quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Dar canal a Dieudonné

 Dieudoiran

 Alain Dieudonné Mbala Mbala, adepto e financiado pelo regime terrorista do Irão

Ontem a SIC Notícias (sistematicamente anti Israel), apresentou o neonazi Dieudonné como um simpático humorista, vítima de ataques à liberdade de expressão. Que comovente ingenuidade!...

Há alguns meses que acompanhamos as actuações miseráveis da sinistra personagem e dos seus aliados neonazis (Le Pen é um deles). Contudo, não temos feito eco das tropelias dessa gente, para não lhes darmos publicidade. Mas a Imprensa internacional não vai fazer o mesmo, como, aliás, já prevíramos.  

Dieudonné vai continuar a ter "canal" (como dizem agora os jovens), e a ser apresentado como um inocente autor de um gesto que "os judeus consideram ofensivo" e que só quer dizer"bolinhos". Ninguém nos media mainstream vai dizer, por exemplo, que ele é pago pelo Irão, que é neonazi e apoiante dos movimentos terroristas Hamas e Hezzbollah

Quanto aos judeus, estão já a ser acusados de "vitimização". As mesmas pessoas que dizem que o Holocausto foi culpa dos judeus porque estes "não resistiram", condenam-nos quando resistem. Presos por ter cão, e presos por não ter. No caso dos judeus, o grito de "Vão para a vossa terra!" é Kafkianamente acompanhado do grito de "Saiam da vossa terra!". Os judeus não podem estar em Israel nem em lado algum. Os judeus não têm o direito de existir, na óptica de muita gente.

A aliança entre nazis e islamistas em França é uma mera reedição da Segunda Guerra, em que ambas as ideologias totalitárias trabalharam em parceria, na ambicionada extinção dos judeus.



VENTO FÉTIDO


 DieudoHamasHezbollah

"Janeiro 2014: Há vários meses que um vento fétido sopra em França. Animadas por Alain Dieudonné Mbala Mbala e por Soral, têm-se multiplicado as provocações. Será preciso lembrar o risco de mostrarmos, com o nosso silêncio, que "o crime compensa" mediaticamente? Que o debate sobre o significado da quenelle serve para separar anti-semitismo e anti-sionismo? Ou devemos de uma vez por todas encaixar corretamente as peças deste puzzle sinistro numa única imagem, e esclarecer o que é este movimento nauseante?"
Excerto de artigo de  Jean-François Strouf et Gad Ibgui no blog Avenir du Judaïsme, que se reserva o direito e a missão de «promover por todos os meios o debate intelectual e espiritual, o pluralismo e a democracia na comunidade judaica de França», nomeadamente «usando os seus meios de expressão para lutar contra as perigosas derivas que vão  do ódio anti semita e racista à negação do Holocausto, passando pelo boicote a Israel».

DILEMA LEGAL

Dieudonné et l argent

Dieudonné, que foi condenado em várias ocasiões por anti-semitismo, negação do Holocausto e incitamento ao ódio,  pede regularmente aos seus fãs para ajudarem a pagar as suas multas com "donativos". Assim, de acordo com a análise de Avi Bitton, ele viola a lei que proibe as "subscrições destinadas a compensar multas ... ".
Um novo ângulo de ataque legal abre-se assim contra esta personagem duvidosa, que mete a mão nos bolsos dos seus fãs idiotas ...

Dieudonné colecciona processos. Repetidamente condenado por incitação ao ódio racial, o comediante soma € 65.000 em multas. O Tesouro tenta em vão recuperar o dinheiro durante vários anos. Mas o actor permanece curiosamente insolvente. Uma situação que irrita o Ministro da Justiça e o Ministro do Interior. Ambos determinado a combater Dieudonné, pensaram em todas as possibilidades para o fazer pagar o que deve - o que não parece preocupá-lo. (...)
O Artigo 40 da Lei de 29 de Julho de 1881 proíbe "abrir" ou "anunciar publicamente subscrições destinadas a compensar multas, custos e indemnizações concedidas pelos sentenças judiciais, sob pena de seis meses de prisão e uma multa de 45.000 €, ou uma dessas sanções ". (...)
Em vídeo postado 21 de Dezembro de 2013 no seu site, o comediante diz: "O imposto Shoananas atingiu 48 000 euros. Eu devia 28.000 euros, e fui condenado a pagar mais 20.000 euros. O que dá 48.000 euros. Continuem a dar. Não é um desperdício de dinheiro. Acreditem em mim até o fim , vamos foder-lhes o cu". (sic)
Excertos de artigo de 

A lição de Dieudonné, por Daniel Horowitz


 affiche antisémite Joe Le Corbeau 101

O comediante Dieudonné fez do anti-semitismo o seu negócio. Isto levanta a indignação de alguns e o entusiasmo dos outros, mas deixa meio mundo indiferente, o que do seu ponto de vista é um sucesso. É verdade que a justiça responde às reclamações feitas e as autoridades condenam o racista, mas numa democracia há poucos instrumentos legais capazes de bloquear a má-fé de alguém que abuso da liberdade de expressão. O resultado é que , enquanto as multas aplicadas a Dieudonné nunca foram pagas, cada uma das suas visitas ao tribunal é mais eficaz do que qualquer campanha publicitária. 
Quando se trata de responder à infâmia de Dieudonné, está-se diante de um dilema: deve-se denunciar, ou ignorar, para não se servir de caixa de ressonância?
As instâncias legais actuam, mas é ilusório pensar que esta é uma maneira de o fazer parar . E mesmo que o fizesem parar, sem dúvida que outro Dieudonné apareceria, para explorar o filão de ódio anti-judaico. 
O problema não é, portanto, Dieudonné, mas o anti-semitismo, e seria uma honra para este indivíduo para atribuir-lhe qualquer papel no seu ressurgimento. No máximo, o caso Dieudonné demonstra que o anti-semitismo está vivo e se recomenda, e que uma parte significante da sociedade não vê mal nisso.
O público que o apoia não é nem marginal nem insignificante, é, pelo contrário, muito significativo, porque eles são os filhos espirituais dos que estigmatizaram os judeus durante o Caso Dreyfus. Dieudonné é um sintoma, mais que uma causa. Para colocar as coisas de forma simples, ele diz em voz alta o que muitos pensam.Albert Memmi [1] tem escrito extensivamente sobre a condição judaica. Depois do Holocausto, e apesar da derrota do nazismo, ele fez na década de 1950 um diagnóstico contundente:
"A experiência ensinou-nos muitas vezes que não há nenhum risco negligenciável para nós, que tudo é possível. Que todos os não-judeus são parte de uma Sociedade que torna a vida insuportável ao judeu enquanto judeu - é o que eu sinto e penso. Ser judeu é, primeiro lugar geral este facto: ele é o primeiro ser colocado em questão, está sob acusação permanente, expressa ou implícita , clara ou confusa".

Esquerdista e homem de coração, Albert Memmi tinha inicialmente mantido distância sobre as suas origens, mas assumiu-as convictamente mais tarde.
Depois de pensar que o universalismo, o socialismo e a modernidade trariam o fim do anti- semitismo, ele finalmente concluiu que a resolução da questão judaica tinha de encontrar uma expressão mais concreta: "Se os judeus não se reassumirem como povo, serão sempre necessariamente uma minoria, separada e ameaçado, e periodicamente exterminados. Se não se defenderem  como povo, continuarão sujeitos à boa vontade dos outros, ou seja, às flutuações de humor, mais frequentemente hostis do que benevolentes, condenado a servir de bode expiatório muito conveniente, uma saída para suas dificuldades políticas e económicas, a viver na ambiguidade, nas lágrimas e no  medo. Temos agora dar mais um passo, que me parece impor-se com a mesma evidência: uma vez que as pessoas não podem, hoje, sobreviver de outro modo que não livremente e como nação, devemos fazer dos judeus uma nação. Em suma, os judeus são chamados à libertação nacional, à libertação nacional do Estado judeu chamado Israel." 
No mesmo sentido, Hannah Arendt [2] disse durante a Segunda Guerra Mundial que "quando alguém é atacado como judeu é como judeu que se  deve defender". Esta é a razão pela qual sonhou com um exército judeu, primeiro para lutar contra os nazis, em seguida, já que os judeus são uma nação na própria Europa, dentro de uma confederação, onde a nação judaica seria representado como membro pleno no Parlamento Europeu. Para Hannah Arendt ser judeu significava antes de tudo uma pertença política e nacional. 
Paralelamente a esta utopia, Hannah Arendt foi uma ardente sionista, que se envolveu na ambição de criar um Estado judeu-árabe binacional - "Os judeus palestinos sabem o que defendem: os seus campos e árvores, casas e fábricas, os seus filhos e as suas esposas. Pertencemos a esta comunidade, estamos lá por Direito e e não por favor. A existência de uma pátria judaica na Palestina é a grande esperança e o grande orgulho dos judeus no mundo."
Albert Memmi acreditava que "a libertação do povo judeu deve ser levada a cabo em Israel; a solução nacional decorre de uma necessidade puramente sociológica: os judeus são o que são, um povo que vive disperso e sempre em minoria entre os outros, e, por outro lado, a maioria das pessoas não pode sequer tolerar a presença de minorias, pelo que se deve acabar com esse tipo de relacionamento. Uma vez que é impossível tornar o judeu aceite entre os outros, é necessário remover o judeu de entre os outros."
Albert Memmi, no entanto, tinha consciência de que Israel não poderia ser uma solução a curto prazo para todos os judeus do mundo, e que alguns deles seriam muito mais dependentes desses países onde, quer se queira quer não, foram recebidos, e, muitas vezes, adoptados. Os judeus que continuassem a viver na diáspora deveriam, portanto, mostrar uma lealdade absoluta, cortês e reconhecida, mas sem nunca perderem de vista que o objectivo final era que a presença dos judeus deveria mudar de direção, e que a Diáspora deveria deixar de ser uma diáspora.
Ele concluiu a sua análise, dizendo: "Tenho o prazer de ter pertencido à geração que entendeu onde estava a libertação do povo judeu, e que se comprometeu. As gerações subsequentes terminarão o nosso trabalho. Israel é agora a sua missão. Esta é a nossa única saída, e a nossa última oportunidade histórica. Tudo o resto é uma diversão. Só a solução nacional única pode exorcizar a nossa figura das sombrs, apenas em Israel podemos restaurar a dignidade e a vida, só a libertação de um povo pode oferecer uma oportunidade real à sua cultura".
Os judeus do mundo devem estar vigilantes contra o anti-semitismo, bem como qualquer outra forma de racismo, e comportar-se como cidadãos responsáveis ​​no seu país de residência. Mas os judeus da diáspora especificamente ameaçadas como tal, devem responder apoiando Israel, porque é lá que se joga o seu destino como povo, e é aí que é o seu refúgio final. Esses judeus que vivem na diáspora, mas que querem preservar ao mesmo tempo o possível uso da  Lei do Retorno" [3], têm deveres para com Israel, porque o dinamismo das instituições comunitárias judaicas em todo o mundo deixaria de ser de alguma ajuda se Israel desaparecesse .

Esta é talvez a melhor maneira de entender o que Dieudonné nos tenta dizer.

Daniel Horowitz

[1] Escritor judeu franco- tunisino. As citações em itálico são de "Retrato de um judeu"
[2] Escritora e professora de teoria política. De origem alemã, naturalizada americana após a Segunda Guerra Mundial. As citações em itálico são retirados de seus "Escritos Judaicos".
[3] A lei israelita que permite que todos os judeus, em qualquer altura, venham a estabelecer-se em Israel, e tornarem-se cidadãos de pleno direito, instantaneamente.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.