sábado, 13 de agosto de 2016

A verdadeira mesquita de Al Aqsa não fica em Jerusalém - 1


A mesquita de Al-Aqsa foi construída pelos colonos muçulmanos no lugar mais sagrado do Judaísmo. Os muçulmanos aí permanecem, conduzindo o terrorismo contra judeus e cristãos, apoiando a invasão e islamização do Mundo Livre. Os judeus não podem sequer visitar o seu lugar mais sagrado, que continua profanado.

Para os nossos leitores menos familiarizados com estes assuntos, esclarecemos que a Mesquita de Al-Aqsa (ver foto em baixo, o edifício de cúpula dourada), é o pretexto do mundo muçulmano para reivindicar soberania sobre Israel. Se eles lá construíram uma mesquita, aquilo é tudo deles. O raciocínio é o mesmo com a nossa Península Ibérica: já cá estiveram, isto é deles para sempre!

Confirme, sff:

Califado aponta baterias a Portugal e Espanha



Costumo dizer aos meus amigos que não sou mentiroso, porque tenho uma memória muito má. Para mentir, há que ter uma memória excepcional, para lembrar as mentiras que se contou e a quem. 
O Professor Mordechai Kedar do Departamento Árabe da Universidade israelita Bar-Ilan expressou uma ideia de que eu expressei há 30 anos.
Ele explica que a verdadeira mesquita de Al Aqsa não está em Jerusalém, mas perto de Ji'irrana, uma aldeia entre Meca e Taaf, na Península Arábica.

Os árabes, como os maus
mentirosos, esqueceram o que têm sempre mostrado historicamente: onde a Mesquita de al-Aqsa está localizada. E não é em Jerusalém.
O que Mordechai Kedar não percebe, porém, é que, enquanto a mentira for aceite por todos, não vai ser fácil aceitar a verdade. Especialmente quando os políticos, que representam oficialmente os seus países, não o fazem.


- A mentira é parte integrante do Islão. Vemos todos os dias milhares e milhares de pessoas vítimas de torturas, execuções, estupros e mutilações em nome do Islão, e os muçulmanos não só negam, como afirmam que são eles o alvo dessas atrocidades:

Saber estas quatro palavras árabes pode salvar a nossa Civilização


Aos leitores do Dreuz, apresento os factos expostos pelo Professor Kedar em artigo publicado esta manhã, 11 de Agosto de 2016 (fonte: israelnationalnews.com). É um excelente resumo das mentiras que os árabes estão a tentar esconder e que os europeus não querem ouvir, e muito menos estudar.
As primeiras fontes islâmicas mencionam a mesquita de Al Aqsa (que significa "mais distante"), apenas uma vez no Alcorão como uma das duas mesquitas localizados perto Ji'irrana, uma aldeia entre Meca e Taaf, na Península Arábica (agora Arábia Saudita). Uma das mesquitas chamava-se al-Masjid al-Adna, que significa "a mesquita mais próxima" e a outra "al-Masjid al-Aqsa", "a mesquita mais distante".

Quando o Alcorão se refere à mesquita de Al Aqsa, a propósito do mito da viagem nocturna do profeta Maomé, desde "a
sagrada mesquita" em Meca, até al-Aqsa, isto é, "a mesquita mais distante", trata-se da mesquita de Ji'irrana.
Tradução e adaptação © Jean-Patrick Grumberg para Dreuz.info.

 CONTINUA

A Viagem Nocturna de Maomé sobre o Buraq, criatura alada, misto de burro, mula, pavão e cara de mulher.  Gravura datada de 1525–35. Ouro, tinta e cores sobre papel. 27.9 cm x 18.4 cm. Metropolitan Museum.


- Diga-se de passagem que, ainda que Maomé tivesse voado de Meca para Jerusalém, o episódio é do século 7 da Era Cristã, já Israel era uma nação antiga. Se esta noite me der para voar sobre um buraq desde Portugal até ao Japão, não vou querer o Japão para mim. Aterro o buraq, vejo as vistas, como um sashimi, abasteço o buraq e volto para casa...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.