quinta-feira, 19 de abril de 2018

Israel 70 anos - menos Hamas e mais húmus!


70 nações estão unidas a Israel nos seus 70 anos!

70 nações celebram o 70º aniversário de Israel enviando o seu amor ao Estado judeu e compartilhando com o mundo porque estão unidos a Israel!

O Yom Ha'atzmaut (Dia da Independência) começou na noite de quarta-feira, com a cerimónia oficial iniciando a celebração no Monte Herzl, em Jerusalém.

Para as pessoas em todo o mundo, o Estado de Israel é um lugar especial e o seu bem-estar é de extrema importância.

Nações de todo o mundo estão orgulhosas das conquistas de Israel nos últimos 70 anos e apoiam aqueles que continuam a construir e defender Israel.

Veja como 70 nações demonstram o seu amor pelo Estado judeu no seu 70º aniversário!



Uma Celebração da Sobrevivência e Força Judaica: Nunca mais os judeus ficarão indefesos! 
Nunca mais os judeus ficarão indefesos contra aqueles que tentarem aniquilá-los!
Por: Rabino Ari Enkin, Director Rabínico, Unidos com Israel



Para algumas pessoas, não é exactamente claro o que celebramos no Yom Ha'atzmaut, o Dia da Independência de Israel. É claro que estamos a celebrar o estabelecimento do Estado judeu moderno após 2.000 anos de exílio, mas há muito, muito mais.
Por exemplo, estamos a celebrar a sobrevivência dos judeus. Depois do Holocausto, as coisas estavam más, para dizer o mínimo. O Holocausto foi mais um evento na História em que judeus indefesos foram massacrados nos países onde viviam apenas por serem judeus. De facto, durante 2000 anos, as nações do mundo trataram os judeus com perseguições, pogroms, cruzadas, inquisições e muito mais. Então decidimos despedir- nos de tal hospitalidade e voltar para casa!
Depois do Holocausto, os sobreviventes famintos dos campos de concentração estiveram entre os que conseguiram combater muitos exércitos poderosos e estabelecer o Estado de Israel. Em outras palavras, o Estado representa uma recuperação de uma experiência de “quase morte”. Foi tão claramente um acto de Deus que até mesmo os ateus não podem explicá-lo. Nunca mais os judeus ficarão indefesos contra aqueles que tentarem aniquilá-los.


NDT: Que diferença fazem 70 anos...


Estamos a  celebrar uma mitsvá (mandamento da Torá) que por 2000 anos não pôde ser cumprida, a saber, a colonização da Terra de Israel! O Estado judeu representa a oportunidade de cumprir a mitzvá de viver em Israel. Até ao estabelecimento do Estado, os judeus foram afastados das fronteiras da Terra de Israel. Além disso, aproximadamente 200 dos 613 mandamentos da Torá podem ser realizados apenas na Terra de Israel. Assim, o Estado representa uma oportunidade de realizar muito mais mitzvot.
Uma mezuzá é um pedaço de pergaminho contendo versículos específicos da Torá, escritos por um escriba reconhecido, enrolados e colocados num estojo frequentemente decorativo antes de serem colocados nas ombreiras das casas e empresas judaicas. Em Israel, há uma mezuzá em todos os edifícios públicos. Feriados judaicos são feriados nacionais. O McDonald's é kosher. Cada bairro deve ter uma sinagoga, de acordo com a lei nacional.
Em Israel, há mais de 300 dias de sol. Jovens  judeus de 21 anos operam aviões de 20 milhões de dólares. Os homens podem usar uma kipá (chapéu judaico) na rua sem medo. O melhor húmus do mundo está disponível. A Bíblia é real. A presença de Deus é mais forte. Há belas praias, museus maravilhosos, empresas vinícolas de primeira classe. E muito mais!
Então, pessoalmente, eu estou a comemorar mais de 70 anos de Estado. Eu estou essencialmente a celebrar a redenção do povo judeu conforme predito pelos profetas de Israel! (E o húmus…)


NDT: O que se quer é menos Hamas e mais húmus!

(Hiperligações no original)

15 coros ao redor do mundo cantam em homenagem ao Estado de Israel

Em comemoração aos 70 anos do Estado de Israel, 15 coros de todo o mundo cantaram uma versão em movimento de uma antiga oração judaica pela paz.

Como um “presente a Israel” em homenagem ao Yom Ha'atzmaut - Dia da Independência - 15 coros de diferentes países cantaram uma bela versão de “Oseh Shalom” - uma conhecida oração judaica antiga que expressa o desejo do povo judeu pela paz.

“Oseh Shalom” significa “Aquele que faz a paz” e faz parte da frase que conclui grande parte das cerimónias da liturgia judaica. A frase completa é: "Aquele que faz a paz em suas alturas, possa fazer a paz sobre nós e sobre todo o Israel; e diga: Amém".

Veja como 15 coros de todo o mundo cantam apaixonadamente esta linda e sincera oração!



Via United With Israel


Que o Eterno abençoe todos os amigos de Israel e que os planos dos seus inimigos sejam sempre gorados, como foram hoje os do Irão.

5 comentários:

  1. Caro amigo que deixou aqui uma mensagem:

    Não a publiquei para não estar a dar "tempo de antena" ao senhor cujo site indica na mensagem. As elocubrações dele têm a mesma credibilidade que os "Protocolos dos Sábios do Sião". Só que são muito mais diabólicas.

    O George Soros é um nazi e anti-semita furioso, embora tenha pai judeu. Culpar os judeus das canalhices de Soros é absurdo. Os anti-semitas agarram-se a tudo quanto podem, e até um anti-semita lhes serve.

    Críticas fundamentadas, especulações que mereçam análise, sim senhor, mas anti-semitismo patológico, não acho que valha a pena sequer estar a discutir. Um destes dias conto falar aqui do famigerado plano Kalergi, como falei de outra absurdidade anti-semita, que é a alegação de que os judeus não são judeus (!).

    Mas loucura e ódio puro, não.

    OdF

    ResponderEliminar
  2. Não é minha intenção promover ninguém e muito menos o ódio,mas apenas procurar entender o que se passa neste mundo enlouquecido.O senhor que menciona(o autor do site que eu por vezes leio,nem sequer sou muito assíduo pois meu tempo é pouco na net)é canadiano de origem hebraica(não digo judeu pois acho abusivo de certa forma usar de tal designação para todos os de origem hebraica,não sei se concorda,e é essa generalização que dá azo a equivocos muitas vezes)e é um das mais activos(o sr Makow) contra o globalismo,aliás nesse post que procurei deixar aqui ele fala de uma espécie de contradição dentro do estado de Israel(a sua parte nacionalista contra o globalismo o qual é promovido por gente de origem hebraica entre outros não semitas).Acho que é analisando,mesmo quando não estamos de acordo,que se chega a algum lado,e não censurando,aliás a censura joga precisamente a favor dos globalistas(sejam eles brancos ou semitas,ou amarelos etc,não me move a questão racial por si mas apenas chegar à fonte(se é que é possivel visto tantos tentarem ao longo dos tempos) daquilo a que muitos chamam de "sindicato globalista" entre outros nomes).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Bilder,

      O Hitler também tinha origem judaica, hebraica, Israelita, ou como queiramos designar. O Karl Marx, outro anti-semita de alto calibre (além de ter sido uma nódoa de ser humano, um canalha e um bandido) era ele mesmo um judeu. Há brancos que pugnam pela extinção das pessoas brancas, há homossexuais profundamente homofóbicos, há portugueses que deram informações ao inimigo durante a Guerra Colonial, etc., etc..

      Sobre o indivíduo que mencionou: o que conheço dele já me vacinou para mais análises. Ele está ao nível do David Icke, que afirma que os judeus (bem como a Família Real inglesa, o Donald Rumsfeld, os Bush, etc.) são lagartos espaciais do centro da Terra.

      Peço que não me leve a mal não ter querido divulgar o site. A nossa secção George Soros demonstra q.b. quem é esse outro judeu anti-semita e os cordelinhos que ele move.

      Eu sou apenas humano, amigo. Sou um gajo vulgar atrás de um computador, não sou pago pela Mossad, como dizem alguns brincalhões - já me fiz ao piso, declarando que não me importava de ser pago, mas a Mossad não deve ler-me :-)

      Deve compreender que se chega a um ponto em que já não há pachorra para tentar desmontar teorias da conspiração, de tantas e tão absurdas que são. Há coisas que simplesmente não merecem resposta. Ainda hoje, fiquei a saber que os judeus também são acusados de controlarem a meteorologia, veja bem:

      https://www.timesofisrael.com/jews-control-weather-politician-walks-out-midway-through-holocaust-museum-tour/

      Quando comecei a colaborar neste blog perguntava-me porque é que cada judeu não faz o que eu, não-judeu, faço, combatendo o anti-semitismo com unhas e dentes. Hoje, após 3 anos, compreendo-os. Décadas disto devem pôr uma pessoa num estado de insensibilização muito peculiar.

      Se entretanto tiver disposição, conto ir lá dar uma vista de olhos. Mas não esqueça que eu não tenho autoridade especial para coisa nenhuma, tão-pouco falo pelos judeus, nem sequer sou um deles, pelo menos que eu saiba. Em termos religiosos, quanto mais estudo mais simpatizo com o Judaísmo, isso ai é certo.

      Abraço,

      João Oliveira aka Oliveira da Figuera

      Eliminar
  3. A mim não me importaria ser pago pelo Mossad. Na verdade, eu defenderia Israel com palavras, não podendo ainda fazê-lo com armas. E defenderia de graça. Estive na terra, vi o povo, não me arrependo. Quem conhece Israel vê a distância espacial, de anos de luz, entre as críticas mentirosas da esquerdalha e a realidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, amigo Ricardo. Infelizmente, o monstro do anti-semitismo está outra vez a mostrar a sua verdadeira face por esse mundo fora (até evito mostrar muita coisa aqui no blogue, para não dar ideias aos anti-semitas que nos lêem). E há quem fique indignado, ofendido, de cabeça perdida, apenas porque alguém diz essa verdade cristalina que o amigo acabou de enunciar.

      Alguém diz "Eu simpatizo com Israel", e as reacções são que, no mínimo, se está "a ser pago" para fazer "propaganda", se está ao serviço de uma sinistra conspiração, etc., etc.. Tais pessoas não entendem que alguém possa sacrificar o seu tempo livre e o seu esforço simplesmente em nome da justiça e da verdade.

      A razão que me leva a simpatizar e defender Israel não é esperar alguma recompensa material (de certeza que o Estado de Israel não vai dar-me um prémio monetário) moral (de certeza que o Estado de Israel não vai dar-me uma distinção honorífica) ou espiritual (de certeza que o Deus de Israel não vai dar-me um prémio por causa desta minha posição).

      A razão que me leva a simpatizar e defender Israel é a mesma que sempre me levou a defender quem é injustiçado. Não parto do princípio de que o povo judeu é perfeito, como algumas pessoas exigem que seja - "Eu até apoiava Israel, mas o Marx era judeu". Alguém exige tal coisa a qualquer outro grupo humano?

      Tamanha paranóia anti-semita que algumas pessoas cultivam só me leva a concluir, após considerável estudo, que os judeus, sem serem obviamente mais queridos por Deus (ou Deus seria injusto) têm um papel neste mundo que causa alergia a certas pessoas. Os nazis e os comunistas odiavam os judeus porque acusavam esse povo de ter "inventado a consciência". E para quem a tem pesada, os judeus lembram que chegará o dia de todos prestarmos contas ao Criador.

      O meu Deus é o de Abraão, Isaac e Jacob. Como não poderia simpatizar com o povinho que aceitou ser porta-estandarte de Deus, como o preço elevado que isso lhe custou, e custa?

      Ainda agora estive a ler um artigo que sublinha que a Alemanha (no caso em questão) apoia o Irão com armas atómicas, não tem quaisquer críticas aos despóticos regimes islâmicos, mas não reconhece Jerusalém como capital de Israel nem a Judeia e Samaria como território israelita. Tal qual o nosso presidente da república...

      Interessante também é o chorrilho de insultos e acusações absurdas que chegava a esta caixa de comentários quando se permitia a opção de comentar anonimamente. Agora só chegam de pessoas com nickname ou de alguns anti-semitas (apoiantes do nazismo - ou do comunismo - e do jihadismo) totalmente comprometidos, publicamente, com a causa...

      Não destacamos pessoas que não sejam figuras públicas, pois não seria ético, mas usar o anonimato para o insulto gratuito e injusto, revela, na minha óptica, que essas pessoas amanhã estarão, se a oportunidade se apresentar, no meio de uma multidão de linchadores. Sempre assim foi.

      Outra coisa interessante é que os judeus, que são 0,17% da Humanidade, na sua generalidade percebem menos destes assuntos que uma pessoa como eu, que resolveu estudá-los. Não sonham que são acusados de tudo, desde controlarem o clima até serem donos do dinheiro todo do Mundo! Os judeus comuns percebem até menos de Judaísmo do que alguém que se ponha a estudar. Nasceram judeus, a maior parte nem é praticante, e não encaram a religião com a premência e o dramatismo dos seus inimigos - era o caso dos nazis, completamente obcecados pela religião judaica, mas infelizmente sem uma correcta compreensão da mesma.

      Abraço,

      Oliveira da Figueira

      Eliminar

Os comentários estão desactivados. As nossas desculpas.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.