quarta-feira, 1 de julho de 2015

MAS!!!.. MAS!!!... MAS!!!... - 2

Continuação de

MAS!!!.. MAS!!!... MAS!!!... - 1 

 

O Exército de Israel está a ser acusado de ter sido demasiado cuidadoso ao evitar baixas civis   

O IDF (Forças de Defesa de Israel) está a ser criticado por especialistas militares internacionais, devido aos seus esforços na protecção de civis, um "precedente perigoso", que outros Exércitos não podem atingir. 


Soldados das Forças de Defesa de Israel operando na fronteira com Gaza.
(CONTINUAÇÃO) 
O comando do IDF foi ultra-sensível no planeamento e execução da campanha em Gaza, e, "embora a maioria dos ataques tenham sido realizados sem danos a pessoas inocentes, os comandantes de campo do IDF vetaram diversos raides sobre Gaza, apesar das múltiplas precauções para evitar baixas civis."
Os terroristas do Hamas instalam as suas bases de lançamento de mísseis, armazéns de munições e centros de operações, em edifícios civis. Depois obrigam a população a servir de escudos humanos, esperando ter o máximo de mortos para mostrar ao Mundo. Dentro dos círculos encarnados, podemos ver crianças.

"Não há simetria na lei internacional", afirma o tenente-coronel Robert Noyfield, advogado da DABLA [acrónimo hebraico para a divisão de Direito Internacional do IDF]. "Fazemo-lo por obrigação moral; fazemo-lo por nós mesmos. Nós somos um país democrático que cumpre as regras de um Estado de Direito. Ao fazer isto, é claro que esperamos também evitar críticas por parte da comunidade internacional. Como podemos ser criticados cumprimos a Lei?".
(CONTINUA)

Este vídeo do IDF mostra os ataques do Hamas contra a população civil de Israel a partir de edifícios civis. E explica a estratégia dos escudos humanos. A Imprensa global (poderosa cúmplice dos islamistas) omite tudo menos os edifícios de Gaza destruídos. O espectador incauto pensa que foi Israel que atacou, e que atacou civis. O estratagema resulta!

O terrorista Abu Bilal al Ja a'beer, destacado líder do Hamas, confessa orgulhosamente que usa escudos humanos:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.