terça-feira, 3 de março de 2015

Discurso de Netanyahu no Congresso, hoje


 

Hoje, perante o Congresso norte-americano, o primeiro-ministro de Israel avisou o Mundo para o perigo que o Irão representa para o Mundo, não apenas para Israel.
Uma semi transcrição do seu discurso:
O regime islamista iraniano anuncia abertamente, nas redes sociais, em discursos internos e externos, a intenção de destruir Israel e exterminar os judeus.
Desde a deposição do Xá e da instalação do regime dos aiatolas que o Irão ambiciona ser o líder do mundo islâmico, e, por extensão, de todo o Mundo, pois o Islão visa o Califado Global.
O Irão tem um regime brutal, onde não existem direitos humanos, e é o fornecedor destacado de terroristas, armas, treino terrorista, para atacar alvos de todo o Mundo Livre. O primeiro-ministro de Israel enumerou alguns dos ataques mais conhecidos.
Metade do Médio Oriente  está nas mãos do regime iraniano, que continua a sua marcha triunfante rumo ao domínio global.
Mudanças, moderação, têm sido tentadas. Mas o regime prossegue, cada vez mais feroz, quer dentro quer fora de fronteiras. O Irão dos aiatolas matou mais gente que Osama bin Laden
A ideologia do regime xiita do Irão é da jihad mais sangrenta, e  compete com o ISIS (sunita) pela liderança do Califado Global. O Irão é uma ameaça para o Mundo tanto quanto o é o ISIS. A maior ameaça do mundo de hoje é o Islão radical e o poder nuclear. Disso depende o nosso futuro.
Se o acordo que está a ser negociado for avante, o Irão vai obter bombas atómicas. Toda a gente pode acompanhar estas realidades em sites fidedignos de notícias na Internet. O Irão está a preparar-se para ser uma potência nuclear, com milhares de unidades fabris. O Irão anuncia a sua intenção de as usar.
O tempo já escasseia para deter o Irão. Os inspectores internacionais não fazem NADA para deter a escalada nuclear do Irão, apenas documentam. O Irão brinca com os inspectores, esconde os pormenores que lhe interessam, mostra e esconde o que bem lhe  apraz. Israel monitoriza toda a actividade, à distância.
O Irão é um regime terrorista, em que não é possível ter um parceiro sério e fiável. O Irão pode obter a bomba atómica em breve, mesmo observando as restrições em vigor. É apenas uma questão de tempo. Daqui a 10 anos, na pior das hipóteses, o Irão pode ser uma potência nuclear globalmente letal.
John Kerry confirma-o. O maior patrocinador do terrorismo global pode estar a semanas de ter urânio enriquecido suficiente para ter arsenal atómico. E continua a esconder e a mostrar apenas o que lhe interessa, a jogar ao gato e ao rato.
O acordo em vigor não impede o Irão de ter a bomba - pelo contrário, abre-lhe caminho para tal.
Há 36 anos que os aiatolas governam o Irão, e a  sua apetência pelo terror só tem crescido. É utópico esperar que mude. A política ocidental para com o Irão permite-lhe o melhor de dois mundos: prosperidade interna, agressão externa.
Se as potências do Médio Oriente tiverem aceso ao poder nuclear, um pesadelo global atómico estará à vista. Se sem esse armamento reina o caos e o terror, é de prever que as coisas só piorem
 O Irão deve parar de ameaçar os seus vizinhos no Médio Oriente, deve parar de fomentar o terrorismo islâmico global e deve parar de tentar extinguir o Estado de Israel, o único Estado Judaico do Mundo!
Se o Irão mudar o seu comportamento, as restrições devem ser levantadas. Se o Irão quiser ser tratado como um país normal, deve proceder como um país normal.
Há quem diga que é inevitável que o Irão seja uma potência nuclear. Não é verdade. Sem as suas centrais o Irão tem a tecnologia mas não tem os meios. O Irão pode e deve ser travado.
Se o Irão ameaçar abandonar as negociações, tal será apenas um bluff. Eles precisam das negociações, mais do que o Mundo Livre. 
Há um ano que Netanyahu diz que nenhum acordo é melhor que um mau acordo. E este é um mau acordo. A alternativa a um não acordo não é a guerra: é um acordo muito melhor.
Um acordo que não deixe o Irão com capacidade nuclear até que a sua agressão global acabe.
Podemos escolher uma ou outra opção. Um Irão não nuclear é uma melhor opção para o futuro da Humanidade. Não só a sobrevivência de Israel está em jogo, mas a paz global que todos desejamos.
Enfrentar regimes obscurantistas e assassinos não é fácil, como pode testemunhar o sobrevivente do Holocausto e Prémio Nobel Elie Wiesel - referiu Netanyahu. Wiesel esteve presente e o primeiro-ministro de Israel garantiu-lhe que fará todo o possível para evitar um novo Holocausto.
Os dias em que os judeus tinham que se resignar a serem chacinados, acabaram. Os judeus têm direito à vida, e a viver em paz na sua Terra. Os judeus têm o direito de se defender dos que os querem exterminar.
Mesmo que fique sozinho, Israel defender-se-á. Mas Netanyahu conta com a aliança com os Estados Unidos, porque a História de Israel não é apenas a História dos Judeus, mas do espírito humano que se recusa  a submeter-se.
Moisés conduziu os judeus de regresso à sua Terra. "Sejam fortes e decididos. Não temam." - disse Moisés ao seu povo. O mesmo disse Netanyahu, pedindo que Deus abençoe Israel e os Estados Unidos.
Uma ovação tremenda saudou estas palavras.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.