segunda-feira, 14 de março de 2016

"Refugiados" muçulmanos amaldiçoam os "infiéis" que os hospedam


Grupo de "refugiados" muçulmanos na Alemanha amaldiçoam os kuffars (infiéis) que lhes dão comida e abrigo, durante a Ceia de Natal que lhes foi oferecida. Estas orações são legitimadas pelos textos religiosos islâmicos.

Algumas frases:

"As nações cercaram-nos por todos os lados como cães".

"Ó Alá, extermina os infiéis onde quer que eles estejam".

"Ó Alá, destrói as suas comunidades".

"Ó Alá, destrói a fé deles e faz o chão tremer debaixo dos pés, porque tu és forte e eles são fracos".


Nenhum país muçulmano acolhe qualquer "refugiado". A maior parte dos "refugiados" nem o são de facto. A grande Imprensa mostra mulheres e crianças, mas a maior parte são homens jovens, aventureiros que deixam as suas famílias ao Deus dará. Outros são terroristas, como os autores do Massacre de Paris.

A grande Imprensa mostra-nos imagens de globalistas de extrema-esquerda acolhendo os insurgentes islâmicos na Alemanha. Mas ignora os milhares de alemães que tomaram as ruas para protestar contra a invasão. Porque é de uma invasão que se trata. Da Alemanha, da Europa e de todo o Mundo (ainda) Livre:

A Invasão que eles escondem - 1

A Invasão que eles escondem - 2

A Invasão que eles escondem - 3

A Invasão que eles escondem - 4

 A Invasão que eles escondem - Conclusão


O choque de culturas é inevitável.Os "migrantes" sentem-se na obrigação de nos enriquecer culturalmente (a nós, os "bárbaros infiéis") com o seu Islão e a sua lei sharia, que, na óptica deles, são do que há de melhor.

"A nossa sociedade tem evoluído ao ponto em que podemos ter um debate civilizado sobre qualquer coisa, excepto, talvez, a questão mais importante do nosso tempo - a ascensão do Islão radical"
 Raheel Raza - Activista muçulmana de Direitos Humanos


"A maioria dos muçulmanos do mundo, 53 por cento, quer lei a Sharia como lei oficial dos seus países. Cerca de 39 por cento dos muçulmanos do mundo - 365 milhões de pessoas - acreditam que os crimes de honra são um castigo justo para uma mulher que teve relações sexuais extra-conjugais. Cerca de 27 por cento, 237 milhões de pessoas, acreditam que os apóstatas devem ser executados. 

"42 por cento dos muçulmanos franceses e 35 por cento dos muçulmanos britânicos com idades entre 18 e 29 anos acreditam que os atentados suicidas contra os não-muçulmanos são justificadados."
"A comunidade judaica, especialmente os judeus israelitas, é, julgo eu, a única comunidade que comprende esta mensagem".
Idem.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.