terça-feira, 31 de março de 2015

Quando os egípicios bebiam cerveja em Tel Aviv

 

Situada na confluência de três continentes, a Terra de Israel já foi ponto de passagem de inúmeras civilizações, ao longo dos milénios. A Arqueologia não cessa de trazer surpreendentes descobertas. E esta é uma delas: há 5 milénios, os Antigos Egípcios saboreavam a bela cerveja, no mesmo local onde hoje se ergue a cidade de Tel Aviv.

A Autoridade Israelita de Antiguidades acaba de descobrir fragmentos de recipientes usados pela população egípcia para preparar a cerveja. Os achados vêm de escavações no local que hoje é a Rua HaMasger.


Recipiente do início da Idade do Bronze, encontrado nas escavações
 

Diego Barkan, director das escavações, comunicou a descoberta de 7 armazéns de produtos agrícolas, datando do início da Idade do Bronze (3500-3000 a.C.). Entre centenas de potes de cerâmica que caracterizavam a cultura local, encontraram alguns que foram confeccionados segundo processos que correspondem à tradição egípcia de preparação da cerveja.

Já se sabia da presença Egípcia na Terra de Israel, nessa época, através de pesquisas conduzidas em  Ein Beso, no Neguev. Estas escavações testemunham a presença da Civilização dos Faraós mais a norte.


Punhal de bronze, de 6.000 a.C., encontrado nas escavações agora a decorrer em Tel Aviv.

A cerveja era a bebida nacional do Egipto. E uma bebida absolutamente democrática, consumida por toda a população, independentemente da idade (!), género ou classe social. Era feita de cevada e água parcialmente cozidas e deixadas a fermentar ao sol. Era depois enriquecida com extractos de fritos, para dar sabor, e filtrada em recipientes especiais. Escavações conduzidas no delta do Nilo revelaram fábricas de cerveja datando do quarto milénio antes de Cristo.

- Traduzido, resumido e adaptado de United with Israel.


 Cerveja egípcia actual

P.S. -  Esta semana, os judeus observantes não bebem cerveja, por ser um produto fermentado. A cerveja (como todas as bebidas alcoólicas) está contudo banida nos regimes islâmicos mais rigorosos. Talvez seja essa, aliás, a raiz dos respectivos problemas. Pelo menos a crer na teoria que afirma que a cerveja foi o motor da evolução humana e de que "é a prova viva de que Deus nos ama e nos quer ver felizes" (Benjamin Franklin).

Numa nota relacionada com o tema em apreço, refira-se que os escravos judeus que construíram as pirâmides do Egipto tinham direito a uma ração diária de cerca de 4 litros de cerveja por dia. Do mal, o menos...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.