sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Recordes há muitos, seu palerma!


Este recorde é altamente lamentável, mas há outros: o Holocausto dos cristãos às mãos dos islamistas já é considerado talvez o maior de sempre na História:

muslim-persec.jpg
"Pesquisa: martírio de cristãos duplicou em 2013"
Reuters, 8 de Janeiro
LONDRES -- Casos de cristãos assassinados por causa da sua fé  duplicaram em 2013, com a Síria a registar sozinha mais que o total de cristãos assassinados em 2012. (...)
Mas sobre as mulheres, e as crianças, e sobre as mulheres quando são crianças, os tristes recordes não são de agora. Poligamia, espancamento de mulheres, violações permitidas pelos clérigos, abuso sexual de menores, casamentos infantis e forçados, total submissão feminina, escravatura sexual das mulheres infiéis, tudo isso está à vista de todos e já é defendido nas TV's Ocidentais pelos clérigos muçulmanos. Por muito que eles retirem os vídeos da Internet, por muito que eles espiem os computadores pessoais, a verdade está aí e pode ser constatada por quem o deseje. O documentário «Submissão, o papel da Mulher no Islão» com legendas em Português, que valeu a decapitação ao seu autor, ainda se pode encontrar encontrar no youtube e mais uma vez o reproduzimos, em baixo.

Veja na nossa etiqueta "Mulheres", exemplos de muçulmanos que defendem e praticam todas as aberrações acima citadas. 

Não perca, pelo menos, este post:

Escravatura Sexual Século XXI


Muitos vídeos já não estão online, e foram substituidos por propaganda islâmica sobre os mesmos temas, no espírito da "mentira sagrada", a taqyia*. Eles têm gente paga para lançar propaganda na Internet e para tudo o resto. Neste momento, na Europa, as mulheres islâmicas são pagas (e muito bem pagas) para usarem burqa e niqab, aquelas roupas que as tapam completamente e que são o símbolo da sua escravidão. A islamização da Europa - e do Mundo - avança.

- O que é a  taqiyya?

Ver "Um "belo truque".



Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.