segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Rio 2016 - a delegação em falta no desfile




O desfile das delegações, que abre os Jogos Olímpicos, é um dos momentos mais emocionantes deste evento de escala global. Entre as dezenas de delegações, de tamanho altamente variável, algumas vezes descobre-se um país que não se sabia que existia. É o caso, por exemplo, da República do Kiribati, localizada no Oceano Pacífico, com uma área de 811 km e uma população de 102 mil habitantes. Ou de Tuvalu, na mesma região, com uma área de 21km2 e uma população de 9800 habitantes! 

Vimos também, pela primeira vez na História olímpica, uma delegação composta por refugiados sírios, afegãos, do Sul do Sudão, da Etiópia e do Congo. 

Houve também uma delegação síria "oficial", que não teve direito a vaias, ainda que o regime de Damasco não esteja muito em sintonia com os valores dos Jogos Olímpicos ... 

E houve uma delegação de um Estado que não existe, nunca existiu e esperamos que nunca venha existir: a "Palestina", que a comunidade internacional quer impor à força, incluindo-o até nos Jogos Olímpicos, onde as disciplinas de esfaqueamentos, ataques à bomba, lançamento de pedras, ataques suicidas, ataques por atropelamento ou tiro ao carro, não fazem parte do programa olímpico. 

E, finalmente, houve a falta de uma delegação. A de um verdadeiro povo, que muito tem  procurado a sua independência ou, pelo menos, autonomia: o povo curdo. Os curdos, o maior povo do mundo - quarenta milhões de pessoas - que não tem o seu próprio Estado. Qualquer um que acha normal que a presença da delegação do Estado virtual da "Palestina" levantaria as sobrancelhas se disséssemos que deveria haver uma delegação curda. 

Este é mais um sinal da imensa hipocrisia da comunidade internacional. O desmantelamento do Médio Oriente, que resultou dos acordos Sykes-Picot, que criaram estados árabes artificiais, deixaram os curdos esquecidos. Seria aconselhável e sábio fomentar o surgimento de uma entidade curda, especialmente porque este povo hoje está na vanguarda da luta contra o Estado Islâmico. 

Mas a comunidade internacional e os Jogos Olímpicos preferem celebrar e aplaudir a "Palestina" artificial e inteiramente fabricada, em vez do Curdistão histórico. 

© por Shraga Blum para Europe-Israel.org


http://www.europe-israel.org/


- Só um Mundo cada vez mais louco, e ainda visceralmente anti-semita, se lembraria de reconhecer e levar aos Jogos Olímpicos um Estado inexistente,  essencialmente um bando terrorista, que reivindica como seu território os 0,5% do Médio Oriente que constituem (o que resta de) Israel.

- Só um Mundo hipócrita e cobarde continua a não permitir que o Curdistão ou o Tibete não tenham, pelo menos, uma delegação olímpica. Timor-Leste conquistou esse lugar a duras penas, conseguindo sacudir o jugo do terror islamista indonésio...

- Matar judeus à facada (que é adorar Alá), é uma modalidade em que a "Palestina" se distinguiria... Fora disso, a participação do bando terrorista conhecido como a "Palestina", destinou-se apenas a provocação e propaganda anti-semita.

Se ainda não leu, não perca:
 

Mas afinal quem são os "palestinos"?





A razão para esta obsessão islâmica com Israel é que O Islão vê-se a si mesmo como "Din al-Haqq", a verdadeira religião, e ao Judaísmo e ao Cristianismo como "Din al-Batil" - falsas religiões. Estamos no mesmo barco, não esqueça...
 Aproveite e resolva o seguinte questionário:

 
1. Quando é que o país foi fundado e por quem?  
2. Quais foram as suas fronteiras?  
3. Qual foi a sua capital?  
4. Quais foram as suas cidades mais importantes?  
5. Quais foram as bases de sua economia?  
6. Qual foi a sua forma de governo?  
7. Pode citar pelo menos um líder palestino antes de Arafat?  
8. A Palestina alguma vez foi reconhecida como um país cuja existência, então ou agora, não deixa margem a interpretação?  
9. O que era a língua da Palestina?

10. Qual era a religião predominante da Palestina?


11. Qual era o nome de sua moeda? Escolha uma data qualquer na história e diga qual era a taxa de câmbio da moeda palestiniana em relação ao dólar dos EUA, ao marco alemão, à libra esterlina, ao iene japonês ou ao yuan chinês na referida data.


12. E, finalmente, dado que este país não existe actualmente, que é o que causou o seu desaparecimento e quando é que ocorreu? Você que lamenta o "afundamento" de uma orgulhosa e nobre nação ", diga s.f.f, quando exactamente é que essa "nação" era orgulhosa e nobre?


APOIE ISRAEL. APOIE A VERDADE.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.