sábado, 25 de janeiro de 2014

Discurso LAPIDAR e FABULOSO do PM do Canadá!



Stephen Harper, primeiro-ministro do Canadá, do lado certo da História, apoiando a civilização contra a barbárie, a paz contra o terror, o progresso contra o obscurantismo.
Que Deus abençoe este homem que ousa proclamar a Verdade. 
A Imprensa Mundial remete-se ao total silêncio sobre esta importante visita. O mesmo silêncio a que se remete sempre que Israel é atacado pelos terroristas que o circundam e infiltram - silêncio estrondosamente quebrado  quando Israel responde.

canadian prime minister stephen harper


'Sob a água ou sob o fogo, o Canadá estará sempre convosco': primeiro-ministro canadiano, Stephen Harper. 
Segue-se uma transcrição do discurso completo do primeiro-ministro canadiano, Stephen Harper, no Knesset (Parlamento de Israel), segunda-feira, 20 Janeiro, 2014.




"Shalom.

"E obrigado por me convidarem para visitar este país notável e, especialmente, por esta oportunidade de abordar o Knesset.

"É realmente uma grande honra.

"E se me permite, Sr. Presidente, em nome da minha esposa Laureen e de toda a delegação canadiana, deixe-me começar por agradecer ao governo e ao povo de Israel o calor da sua hospitalidade.

" Vocês fizeram-nos sentir muito bem-vindos.


"Nós sentimo-nos imediatamente em casa.

"Senhoras e senhores, o Canadá e Israel são os maiores deosamigos, e os mais naturais dos aliados.


"E, com a vossa indulgência, eu gostaria de fazer uma reflexão sobre o que faz a relação entre o Canadá e Israel especial e importante, e  porque é que a relação entre nós é muito forte.


"A amizade entre nós está enraizada na História, alimentada por valores compartilhados, e é intencionalmente reforçada nos mais altos níveis de comércio e governo como uma expressão externa de convicções íntimas fortemente arraigadas.

"Há, por exemplo, um acordo de livre comércio entre o Canadá e Israel há muitos anos. Um acordo que já provou o seu valor.

"A eliminação de tarifas sobre produtos industriais, e alguns alimentos, levou a uma duplicação do valor do comércio entre os nossos países.


"Mas isso só arranha a superfície do potencial económico desta relação e estou ansioso para aprofundar e alargar as nossas metas comerciais e de investimento mútuo.

"Os nossos departamentos militares compartilham informações e tecnologia.


"Este aspecto tem sido também para nosso benefício mútuo.


"Por exemplo, durante a missão do Canadá no Afeganistão, o uso de equipamento de reconhecimento de concepção e fabrico israelita, salvou a vida de soldados canadianos.

"Todas estas ligações são importantes, e constroem pontes fortes entre nós.


"No entanto, para compreender verdadeiramente a relação especial entre Israel e o Canadá , é preciso olhar para além do comércio e instituições, para os laços pessoais de amizade e parentesco.

"Os judeus têm estado presentes no Canadá por mais de 250 anos.

"Geração após geração, pelo trabalho duro e perseverança, imigrantes judeus, muitas vezes começando com nada, prosperaram muito.

"Hoje, existem cerca de 350.000 canadianos que compartilham convosco a sua herança e sua fé.
Nota nossa - 350.000 num país como o Canadá é microscópico. E lá se vai a «tese» absurda de que Harper foi a Israel para cativar o voto judaico.

"Eles são orgulhosamente canadianos.

"Mas após ter-me encontrado com milhares de membros desta comunidade, posso dizer-vos isto:

"Eles também estão imensamente orgulhosos do que o povo de Israel tem feito aqui, da sua coragem na guerra, da sua generosidade na paz, e das flores que o deserto tem produzido, com o vosso trabalho.


"Laureen e eu compartilhamos o orgulho, o orgulho e o entendimento de que o que foi conseguido aqui ocorreu na sombra dos horrores do Holocausto;

"O entendimento de que é justo apoiar Israel, porque, depois de gerações de perseguição, o povo judeu merece a sua própria pátria e merece viver em paz e segurança na sua terra natal.

"Deixem-me repetir: o Canadá apoia Israel , porque é justo  fazê-lo.

"Esta é uma característica muito canadiana, a de fazer alguma coisa por nenhuma outra razão a não ser porque a coisa acertada e justa para se fazer, mesmo quando nenhuma recompensa imediata ou ameaça para nós mesmos é evidente.


"Em muitas ocasiões, os canadianos têm mesmo ido tão longe a ponto de sangrar e morrer para defender a liberdade dos outros em terras distantes.

"Para ser claro, nós também cometemos erros terríveis como na recusa do nosso governo na década de 1930 em aliviar o sofrimento dos refugiados judeus, mas, como  país, nos pontos de viragem da História, o Canadá tem consistentemente escolhido, muitas vezes para o nosso grande custo, ficar ao lado das outras pessoas que se opõem à injustiça, e enfrentar as forças das trevas do mundo.

"É, portanto, uma tradição canadiana, defender o que é íntegro e justo, independentemente de saber se é conveniente ou popular.


"Mas, eu diria, apoiar hoje o Estado judeu de Israel é mais do que um imperativo moral , é também de importância estratégica, também uma questão dos nossos próprios interesses, a longo prazo.


"Senhoras e senhores, eu disse há pouco que a amizade especial entre o Canadá e Israel está enraizada em valores compartilhados.


"De facto, Israel é o único país do Médio
Oriente que se tem ancorado desde há muito tempo nos ideais de liberdade, na democracia e no Estado de Direito.

"Estes não são meros conceitos.


"Estas são coisas que, com o tempo e contra todas as probabilidades, têm provado ser a única base em que os direitos humanos, a estabilidade política e a prosperidade económica, podem florescer.


"Estes valores não são propriedade de ninguém, eles não pertencem a uma nação ou um povo.

"Nem são um recurso finito, pelo contrário, quanto mais estiverem espalhados, mais fortes crescem.

"Da mesma forma, quando eles são ameaçados em qualquer lugar, eles são ameaçados por toda parte.

"E o que os ameaça, ou mais precisamente, o que hoje ameaça as sociedades que adoptam tais valores e o progresso que eles geram?

"Aqueles que desprezam a modernidade, que detestam a liberdade dos outros, e que desprezam as diferenças de povos e culturas. Aqueles que, muitas vezes começam por odiar os judeus, mas como a História nos mostra, acabam odiando qualquer um que não seja deles.
 
Essas forças , que ameaçam o Estado de Israel todos os dias da sua existência, e que, hoje, como o 11 de Setembro graficamente nos mostrou, ameaçam a todos nós.

"E assim, ou nós lutamos pelos nossos valores e pelos nossos interesses, aqui, em Israel, apoiando a existência de um estado democrático e distintamente judaico e livre, ou a queda dos nossos valores e dos nossos interesses no mundo vai começar.

"Senhoras e senhores, da mesma forma que nos recusamos a recuar e abrir mão dos nossos valores, devemos também defender o dever de promovê-los.


"E o compromisso dos canadianos para com o que é certo, justo e equitativo, é universal.

"É não menos se aplica ao povo palestino, como ao povo de Israel.

"Assim como nós inequivocamente apoiamos o direito de auto-defesa de Israel, assim também o Canadá tem apoiado um futuro justo e seguro para o povo palestino.

"E, creio eu, que partilhamos com Israel a sincera esperança de que o povo palestino e seus líderes venham a escolher ter um Estado palestino democrático viável, empenhado em viver em paz ao lado do Estado judeu de Israel.

"Como você, primeiro-ministro [Netanyahu], tem dito, quando os palestinos fizerem a paz com Israel, Israel não será o último país a acolher um Estado palestino como novo membro da Organização das Nações Unidas - será o primeiro.

"Infelizmente, ainda temos de chegar a esse ponto.


"Mas, quando esse dia chegar, e ele deve vir, eu posso dizer-lhe que Israel pode ser a primeiro a acolher um Estado palestino soberano, mas o Canadá será o segundo.


"Senhoras e senhores, o apoio - mesmo um apoio firme - não significa que aliados e amigos vão chegar a acordo sobre todas as questões de todos os tempos.

"Nenhum estado está além de questionamento ou crítica legítima.


"Mas o nosso apoio significa, no mínimo, três coisas.


"Em primeiro lugar, o Canadá considera deplorável que alguns na comunidade internacional ainda questionem a legitimidade da existência do Estado de Israel.


"O nosso ponto de vista sobre o direito de Israel existir como um Estado judeu é absoluto e inegociável.

"Em segundo lugar, o Canadá acredita que Israel deve ser capaz de exercer os seus direitos como estado-membro da ONU e exercer plenamente a sua soberania.


"Por esta razão, o Canadá tem falado em várias ocasiões em apoio de Israel, pela igualdade de tratamento em fóruns multilaterais.

"E, a este respeito, gostaria de referir que damos as boas vindas a Israel este mês no grupo democrático ocidental dos Estados nas Nações Unidas.


"Em terceiro lugar, nós recusamos alinhar nos constantes ataques a Israel no cenário internacional .

"Agora eu entendo como, no mundo da diplomacia, estar contra um solitário Estado judaico e ao lado de dezenas dos seus inimigos, é muito fácil. Para "não destoar para não criar inimizades" há que atacar Israel.


"Mas
"não destoar para não criar inimizades", não é uma "abordagem" nem equilibrada nem sofisticada.  É simplesmente ser-se fraco e é errado.

"Infelizmente, Senhoras e Senhores Deputados, vivemos num mundo onde esse tipo de relativismo moral anda à solta.


"E no jardim de tal relativismo moral , as sementes de muito mais sinistras noções podem ser facilmente cultivadas.


"E assim, temos assistido, nos últimos anos, a uma mutação da antiga doença do anti- semitismo e do surgimento de uma nova cepa.

"Nós todos conhecemos o velho anti-semitismo.


"Foi bruto e ignorante, e levou aos horrores dos campos de extermínio.

"É claro que, em muitos cantos escuros , ele ainda permanece.


"Mas , em grande parte do mundo ocidental , o velho ódio foi traduzido em linguagem mais sofisticada para o uso de uma sociedade civilizada.

"As pessoas que nunca dizem que odeiam e culpam os judeus por suas próprias falhas ou pelos problemas do mundo, em vez disso declararam o seu ódio por Israel e culpam o único Estado judeu pelos problemas do
Médio Oriente.

"Tal como as lojas judaicas foram boicotadas há algumas décadas, alguns líderes da sociedade civil apelam hoje a um boicote a Israel.
"Em algumas universidades, argumentos intelectualizados contra as políticas israelitas fina mascaram finamente as realidades subjacente , como o ostracismo dos académicos israelitas e o assédio aos estudantes judeus.

"O mais vergonhoso de tudo, alguns chamam abertamente a Israel um Estado de apartheid.

"Pensemos sobre isso.

"Pensemos sobre a lógica distorcida e a maldade absoluta por trás disso: um Estado baseada na liberdade, na democracia, no Direito, que foi fundado para que os judeus pudessem florescer como judeus, e buscar abrigo à sombra da pior experiência racista da História, que é sistematicamente condenado, e que a condenação é mascarado de "anti- racismo".

"É nada menos do que revoltante.

"Mas este é o rosto do novo anti-semitismo.

"Ele tem como alvo o povo judeu, visando Israel, e tenta tornar o velho fanatismo aceitável para uma nova geração.


"É claro que a crítica da política do governo israelita não é por si só, necessariamente anti-semita.

"Mas o que mais podemos chamar à crítica que condena selectivamente apenas o Estado judeu e efectivamente nega o seu direito de se defender, enquanto sistematicamente ignora- ou desculpa - a violência e a opressão ao redor dele?


" O que mais podemos chamá-lhe senão anti-semitismo, quando Israel é rotineiramente atacado nas Nações Unidas, e quando Israel continua a ser o único país a ser objecto de ataque permanente na agenda das sessões regulares do seu conselho de direitos humanos?

"Senhoras e senhores, qualquer avaliação - qualquer julgamento - das acções de Israel deve começar com este entendimento:


"Nos 65 anos que Israel moderno tem como nação, os israelitas têm sofrido ataques e calúnias além da conta e nunca conheceram um dia de verdadeira paz.


"E nós compreendemos como os israelitas vivem com esta situação impossível:


"Se os israelitas agirem para se defender, sofrem condenação generalizada e contínua.

"Mas, se não agirem, sofrem a consequência da inacção, e a consequência será final, será a sua destruição.

"A verdade, que o Canadá entende, é que muitas das forças hostis que Israel enfrenta, são enfrentadas por todas as nações ocidentais.

"E Israel enfrenta-as por muitas das mesmas razões que nós.

"Acontece que vocês vivem muito mais perto delas.


"É claro que nenhuma nação é perfeita.

"Mas nem a existência de Israel nem as suas políticas são responsáveis ​​pela instabilidade no Médio
Oriente hoje.

"Deve-se olhar para além das fronteiras de Israel para encontrar as causas da opressão implacável, da pobreza e da violência em grande parte da região, do sofrimento devastador dos refugiados sírios, da violência sectária e dos temores das minorias religiosas, especialmente os cristãos, e do actual tumulto doméstico em tantos estados.

"Então, o que devemos fazer?

"Temos de lidar com o mundo como nós o encontramos.

"As ameaças na região são reais, profundamente enraizadas e mortais, e as forças do progresso são muitas vezes  insuficientes para se lhes oporem.

"Para muitas nações,
ainda é mais fácil usar Israel como bode expiatório, do que emular o seu sucesso.

"É mais fácil promover ressentimento e ódio à democracia de Israel do que fornecer os mesmos direitos e liberdades ao seu próprio povo.
 "Eu acredito que um Estado palestino virá, e uma coisa que vai fazê-lo vir é quando os regimes que financiam o terrorismo perceberem que o caminho para a paz é a acomodação, e não violência.

"O que me traz ao governo do Irão.

"No ano passado, o mundo anunciou uma nova abordagem para a diplomacia com o governo em Teerão.

"O Canadá tem defendido por muito tempo a ideia de que devem ser tomadas todas as medidas diplomáticas para garantir que o regime iraniano nunca obtenha uma arma nuclear.


"Estamos, portanto, a apreciar os esforços sinceros dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança e da Alemanha.

"O Canadá irá avaliar o sucesso desta abordagem não nos méritos das suas palavras, mas sobre a implementação e verificação das suas acções prometidas.


"Nós realmente esperamos que seja possível impedir o governo iraniano de dar o passo irreversível no fabrico de armas nucleares.

"Mas, por enquanto, as próprias sanções do Canadá permanecerão plenamente em vigor.


"E se as nossas esperanças não se realizarem, se o presente acordo se  provar efémero, o Canadá será uma voz forte pelo renovar das sanções.

"Senhoras e senhores, permitam-me concluir com este pensamento.

"Eu acredito que a História de Israel é um grande exemplo para o mundo.


"É uma História, essencialmente, de um povo cuja resposta ao sofrimento tem sido a de ir além do ressentimento e construir uma sociedade extraordinária e uma democracia vibrante, um país amante da liberdade ... com um sistema judiciário independente e plenos direitos, uma nação inovadora e mundialmente líder da modernidade.

"Você tomaram a memória colectiva da morte e perseguição e construíram um país optimista, voltado para o futuro, uma terra que valoriza a vida, vocês libertam milhares de criminosos e terroristas, para salvarem um de vós.


"Na família democrática das nações, Israel representa os valores que o nosso governo toma como artigos de fé e princípios para conduzir a nossa vida nacional.

"E, portanto, através do fogo e da água , o Canadá estará o vosso lado.


"Meus amigos, vocês têm sido generosos com o vosso tempo e atenção.

"Mais uma vez, Laureen e eu, e toda a nossa delegação, agradece a vossa generosa hospitalidade , e estamos ansiosos para continuar a nossa visita ao vosso país.

"Obrigado por nos receberem e que a paz esteja com Israel."

- O problema é fazer com que a opinião pública - completamente intoxicada pela permanente campanha mediática contra Israel - leia este discurso e comprove a sua total veracidade. É mais cómodo culpar Israel e os judeus pelos males do mundo e pelas frustrações pessoais, como acontece desde há milénios. E, numa reviravolta de raciocínio verdadeiramente Kafkiana, usar o único argumento do anti-semitismo: se os odeiam há milénios, alguma razão hão-de ter!

3 comentários:

  1. Um senhor esperto e sem receios da matilha mediática e bombista suicida

    ResponderEliminar
  2. No jornal DN uma notícia sobre a Scarlett Johansson ser criticada por promover refrigerantes israelitas: http://www.dn.pt/inicio/pessoas/interior.aspx?content_id=3653558&seccao=ntv

    Será que se promovesse a venda de Burkas haveria críticas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um ódio cego, inexplicável, lamentável. :-(

      IB

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.