domingo, 1 de abril de 2018

Caso alguém não saiba o que é a "Marcha do Retorno" do Hamas

http://www.pallywood.com/
Como sempre, a propaganda anti-Israel continua a bater na tecla de que "o Hamas tem apenas pedras e facas, e o Exército de Israel tem mísseis e espingardas".
Não só o Hamas é  um grupo terrorista sofisticado e bem armado, que usa a sua população civil para efeitos de propaganda (clique na imagem à esquerda), como NENHUM país do Mundo deixa de responder a preceito aos terroristas do ISIS ou da Al-Qaeda, mesmo quando estes estão apenas armados pedras e facas.


Para conferir pormenores sobre o artigo, visite as secções:


..........................................

Os governantes terroristas de Gaza não fazem segredo da sua agenda. Eles existem para destruir Israel. Bombistas suicidas, mísseis e túneis falharam. Então agora são marchas em massa na fronteira
 

O líder do grupo terrorista islâmico Hamas, Yihya Sinwar, grita slogans e faz o gesto de vitória enquanto participa num protesto perto da fronteira com Israel, a leste de Jabaliya, no norte da Faixa de Gaza em 30 de Março de 2018. (AFP / Mohammed ABED)


Caso alguém não saiba, Israel retirou-se unilateralmente da Faixa de Gaza para as linhas pré-1967 em 2005. Israel arrancou milhares de colonos israelitas de suas casas. Desmantelou toda a infra-estrutura militar na Faixa. Não tem presença física lá. Não faz reivindicações territoriais lá.
Caso alguém não saiba, o Hamas, uma organização terrorista islâmica que busca a destruição de Israel, tomou o poder em Gaza em 2007, num golpe violento contra as forças do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas.

Tendo tentado aterrorizar Israel de modo a levar à sua capitulação, com os seus ataques estratégicos por homens-bomba na Segunda Intifada, desde que se apoderou de Gaza, o Hamas continuou os seus esforços para aterrorizar Israel, ao disparar milhares e milhares de mísseis indiscriminadamente através da fronteira.

 
Uma bateria da defesa anti-míssil Iron Dome  montada perto da cidade de Ashdod, no sul de Israel, dispara um míssil interceptador em 16 de Julho de 2014. (Miriam Alster / Flash90)


Se não fosse pelo sistema de defesa anti-míssil Iron Dome, grande parte de Israel, como esperava o Hamas, teria sido reduzido a escombros.

O Hamas também tem escavado incessantemente túneis sob a fronteira
para ataques terroristas no interior de Israel  - outra avenida de terror que Israel parece ter gradualmente fechado com novas tecnologias e barreiras subterrâneas.


Equipe de TV indiana filma lançamento de mísseis pelo Hamas da área residencial da Cidade de Gaza, 5 de Agosto de 2014 (captura de ecrã da NDTV)


Caso alguém não saiba, o Hamas explora implacavelmente os habitantes de Gaza - uma grande parte dos quais os apoiaram nas eleições - armazenando os seus mísseis perto ou mesmo dentro de mesquitas e escolas, disparando mísseis de áreas residenciais e escavando túneis debaixo de casas e instituições civis.
O Hamas confisca todos os materiais que podem ser utilizados para o fabrico de armas, necessitando de um bloqueio de segurança israelita rigoroso, cujas principais vítimas são os habitantes de Gaza.
Caso alguém não saiba, exigir um “direito de retorno” a Israel para dezenas de milhares de refugiados palestinos e seus milhões de descendentes é nada menos que apelar à destruição de Israel por meios demográficos.
Nenhum governo israelita poderia aceitar essa exigência, uma vez que significaria o fim de Israel como um Estado de maioria judaica.
A posição de Israel é que os refugiados palestinos e seus descendentes se tornariam cidadãos de um Estado palestino como culminar do processo de paz, assim como os judeus que fugiram ou foram expulsos dos países do Médio Oriente por governos hostis se tornaram cidadãos de Israel.

Os palestinos distribuem doces para celebrar a morte do ex-primeiro-ministro israelita Ariel Sharon em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, em 11 de Janeiro de 2014. (Crédito da foto: Abed Rahim Khatib / Flash90)

Caso alguém não saiba, o falecido primeiro-ministro Ariel Sharon supervisionou a retirada dolorosa de Gaza no desejo declarado de estabelecer as fronteiras permanentes de Israel, e fê-lo unilateralmente porque concluiu que não poderia chegar a um acordo negociado com a liderança palestina.
Se Gaza tivesse permanecido calma, e Sharon tivesse permanecido vivo e de saúde, é provável que ele também tivesse ordenado uma retirada de grande parte da Judeia e Samaria (vulgo Cisjordânia) - abrindo caminho para o Estado palestino.
A ascensão do Hamas ao poder em Gaza gerou três rodadas de amargos conflitos e uma consciência de que Israel ficaria isolado e incapaz de funcionar se o Hamas assumisse o poder na Judeia e Samaria (vulgo Cisjordânia) - com todas as localidades em todo o país, incluindo o aeroporto, ao alcance de rockets - enterrou o unilateralismo e tornou os israelitas consensualmente aterrorizados com a perspectiva de abandonar o território adjacente. Assim, o Hamas, que pretende servir ao interesse palestino, condenou a perspectiva da independência palestina em futuro previsível.
Organizar e encorajar manifestações de massa na fronteira, na chamada “Marcha de Retorno” para enfrentar as tropas israelitas, enquanto afirma que se trata de uma campanha não-violenta, é apenas a mais recente versão do cínico uso do Hamas dos  seres humanos como escudos para a sua agressão.

Mas o Hamas, é claro, não está interessado na independência da Palestina. Mais uma vez, esforça-se para a eliminação de Israel.

Então, para acabar, e caso alguém desconheça o contexto para a última escalada de violência de sexta-feira, só precisa ouvir o chefe do Hamas em Gaza, Yahya Sinwar, estabelecendo o objectivo final.
Como ele afirmou em discurso para os moradores de Gaza, na fronteira, esta sexta-feira: "A Marcha de Retorno continuará ... até que removamos esta fronteira transitória". Os protestos "marcam o início de uma nova fase na luta nacional 'palestina' no caminho para libertação e 'retorno'… o nosso povo não pode desistir de uma polegada da terra da 'Palestina'. ”


Fatalidades da violência de 30 de Março na fronteira entre Israel e Gaza identificadas por Israel como membros de grupos terroristas. (Forças de Defesa de Israel)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.