domingo, 12 de janeiro de 2014

Quando os cobardes riem...

 
  
A esquerda lunática junta-se aos terroristas islâmicos nos urros de prazer pela morte de Ariel Sharon.
Chamam-lhe alguns depreciativamente o bulldozer. Nós consideramos elogio à sua determinação e coragem.

Estes tweets são civilizados, apesar de equivocados; há coisas más por aí, que não publicamos por pudor e pena:
 Muslim Matters @MuslimMatters
Ariel Sharon is dead: The martyrs live.
 Linda Sarsour @lsarsour
I don't celebrate death of anyone. Sharon will meet his Creator and answer to massacres and destruction committed by him. He was a criminal.
 Mohamed Elibiary @MohamedElibiary
Woke up today 2rpt Aerial Sharon has died. As young teen I did media interview @ Dallas protest against Sharon over Sabra & Shatila.
 yvonneridley @yvonneridley

While most media airbrush the war crimes of Ariel Sharon read Robert Fisk & remember the innocents of Sabra & Shatila http://www.countercurrents.org/pa-fisk180903.htm 
  Yousef Munayyer @YousefMunayyer
Today we remember the victims of Ariel Sharon, those killed in Qibya, in Gaza, in Sabra and Shatila and beyond.
 Mehdi Hasan @mehdirhasan

Ariel Sharon has died. Spare a moment's thought for his victims - from Qibya to Sabra and Shatilla to Jenin.

 View image on Twitter

Ariel Sharon morreu; esquerdistas e supremacistas islâmicos desejam-lhe o Inferno"

 6

por Robert Spencer
"Ele defendeu ferozmente Israel. Isso é o que os enlouquece: ele não se acovardou, ele não se permitiu ser intimidado, ele não se submeteu. Eles concentram os tweets acima em acções de guerra em que ele defendeu Israel: o massacre de Sabra e Shatila, a acção defensiva em Jenin, a incursão em Qibya, e acções defensivas em Gaza. Eles descontroladamente exageram a culpabilidade de Sharon pelos crimes cometidos em Sabra e Shatila  (de que o grupo libanês conhecido como "Falange" é responsável) e as mortes de civis em Qibya (nem Sharon nem ninguém sabia que eles estavam lá), bem como a incidência de crimes de guerra reais em Jenin e Gaza. Eles ignoram a prática "palestina" de lançar ataques jihadistas contra Israel em áreas civis, de modo a provocar acções de retaliação que possam usar como propaganda.

Acima de tudo, nenhuma dessas pessoas que condenam Sharon por supostos crimes de guerra jamais mostrou o menor grau de preocupação para os civis israelitas desenfreadamente massacrados por jihadistas "palestinos", ou expressa qualquer horror perante as celebrações que se seguem aos assassinatos cometidos pelos jihadistas "palestinos" em Gaza e Judeia-Samaria. Nem aplaudem Sharon pelo seu erro desastroso da retirada de Gaza, permitindo-lhe tornar-se (como eu previ que iria acontecer) uma base de jihad para novos ataques contra civis israelitas. Os supremacistas islâmicos nunca expressam gratidão ao kuffar tolo que serve a sua agenda - que é o que os infiéis devem fazer.Ele não era perfeito, mas foi um homem forte em defesa de Israel, e todas as pessoas livres, que enfrentam a mesma jihad que Israel enfrenta todos os dias, devem estar-lhe gratas. Que sua memória seja eterna."

Gazarocket.jpg Como que para enfatizar o quão errado Sharon e todos os outros estavam quando disseram que a retirada de Israel de Gaza traria a paz:
"Horas depois da morte de Sharon, míssil disparado de Gaza contra Israel"
de Ilan Ben Zion para o Times de Israel , 11 de Janeiro

   
Foi disparado da Faixa de Gaza, contra o sul de Israel sábado à noite, um míssil Kassam, não muito longe de onde os parentes de ex-primeiro ministro Ariel Sharon estavam reunidos na casa da família em Shikmim Farm.

    
Sirenes de alerta vermelho soaram na área perto da cidade costeira de Ashkelon, mas nenhum impacto foi relatado, disse um porta-voz da ID .

    
Fontes palestinas relataram ataques aéreos de retaliação de Israel na Faixa de Gaza, pouco depois.
Não houve confirmação dos relatórios.

    
Israel evacuou a Faixa de Gaza, sob as ordens de Sharon em 2005. Dois anos mais tarde, o grupo islâmico palestino Hamas tomou à força o enclave costeiro, expulsando os membros do partido Fatah governante.

   
O Hamas no sábado chamou à morte de Sharon um "momento histórico" que marcou o "desaparecimento de um criminoso cujas mãos estavam cobertas de sangue palestino". ...
- Por outras palavras, os israelitas devem silenciosamente render-se e deixar-se massacrar quando  são atacados por jihadistas "palestinos".

 DeadSharonsweets.jpg"Palestinos" celebram a morte de Sharon com bolinhos...

Os líderes da Jihad Islâmica lançam entretanto uma nova paranóia conspirativa que a esquerda lunática compra sem olhar a preços: agora Sharon matou Arafat.
"Os palestinos comemoram morte do ex- PM Sharon "
de Ari Soffer para Israel National News, 11 de Janeiro 
    Enquanto os israelitas lamentam o falecimento do ex-primeiro-ministro Ariel Sharon, os líderes palestinos, tanto da Autoridade Palestina liderada pelo Fatah como o movimento islamita Hamas comemoraram a sua morte, com um alto funcionário rotulando-o de " criminoso" e acusando-o de ser responsável pela morte em 2004, do ex- presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat.

    
"Sharon era um criminoso, responsável pelo assassinato de Arafat, e tinhamos a esperança de vê-lo comparecer perante o Tribunal Penal Internacional como um criminoso de guerra", disse Jibril Rajub, um alto funcionário do partido Fatah.

    
Arafat morreu em França em Novembro em 11 de Novembro de 2004, enquanto Sharon, que morreu no sábado, tinha estado em coma desde 2006. Apesar de inúmeras investigações científicas revelarem que Arafat morreu de causas naturais, os meios de comunicação árabes e os políticos ainda emitem regularmente as teorias de conspiração que afirmam que sua morte foi um "assassinato" de Israel.

    
Durante o ano de 2000-2005 aquando da Segunda Intifada, quando os terroristas árabes alvejavam regularmente civis israelitas em ataques terroristas mortais, o então PM Sharon realizou uma campanha de contra terrorismo intensivo na Judeia, Samaria e Gaza. A campanha - incluindo a Operação Escudo Defensivo em 2002 - obteve o grande sucesso em enfraquecer a infra-estrutura terrorista na Judeia e Samaria , dando aos israelitas algum alívio, mas confirmando seu status como um inimigo de grupos terroristas palestinos.

    
Sharon também liderou uma campanha de assassinatos seletcivos de líderes terroristas.
Entre os mortos estava o xeque Ahmed Yassin, que foi o fundador e líder espiritual do Hamas, o grupo terrorista islâmico que defende a destruição de Israel e o genocídio do povo judeu.
    O Hamas, que agora controla a Faixa de Gaza , na sequência do "desengajamento" de Israel em 2005, também sob a liderança de Sharon, saudou a morte de Sharon como um "momento histórico", que marca o "desaparecimento de um criminoso cujas mãos estavam cobertas de sangue palestino".

    
"Nós ficámos mais confiantes na vitória, com a partida deste tirano", disse Sami Abu Zurhi, porta-voz do grupo terrorista.
"O nosso povo hoje sente extrema felicidade com a morte e partida deste criminoso cujas mãos estavam manchadas com o sangue de nosso povo e o sangue de nossos líderes aqui e no exílio."

    
Grupos de esquerda também se juntaram ás comemorações, lamentando que o ex-general não tinha sido processado em 1982 quando do massacre de Sabra e Shatila.
    "É uma pena que Sharon tenha ido para o túmulo sem ter que enfrentar a justiça por seu papel em Sabra e Shatila e outros abusos", disse Sarah Leah Whitson, directora da Human Rights Watch no Médio Oriente.
- Human Rights Watch deve sempre ser escrito com "aspas" depois de "Human Rights".

    O ataque a um campo de refugiados palestino no Líbano foi realizado por milicianos cristãos libaneses, conhecidas como "falangistas", em vingança pelo assassinato de seu líder. Sharon foi "indirectamente culpado" por não impedir o ataque e por isso foi forçado a demitir-se do cargo de Ministro da Defesa.

- Entre muita coisa que poderiamos traduzir e comentar - se tivéssemos o vagar necessário - e de ler esta:

Ariel Sharon: Debunking the Media Myths  

 

- Como infelizmente não somos "pagos pelos 'zionistas'", como alguns simpáticos malucos sugerem, temos que ficar por aqui, por agora. Note-se que continuamos plenamente abertos a que algum Sionista rico nos queira financiar, até porque teríamos todo o gosto em fazer deste blog profissão. Juntava-se missão e ganha-pão. Mas até agora... nada! Nem unzinho se chegou à frente! Vá lá, Sionistas! Grandes banqueiros judeus, judeus influentes nos media, aguardamos o vosso generoso donativo!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.