terça-feira, 8 de março de 2016

Conseguimos: "Palestinian Media Watch" reabriu


Conseguimos! Com a colaboração dos Amigos de Israel de todo o Mundo, o canal YouTube da organização de monitorização da Imprensa "palestina" - Palestinian Media Watch - reabriu a sua conta, que expõe os esforços da Autoridade "Palestina" para incitar à violência e ao assassinato de judeus.
"Graças a todos os nossos amigos e à sua pressão nas últimos 16 horas, o YouTube restabeleceu a nossa conta" disse Itamar Marcus, director da PMW. O YouTube tinha removido o canal da PMW com o fundamento de que se tratava de "conteúdo de ódio."
A organização PMW monitoriza e expõe  incitamento ao terrorismo nos meios de comunicação "palestinos", fornecendo aos meios de comunicação, legisladores e tomadores de decisões em todo o mundo, informações vitais sobre a realidade em Israel e na Autoridade "Palestina".
"Quero agradecer pessoalmente a todos quantos estenderam a mão à PMW, o que mostra que o efeito cumulativo de acções individuais pode fazer a diferença", disse Marcus.
O site da PMW compila notícias de jornal, rádio e TV dos meios de comunicação dos invasores Árabes-Muçulmanos em Israel, também conhecidos erradamente como "palestinos".
A loucura sem limites: Um vídeo de propaganda do Hamas divulgado pela PMW afirma que os "satânicos judeus planearam o Holocausto para se verem livres dos judeus doentes ou incapacitados".

ALGUNS EXEMPLOS DO TRABALHO DA "PALESTINIAN MEDIA WATCH":
- Neste vídeo podemos ver um pregador muçulmano, em plena Mesquita de Al-Aqsa (aquela da cúpula dourada, em Jerusalém, que é na verdade uma sinagoga, mais tarde convertida em igreja e depois em mesquita) pregando que os judeus preparam os pães ázimos (da celebração Pascal, como conhecemos da Última Ceia de Jesus), com sangue de crianças:


É esta propaganda que é incutida nas cabeças dos jovens colonos muçulmanos, que depois acedem ao apelo da Autoridade "Palestina" e vêm para a rua esfaquear judeus. Tem sido o caso da onda de terror a que chamámos INTIFACADA, e que tem custado vidas de israelitas inocentes e de jovens terroristas árabes muçulmanos sujeitos a esta lavagem ao cérebro. "Matar judeus é adorar Alá!" - clamam os pregadores.
- Este alto funcionário "palestino", o terrorista Fatah Tawfiq Tirawi, defende Hitler numa entrevista na TV "palestina".
Depois de o anfitrião afirmar que "O povo alemão não sabia que Hitler era moralmente corrupto", o alto funcionário atalha-o, afirmando: "Hitler não era moralmente corrupto - ele era ousado."

Os "palestinos" e os seus representantes eleitos são conhecidos por venerarem os nazis, como temos aqui mostrado inúmeras vezes. Eles não escondem a sua afinidade com o  sonho nazi de aniquilar todos os judeus do mundo e louvam o extermínio sistemático dos que os nazis perpetraram, levando as vidas de 6 milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial.
- Aqui, temos o mega-terrorista Mahmoud Abbas, cuja imagem é vendida no Ocidente como a de um "moderado", a homenagear os terroristas que matam judeus inocentes:

Temos mostrado inúmeras vezes os incentivos e os prémios que Abbas distribui aos assassinos de judeus. Entre outros actos terroristas, Abbas foi o financiador e o planeador do Massacre das Olimpíadas de Munique. Abbas é igual a Osama bin Laden, contudo, como pratica o genocídio de judeus, é uma pop-star para a Imprensa:


- Imagine aqui no Mundo Livre um videoclipe a ensinar que as bombas são mais preciosos do que as crianças. No vídeo abaixo, uma menina de cinco anos de idade descobre que a sua mãe se fez explodir com um cinto-bomba num ataque terrorista suicida, e canta de alegria.
Este é apenas um exemplo da grande variedade de mensagens de ódio na TV do Hamas. As crianças são doutrinadas na violência, no ódio e na supremacia islâmica, e é-lhes ensinado que o Martírio em busca de Alá é o valor mais alto a que podem aspirar.
Esta é uma compilação de cinco minutos de segmentos representativos da TV do Hamas, que documentam essa doutrinação das crianças.
Também estão incluídas as declarações de Hillary Clinton numa conferência de Imprensa com a Palestinian Media Watch, no Senado dos EUA, onde ela criticou os livros escolares e a Televisão "palestinos", que "envenenam profundamente as mentes destas crianças.":


- Os lideres "palestinos", enquanto vivem vidas de nababos, com jactos particulares e mansões de luxo, bebendo whisky velho*, usam as suas crianças como bombas humanas, como terroristas assassinos, como escudos humanos e como escavadores de túneis de terrorismo, para a seguir as assassinarem sem dó nem piedade**. Isto parece nenhuma diferença fazer ao Mundo:

O terrorista líder do Hamas, Ismail Haniveh, lança mais um inocente na senda do ódio, do terror e da morte. Enquanto leva vida faustosa com os outros terroristas. Não é notícia:


As elites terroristas desfrutam de vida regalada. Hotéis de 5 estrelas, restaurantes de luxo, jactos particulares, tudo do bom e do melhor, que pode ser visto em artigos como ESTE.Assistem às guerras que ordenam a partir do conforto dos seus bunkers.
 
* O bilionario Ismail Haniyeh, líder do bando terrorista Hamas, que ganhou as eleições em Gaza, passando o copo de whisky para a sua amante ocidental esconder dos fotógrafos.

** "O Hamas matou 160 crianças palestinas para construir os túneis do Terror"
Mas a Imprensa não se interessa por esses "pormenores"... Demonizar Israel por se defender destes demónios é que é a prioridade!
A Imprensa, a extrema-esquerda e os neo-nazis, estão-se nas tintas para as crianças que são mandadas cavar túneis e depois abatidas, ou vendidas pelos pais para se fazerem explodir. O que os move é apenas o ódio irracional a Israel!

- Para ver centenas de vídeos da cultura do terrorismo  por parte dos colonos muçulmanos em Israel, visite o canal YouTube da Palestinian Media Watch.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.