quinta-feira, 6 de outubro de 2016

7.700 encontros com terroristas nas fronteiras dos Estados Unidos

Vivemos tempos de massificação da mentira. Donald Trump, o candidato conservador às eleições nos Estados Unidos, é vilipendiado pelos meios de comunicação de massas (hoje conhecidos como os media) a cada instante.

Ver:

Porque é que os media diabolizam Trump - 1

Porque é que os media diabolizam Trump - 2




"Veteranos antes dos ilegais": Donald Trump é o candidato do senso-comum.


Pela raiva com que os jornalistas  (maioritariamente malta da esquerda anti-Ocidental) se atiram contra as suas propostas, podemos avaliar o quanto estas os incomodam. É que Trump é um obstáculo às suas expectativas de destruição do Mundo Livre.


Imigrante sikh num comício de Donald Trump, com turbante a condizer.

Uma das promessas de campanha mais atacadas, que fez a Imprensa global qualificar Trump como "louco", foi a da construção de um muro, ou uma cerca de segurança, na fronteira dos Estados Unidos - como têm os países comunistas e islâmicos, mas aí trata-se de muros bonzinhos,  claro!

(Já os Estados Unidos e Israel, não têm o direito de vedar a entrada aos terroristas!)


Trump e Netanyahu, líderes das duas soberanias-chave do Mundo Livre *
* - Daí serem tão odiadas pela extrema-esquerda e pelos islamistas:

Porque é que a Esquerda odeia Israel

Porque é que a Esquerda Odeia Israel - BREIBART


Meios de comunicação LIVRES, não pagos por interesses obscuros, (ainda) podem ser encontrados na Internet. Ora veja o que nos conta o Breibart:

FBI: 7.700 encontros com terroristas em 1 ano, na fronteira sul dos Estados Unidos


O Breitbart Texas teve acesso a documentos do FBI vazados que revelam 7,712 encontros com terroristas que ocorreram nos Estados Unidos no espaço de 1 ano. A maioria dos incidentes ocorreu na fronteira EUA-México.Os documentos caracterizam estes incidentes fronteiriços como "Encontros com terroristas conhecidos ou suspeitos".
Alguns dos encontros ocorreram perto da fronteira EUA-México e alguns ocorreram nas imediações, indicando que os terroristas e os suspeitos de o serem tentaram infiltrar-se nos EUA através da fronteira. Ao todo, os encontros ocorreram em maior número nos Estados fronteiriços.
Alguns dos documentos dizem respeito a todos os EUA, enquanto outros se concentram especificamente sobre o estado do Arizona. Os documentos são rotulados, "DOCUMENTOS SENSÍVEIS PARA AS FORÇAS DE SEGURANÇA" e contêm dados do Terrorist Screening Center / Centro de Controle do Terrorismo, administrado pelo FBI, também conhecido como o "Watch List Terror".
Os dados do FBI que vazaram estão contidos em materiais educacionais do Centro de Informações de Contra-Terrorismo do Arizona (ACTIC) e dizem respeito ao período entre 20 de Julho de 2015 a 20 de Julho de 2016. Os documentos vazados são compostas de 10 páginas individuais, mas o Breitbart Texas escolheu divulgar apenas nove delas, porque a página 10 contém informações de contactos do ACTIC.
A página Dois dos documentos contém um mapa de todos os EUA com os números de encontros por Estado. Os Estados com mais encontros são todos os fronteiriços. Texas, Califórnia e Arizona - todos Estados com fronteira comum com o México - revelam elevado número de encontros.


A página Três mostra um mapa de onde os encontros ocorreram no estado do Arizona. A maioria ocorreu em Phoenix, um importante ponto de destino para as pessoas que atravessam ilegalmente a fronteira EUA-México. 
O mapa também mostra que os encontros ocorreram em pontos de entrada, provavelmente envolvendo pessoas a pé para e pedindo asilo, ou que o cartel de Sinaloa tentava introduzir nos EUA em veículos. Mais significativamente, o mapa mostra que muitos dos encontros ocorreram perto da fronteira, indicando que as pessoas estavam a tentar esgueirar-se para os EUA


A página Seis mostra um gráfico circular, indicando que a maioria dos encontros no Arizona ocorreu com terroristas islâmicos, conhecidos ou suspeitos, sunitas e xiitas. 89 encontros foram com terroristas muçulmanos sunitas, 56 com xiitas, 70 com "outros grupos terroristas internacionais ou filiados", e apenas 52 estavam relacionados com "terrorismo doméstico".

A página Sete contém definições para ajudar a entender os mapas.

Brandon Darby é director e editor-chefe do Breitbart Texas. Pode segui-lo no Twitter e no Facebook.



Aqui vão os documentos:

Page 4 of 9 by Brandon Darby on Scribd
 Page 5 of 9 by Brandon Darby on Scribd
  Page 6 of 9 by Brandon Darby on Scribd


 Page 7 of 9 by Brandon Darby on Scribd


O politicamente correcto instituiu que é "racista" que o Mundo Livre exerça o seu direito a proteger as suas fronteiras dos terroristas.

Nos países comunistas e islâmicos, quem se atreva a tentar entrar sem autorização, é prontamente abatido!



As pessoas estão cansadas de toda esta loucura, de toda esta propaganda pró-islamização. As sondagens indicam que as eleições nos Estados Unidos serão a sequência do que se passou já na Austrália e no Reino Unido. E seguir-se-ão França, Holanda e outros países.

http://www.breitbart.com/

"Eles declararam-nos guerra. Nós não lhes declaramos guerra. Nós temos a obrigação de nos DEFENDERMOS!".
- Andrew Breibart.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.