domingo, 21 de janeiro de 2018

Trump: 5 razões básicas para a embaixada em Jerusalém



Fez ontem 1 ano que Donald Trump tomou posse. Os jornalistas abriram os telejornais a difamar Trump sem o mínimo pudor (o jornalismo nos dias de hoje consiste basicamente nisso). 
Os jornalistas elegeram como a maior maldade do "Trâmpe" até agora, a transferência da embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém.
Os jornalistas nem fazem qualquer esforço para esconder a sua preferência pelo lado dos terroristas no conflito que opõe Israel ao mundo islâmico.
Os maometanos, por imposição religiosa, simplesmente não podem admitir a existência de Israel e dos judeus. Nem  a de todos os outros infiéis e respectivos países, como atesta a sangrenta História islâmica de 1400 anos.
A reivindicação maometana sobre Israel tem tanta razão de ser como a que eles fazem sobre Portugal e Espanha. E sobre o mundo inteiro.
Os jornalistas (visite a secção respectiva neste blogue) simpatizam abertamente com o terrorismo islâmico, mas quando esse terrorismo é contra Israel, são cúmplices activos e entusiastas. Mais do que Trump, mais do que tudo, os jornalistas odeiam Israel:

Tamanho relativo dos Estados Unidos e de Israel, a minúscula democracia do Médio Oriente.


Fazendo nossas as palavras do Counter Jihad, enumeramos as
5 razões pelas quais Donald Trump deve aplicar a Lei da Embaixada de Jerusalém e mudar a embaixada dos EUA para a capital da capital de Israel
Desde 1995, três administrações sucessivas usaram uma renúncia presidencial para impedir a embaixada dos Estados Unidos na capital de Israel. Isso acabou.
Jerusalém é a capital do Estado de Israel, um dos aliados mais importantes da América. Apesar disso, a Embaixada dos Estados Unidos está na cidade de Tel Aviv. Desde 1995, quando a Lei da Embaixada de Jerusalém foi aprovada esmagadoramente, três administrações sucessivas prorrogaram a transferência da embaixada dos Estados Unidos para a capital de Israel. O presidente deve transferir a embaixada para Jerusalém.

Aqui estão cinco razões:

1. Mudar a embaixada dos EUA reconhece que Israel, como qualquer outra nação soberana, é livre para designar a sua própria capital.
A Lei da Embaixada de Jerusalém reconheceu que "cada nação soberana, de acordo com o Direito Internacional e a prática universalmente adoptada, pode designar a sua própria capital". Para esse fim, o Acto exige que Jerusalém permaneça como uma "cidade indivisa" e que os Estados Unidos a reconheçam como a capital do Estado de Israel, que Israel declarou em 1949. Além disso, o Acto da Embaixada de Jerusalém foi aprovado com apoio bipartidário esmagador, passando em 1995 com 93-5 votos no Senado e 374-37 na Câmara.

2. Mudar a embaixada dos EUA para a capital de Israel diz ao mundo que apoiamos os nossos aliados.
Os países que se opõem a Israel interpretaram a recusa dos EUA de mudar a embaixada para Jerusalém como uma falta de legitimidade para a reivindicação de Israel sobre a Cidade Velha. Os Estados Unidos não devem continuar cúmplices dessa negligência grosseira para com o nosso aliado mais próximo da região.

3. A embaixada dos EUA em Jerusalém não será um "obstáculo para a paz", pois ficará sempre situada dentro de Israel seja qual for o acordo com a Autoridade Palestina.

O local proposto para a embaixada é um bairro em Jerusalém Ocidental que faz parte de Israel desde 1948. Não está numa área contestada pós-1967 e continuará a ser uma parte de Israel sob qualquer acordo futuro concebível.


4. Jerusalém é a capital religiosa e histórica do povo judeu e do Estado judeu de Israel.
 
Jerusalém é mencionada mais de 700 vezes nos livros sagrados judaicos; ao contrário, não é mencionada nem uma vez no Alcorão, nem é mencionada na Carta da OLP. Estejam onde estiverem, em todo o Mundo, os judeus rezam virados para de Jerusalém. Ao contrário, todos os muçulmanos se viram para Meca quando rezam. Jerusalém é a cidade mais sagrada da fé judaica e é a capital espiritual e política do povo judeu. Além disso, Jerusalém nunca foi o capital de qualquer outra nação excepto Israel - nem foi nunca uma cidade santa para os muçulmanos. Nenhum governante árabe a não ser o rei Hussein de Jordânia jamais visitou Jerusalém durante o período de 1948-1967 em que o regime jordano teve a soberania sem restrições sobre a parte oriental da cidade.


5. Jerusalém deve permanecer unida sob o controle israelita, porque somente Israel assegurará o acesso a todas as religiões.

Sob o domínio muçulmano (1948-1967), os judeus não podiam visitar ou praticar a sua religião em Jerusalém, e mais de 70% dos cristãos de Jerusalém foram forçados a fugir da cidade por causa da perseguição árabe. Hoje, a liberdade religiosa é concedida e garantida a todos pelo Estado de I
srael.

----------------------------


COMENTÁRIO

- As 5 razões supracitadas são um resumo do óbvio. Se se interessa pelo assunto, pode consultar as nossas secções Jerusalém, História de Israel e Mitos sobre Israel
- Israel é o único país do Mundo a quem a ONU (hoje dominada pelas ditaduras islamistas e esquerdistas) nega o direito de existir - quanto mais o de escolher onde é a própria capital. A ONU, hoje em dia, existe quase exclusivamente para destruir Israel.


- Donald Trump, além de ter chegado para drenar o gigantesco pântano de Obama, Hillary, Kerry e Companhia, é particularmente detestável aos olhos dos bem-pensantes. É branco, é do sexo masculino, é heterossexual, é rico, é cristão, é popular, é conservador... e ainda por cima é amigo de Israel!
- Na nossa secção TRUMP temos dedicado algumas dezenas de posts a este homem, que representa talvez a última esperança contra a investida da Nova Ordem Mundial comunista-islamista-globalista:

Trump venceu - Contra a Nova Ordem Mundial

 Etc..


Um vídeo que está sempre a ser retirado:

 

- Trump foi eleito, apesar da fraude eleitoral em massa (vide os ilegais que votaram e as máquinas de votos do senhor Soros).
O mandato de Trump está a saldar-se por um enorme sucesso. 

 

  .
- Enumerámos as principais conquistas de Trump:

Em 2018, que Trump continue a sua caminhada triunfal!

Etc....



- A campanha global anti-Trump é a maior caça às bruxas da História moderna. O Pântano está em PÂNICO!
- A loucura está a chegar a um ponto em que as universidades (feudos tradicionais da esquerda, juntamente com os media e a "cultura"), estão a oferecer cursos de anti-Trumpismo:



Não estamos particularmente espantados:

“OH! VEJAM! UMA GALINHA!” - o curso universitário

4 comentários:

  1. entretanto o papa chico já não vai dar a medalha ao Trump (lol)https://olivrodasimagens.blogspot.pt/2018/01/ja-nao-vai-ser-condecorado-pelo-papa.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :-) A gente ri-se, mas o caso é sério.

      Ainda há dias o papa Chico dizia que a Venezuela é uma maravilha...

      Eliminar
  2. Os esquerdistas aqui no Brasil adoram o socialismo e a Venezuela e Cuba.

    Porém quando vao viajar eles preferem ir para Nova York, Paris, Roma......

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui é a mesma coisa. Quer dizer: eles até gostam de ir a lugares onde há pobreza. Tiram umas fotos "pitorescas" e exibem-nas aos amigos, para que todos vejam as "aventuras" em que eles andaram. mas quando alguém se propõe erradicar a pobreza ficam putos da vida. Onde é que eles iriam passear a sua imensa superioridade moral, que até se dignam conviver com os pobrezinhos? :-)

      OdF

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.