha tido (Condado Portucalense, Reino de Portugal e dos Algarves, República Portuguesa) ou que tenha estado sob a soberania Espanhola.

Após a dissolução do Império Otomano, no final da Primeira Guerra Mundial, Israel, então chamado Palestina (o mesmo nome que os Romanos lhe tinham dado, derivado de Filistina/Terra dos Filisteus, povo já extinto ao tempo da ocupação Romana), tornou-se território administrado pelo Império Britânico. 

Os turcos-otomanos foram derrotados no início da Primeira Guerra Mundial, e a Palestina ficou sob controlo militar britânico enquanto a guerra durou. Os britânicos melhoraram a qualidade de vida dos judeus e dos árabes na então Palestina Britânica, melhorando o abastecimento de água e de alimentos, combatendo as doenças, e melhorando as comunicações. 

Em 1922, após a Primeira Guerra Mundial, a Liga das Nações deu formalmente o controlo temporário da Palestina ao governo britânico; o objectivo declarado da Liga das Nações para o Mandato Britânico era administrar partes do extinto Império Otomano, que tinha controlado todo o Médio Oriente desde o século 16, até que os residentes locais estivessem prontos para o auto-governo. 

Mapa da Terra de Israel desde 1516 - do domínio Turco-Otomano à actualidade.

A Grã-Bretanha foi incumbida de criar um lar nacional para o povo judeu. O trabalho da Grã-Bretanha foi o de implementar a Declaração de Balfour, que tinha sido assinada havia cinco anos, afirmando o desejo da Grã-Bretanha de criar uma pátria para os judeus na Palestina Britânica. O governo britânico, no entanto, fez promessas conflitantes aos judeus e aos árabes, prometendo a cada um a sua área autónoma. A elaboração do mandato e a demarcação das fronteiras de Israel foi um acto de equilíbrio delicado, cheio de conflitos. O Comité para a Palestina, por exemplo, opôs-se à frase invocando a "reivindicação" histórica do povo judeu na Terra Santa; a frase foi, consequentemente, reformulada.
O mandato foi finalmente ratificado em Junho de 1922. Durante os anos do Mandato, que durou de 1922 até à declaração de um Estado independente de Israel em 1948, a população judaica cresceu. Mais de 300.000 judeus imigraram para Israel, e estima-se que outros 50.000 imigraram ilegalmente. No início, os imigrantes não encontraram oposição da população árabe local. 

No entanto, como o anti-semitismo e a perseguição aos judeus a aumentavam na Europa, assim como o número de imigrantes para Israel, os árabes começaram a sentir-se desconfortáveis e ressentidos, e o governo britânico colocou limites estritos em matéria de imigração. As tensões aumentaram entre judeus e árabes, e ocorreram tumultos, como os motins Hebron, em 1929. 
Foi nessa época que a população judaica começou a formar as suas próprias forças de defesa, como o Haganah e o Irgun, que serviram de base ao IDF - Forças de Defesa de Israel. Ainda assim, um grande progresso foi feito em Israel. A economia do sector judaico foi crescendo, bem como outros aspectos da vida judaica. Um sistema de ensino centralizado foi criada em 1919; em 1920, a Federação de trabalho Histadrut foi fundada; o Instituto Technion e a Universidade Hebraica de Jerusalém foram ambos estabelecidos durante os anos de mandato. 

Plano de Partição da Palestina Britânica em 1922: 77% para os invasores árabes e 23% para os nativos judeus. A percentagem viria a ser ainda mais alterada a favor dos árabes. Mas nunca chega. O objectivo do mundo islâmico e da esquerda são os 0% de território e os 0% de judeus no Mundo.

Na sequência de revoltas árabes, entre 1936 e 1939, a Grã-Bretanha emitiu o Livro Branco, essencialmente renegando os princípios estabelecidos no Mandato, bem como a Declaração de Balfour. Severas restrições foram colocadas sobre a imigração judaica, bem como sobre os direitos de propriedade de terras judaicas. 

Durante os anos da II Guerra Mundial, a pequena quota foi rapidamente atingida, e os judeus que fugiam do Holocausto foram impedidos de entrar em Erets Israel, então chamada a Palestina Britânica. 

A opinião pública judaica voltou-se contra os britânicos, e as organizações clandestinas de defesa judaicas realizaram ataques contra os britânicos. A proibição de imigração permaneceu em vigor, mas o mandato foi-se tornando cada vez mais impopular. 

Após a Segunda Guerra Mundial, as Nações Unidas (a antiga Liga das Nações), adoptou o Plano de Partilha, essencialmente dividindo a Palestina Britânica em um Estado árabe e um Estado judeu, com Jerusalém sob controlo internacional. Isto levou a Grã-Bretanha a terminar o seu mandato e Israel a declarar sua independência em Maio de 1948.

Bibliografia:
Stand With Us.

Jewish Virtual Library

Myths and Facts
 Em caso de dúvida, (re)leia:

Mas afinal quem são os "palestinos"?

e



 

Este post foi publicado também no blogue O MELHOR DO AMIGO DE ISRAEL.

Israel - O Nascimento de uma Nação


 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.