segunda-feira, 29 de junho de 2015

(M)isère

Ou de como o islamista decapitador e bombista de Isère está a ser reabilitado pelos esforços denodados da Imprensa.


Yassin Salhi a caminho dos altares da extrema-esquerda Ummah
Noutro dia, na Áustria, um jihadista islâmico bósnio lançou o seu carro para cima da multidão. Atacou idosos e a Polícia à facada, matou 3 pessoas e deixou 30 feridos.
Falámos do caso neste post:

O Terrorismo Cujo Nome Não Deve Ser Pronunciado 

Vimos que a Imprensa ocidental conseguiu - como sempre faz - relatar toda a tragédia sem referir que se trata de um muçulmano, de um jihadista e de um terrorista que cumpre os ditames Corânicos e as exortações de Estado Islâmico.
E se o caso mereceu algum destaque, foi apenas porque se passou no coração do Mundo Livre e teve milhares de testemunhas, com acesso às redes sociais e a possibilidade de desmentir os jornaleiros dhimmi.
Em casos destes, os jornaleiros dhimmi não mentem. "Só" omitem, distorcem, confundem e lançam suspeitas difusas.
Mas se um jihadista atropelar uma multidão, digamos, na China, os jornaleiros dhimmi dirão que "um separatista uigure perdeu o controlo da viatura e embateu num grupo de transeuntes". Se for na Rússia será um separatista do Daguestão.
Se for em Israel, o atropelamento é totalmente omitido, e a atenção dos jornaleiros dhimmi focar-se-á unicamente na reacção da Polícia, que será sempre "acusada" de ter feito o seu trabalho. O terrorista é sempre uma vítima e um herói.
VÍTIMA E QUASE HERÓI
O terrorista islâmico Yassin Salhi decapitou Hervé Cornara e pendurou a sua cabeça na vedação da fábrica Air Products de Saint-Quentin-Favilliers, que de seguida tentou fazer explodir.
Salhi estava de há muito referenciado pelas autoridades por ligações ao terrorismo islâmico. Mas circulava livremente. Deixou inscrições islâmicas na cabeça do malogrado Hervè Cornara e nas bandeiras islâmicas que deixou em profusão no local.
O macabro cenário do ritual islâmico da decapitação do infiel (1) (2)
(1) “E quando encontrares os infiéis, corta-lhes as gargantas"  (Alcorão 47:4)
Demos um demorada vista de olhos na Imprensa francesa e constatámos o esforço mediático para relativizar os actos de Salhi e para o ilibar. A inevitável AFP lidera o movimento:
"Yassin Salhi nasceu em Pontarlier, perto da froneira suíça, filho de pai de origem argelina e mão de origem marroquina. Interrogado pela AFP, o presidente da mesquita local, Nacer Benyahia, lembra-se de «um rapaz calmo, (...) não de um nervoso», e diz-se «muito chocado»."
Um testemunho sem dúvida decisivo para ilibar Salhi. Afinal, e como bem sabemos, todos os atentados islamistas são cometidos por agentes secretos ocidentais para culpar os muçulmanos, não é verdade?...
As imagens que a Imprensa astutamente disponibliza são as dos vizinhos do terrorista, "muito chocados" A tristeza que não vai pelas comunidades islâmicas... Afinal, e segundo o nosso xeque Munir, "são eles quem mais sofre com estes actos, coitados!*".
* - Nas cadeias de Toulouse, Lyon e Paris, houve festa rija pelo ataque
 QUIÇÁ SANTO...


A Senhora Salhi levada pela Polícia para prestar declarações

Mas há mais e pior. Segundo a Imprensa institucional, o pobre rapaz não é terrorista nenhum! Estava apenas desgastado por problemas familiares e profissionais, e resolveu que queria suicidar-se. Mas não o fez como um tipo vulgar. Como espírito nobilíssimo que é, optou por mascarar o suicídio sob a  forma de um acto de terrorismo.
Esta "notícia" está a ser avançada pelo  Le Parisien e a ser papagueada por toda a Imprensa! Um acto tão generoso poderá muito bem vir a render a canonização de Salhy, em vida e tudo!
PROBLEMA RESOLVIDO!
Quanto à reacção Ocidental a mais este ataque islamista de mais esta vaga de ataques islamistas, está tudo resolvido:
Põe-se no Facebook e ficamos de consciência lavada.
Quando as  vítimas são judeus, nem é preciso branqueamentos nem  Je Suis. Ignora-se. Louva-se, nalguns casos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.