domingo, 22 de dezembro de 2013

A Sharia e o Natal

Clérigo muçulmano «explica» que desejar «Feliz Natal» é «pior que fornicação, álcool ou matar alguém». Feliz Natal, senhor clérigo!


 O GRINCH QUE ROUBA O NATAL DEVAGARINHO

 Wait: Instead, shoppers are being asked to wait to pay for goods like alcohol at a different till (file picture)

A Marks & Spencer adere ao princípio de que onde a lei e a prática islâmica entrarem conflito com a lei e a prática ocidental, é Direito ocidental que deve ceder. Este é um padrão muito familiar no Reino Unido e nos EUA ao longo dos últimos anos, e a maioria das pessoas concordará com esta decisão, apesar do inconveniente para o consumidor. Mas onde é que este movimento de cedências à Sharia vai parar? As cedências continuarão até a Sharia ser adoptada na totalidade? Nos países islâmicos, vigora a Sharia. E por cá, em breve, também, ao que tudo indica...

"M&S diz ao pessoal muçulmano que pode recusar servir os clientes que compram álcool ou carne de porco"
  Sophie Jane Evans para o Daily Mail , 22 de Dezembro:
    A Marks & Spencer comunicou ao pessoal muçulmano que este pode recusar-se a servir os clientes que compram álcool ou carne de porco.

    
A cadeia concedeu aos trabalhadores muçulmanos em mais de 700 lojas, permissão para recusar educadamente atender os clientes, por motivos religiosos.

    
Em vez disso, os clientes são convidados a esperar para pagar por determinados itens numa caixa
diferente.
(...)

    
Em contraste com a M&S, a Sainsbury disse à sua equipa muçulmana que não há nenhuma razão para que eles não possam lidar com bens tais como álcool e carne de porco - mesmo que eles não tenham permissão para comer ou beber esses produtos.
 -Na verdade, a lei islâmica proíbe os muçulmanos, não só de beber álcool, mas de lidar com ele, vendê-lo, etc. - no entanto, esta lei é muitas vezes ignorada no Ocidente, em vista da necessidade económica.


    Um porta-voz disse que as directrizes oficiais da cadeia - que quer que sejam todos todos tratados "de forma justa" - foram escritas após consultas com vários grupos religiosos, de acordo com o The Sunday Telegraph.

    As lojas Morrison's - que têm sede em Bradford, onde há uma grande população muçulmana - disseram ter o compromisso de longa data de "respeitar os 'desejos dos trabalhadores de não lidar com certos produtos por razões religiosas ou culturais'".

    A cadeia Asda optou por não permitir que os muçulmanos que se opõem à manipulação de álcool atendam os clientes.

  Já a Tesco afirma que "não faria sentido" contratar pessoal como o que se recusa a tocar em itens específicos - mas disse que trata cada caso individualmente, sem nenhuma política específica.
    Na semana passada, os clientes que compravam bebidas alcoólicas para o Natal numa loja da M&S no centro de Londres foram convidados por um trabalhador muçulmano a esperar para serem atendidos por um outro membro da equipa.

    Um cliente - que deseja permanecer anónimo - disse ao jornal que foi 'apanhado de surpresa' pela solicitação do trabalhador.

    "Eu tinha uma garrafa de champanhe, e a senhora - que usava um lenço na cabeça - pediu desculpas, mas disse que não poderia atender-me", disse o cliente.


    "Ela disse-me para esperar até que outro membro da equipe estivesse disponível."


    Um porta-voz da M&S disse que a política de tolerância reconhece as crenças dos trabalhadores religiosos, incluindo cristãos e judeus.

    Ele acrescentou que a empresa se esforça para promover "um ambiente livre de discriminação".

    Em Outubro deste ano, dois trabalhadores muçulmanos ganharam um caso de discriminação contra a Tesco depois de os seus patrões não terem providenciado uma sala de oração.

    Abdirisak Aden e Mahamed Hasan, ambos de 27 anos, estavam entre um número de funcionários muçulmanos devotos no supermercado que tinha feito lobby para uma sala de oração em 2006.

    Em 2008, os gestores concordaram em reservar um escritório no posto de distribuição em Crick, Northamptonshire, como sala de oração para os muçulmanos.

    Mas quatro anos depois, os chefes definiram novas restrições ao uso da sala, que incluíram mantê-la fechada quando não estava em uso.

    Na sequência da apreciação pelo tribunal do trabalho, a Tesco foi considerada culpada de discriminação indirecta - tendo os homens sido indemnizados com uma quantia não revelada por "danos aos seus sentimentos".

FAST FORWARD

 Mas se formos até à moderna e moderada Indonésia, podermos ter uma ideia do que pode vir a ser o Natal no Mundo Livre dentro de alguns anos:



 Muçulmanos gritam slogans contra as celebrações de natal em Aceh, Indonésia

"Muçulmanos da Indonésia protestam contra o Natal, na esteira de aviso contra os desejos de Feliz Natal"
AP, 21 de Dezembro

    Banda Aceh, Indonésia: Muçulmanos protestaram na sexta-feira contra as celebrações de Natal e Ano Novo na conservadora província de Aceh na Indonésia.(...)

    O protesto aconteceu dias depois de a influente organização 'clérigos islâmicos', a Assembleia Consultiva Ulema, ter emitido um decreto proibindo os muçulmanos da cidade de oferecer desejos de Feliz Natal ou celebrar a véspera do Ano Novo.

    Os manifestantes pediram às autoridades para proibir as comemorações, alegando que são proibidas pelo Islão. (...)

    Aceh, no extremo norte de Sumatra, é a única província na Indonésia predominantemente muçulmana, onde é permitido implementar a lei islâmica Sharia.


«JESUS É UM CÃO! MATEM OS CRISTÃOS!»



Festa em Batak, Indonésia: é a demolição de uma igreja cristã pelos muçulmanos
 
Nova onda de encerramento de igrejas varre Indonésia



2013/12/19 Indonésia (International Christian Concern) - Vi quando o pastor começou a chorar, as lágrimas brotando nos seus olhos quando ele descreveu a cena. Era 18 de Maio, 2012, e havia centenas e centenas de fanáticos gritando e  atirando pedras, lixo e até mesmo sacos cheios de urina contra a sua congregação, actos que a polícia apoiou e aos quais assistiu. Cartazes pendurados perto da sua igreja diziam "Jesus é um cão" e "Matem os cristãos".
Os manifestantes reivindicaram que o pastor nunca tinha obtido as devidas autorizações para operar na sua igreja, e o governo local concordou, selando o edifício e proibindo o pastor e a sua congregação para sempre de regressar.A minha entrevista com o Pastor Palti Panjaitan da igreja GKI Yasmin foi um abrir de olhos. Durante anos, o mundo, incluindo os Estados Unidos, elogiaram a Indonésia como o principal exemplo de uma democracia tolerante, e... muçulmana. A maior nação de maioria muçulmana no mundo, a Indonésia, abraça uma filosofia política acolhedora conhecido como "Pancasila", composta por cinco princípios "inseparáveis", incluindo a justiça social.
O ataque descrito não parece sinónimo de reputação imaculada da Indonésia. Após uma investigação mais aprofundada, ele provou ser apenas a ponta do iceberg.Em toda a Indonésia em 2012, a International Christian Concern (ICC) descobriu que pelo menos 50 igrejas, como A DO Pastor Palti, foram forçados a encerrar, quase sempre sob pressão de grupos islâmicos radicais. Estes grupos geralmente reivindicam que a igreja não tem as devidas autorizações para operar, com base numa lei de 2006, que exige que os "locais de culto" obtenham as assinaturas de aprovação dos vizinhos ao redor.
A lei é bem conhecido por ser uma farsa, já que quase nunca é aplicada a ninguém, excepto às minorias religiosas. É bem conhecido entre os líderes da igreja da Indonésia que a obtenção de uma autorização pode ser quase impossível e, geralmente, requer suborno de autoridades locais. Em 2012, fui informado de uma igreja muito grande que teve de pagar mais de um milhão de dólares norte-americanos para obter uma licença que, oficialmente pelo menos, deveria ser gratuita.
No início de 2013, o fecho de igrejas começou a atrair a atenção internacional. Em Março, fotos e vídeo de uma igreja cristã protestante de Batak a ser demolida pelo governo foi descoberta por agências de notícias internacionais. O vídeo mostra os muçulmanos radicais aplaudindo enquanto o edifício é destruído, enquanto os membros da congregação  assistem, impotentes.
No mês seguinte, a ICC levou a questão ao Congresso e ao Departamento de Estado. Logo depois, os relatos de igrejas seladas pelos governos locais caiu para quase zero. Até há três semanas. Agora, aparentemente do nada, uma nova onda de fechos de igrejas varre a Indonésia. No 1 º de Dezembro, os radicais pertencentes à Frente de Defensores Islâmicos invadiram um culto na igreja no Norte de Sumatra, criando tais estragos que os membros da igreja tiveram que ser escoltados para casa pela polícia de choque.
Os serviços religiosos foram indefinidamente suspensos. No dia 6 de Dezembro, o Jakarta Globe informou que duas novas igrejas tinham sido seladas  uma em Java e outra em Sulawesi. A igreja em Sulawesi foi posteriormente demolida pelas autoridades locais, deixando centenas de cristãos na área sem uma única igreja para participar nos cultos. Em seguida, na segunda-feira, a ICC recebeu a notícia que pelo menos mais duas igrejas, localizadas perto de Jacarta, tinham sido forçadas a interromper os serviços por radicais na semana passada, elevando o número total de igrejas fechadas para cinco em apenas três semanas.
A razão por trás da erupção deste mês de fechos de igreja , especialmente depois de sete meses de relativa calma, não é clara. Pode ser que o feriado próximo do Natal esteja a despertar o sempre latente sentimento anti-cristão entre os grupos radicais. Em 2000, 16 foram mortos por ataques à bomba contra igrejas durante o feriado de Natal.
Na segunda-feira, o chefe da polícia nacional da Indonésia, General Sutarman, anunciou que 87.000 membros da polícia seriam mobilizados para "prevenir interrupções das celebrações de Natal e véspera de Ano Novo." A maioria das forças policiais será encarregada de vigiar as igrejas e "outros lugares de culto."
Ontem, a AsiaNews, uma agência de notícias católica, também informou que um conselho islâmico na província de Aceh tinha recentemente ordenado aos muçulmanos não participarem nas celebrações de Natal, considerando essas actividades "proibidas". Aceh é a única província na Indonésia totalmente regida pela lei Sharia e foi o local de vários encerramentos de igrejas no ano passado.
A única coisa que está clara é a necessidade de uma atenção internacional para esta discriminação religiosa protegida pela legislação mal mal utilizada. A história recente tem mostrado que sem essa atenção, o governo federal da Indonésia tem pouca, ou nenhuma, motivação para proteger sua população cristã de maus-tratos.



O massacre de cristãos no cemitério de Santa Cruz, levado a cabo pela Indonésia, é um dos tristes episódios da perseguição aos cristãos que esse país promoveu em Timor.


NOVO FAST FORWARD

É o que estão a viver os cristãos da República Centro-Africana, perseguidos pelo Governo islamista, imposto através de golpe de Estado. Mais um triste retrato deste Natal, em que tantos cristãos pelo Mundo estão a ser perseguidos. Ver RESCUECHRISTIANS, site do movimento fundado pelo ex-terrorista islâmico Walid Shoebat. Shoebat avisa: O genocídio dos cristãos ás mãos dos muçulmanos está a ser o maior da História. Enquanto isso, por cá, discute-se o sexo dos anjos, ou a definição de terrorismo e islamofobia, que vai dar ao mesmo.
 50000-displaced-people-bangui-airport-receive-food-rations-20131219-161008-654.jpg
 Cristãos em fuga, refugiados no aeroporto de Bangi
 "Falar sobre extremismo islâmico, militantes islâmicos e as atrocidades que eles perpetram a nível global pode minar os resultados positivos que nós, católicos, atingimos com o nosso diálogo inter-religioso com os muçulmanos devotos." - Robert McManus, bispo católico de Worcester, Massachusetts, 8 de Fevereiro de 2013

"Os confrontos em Bangui entre cristãos e muçulmanos mataram 1.000 pessoas"
Divya Avasthy para IB Times, 19 de Dezembro
    Pelo menos 1.000 pessoas foram mortas em Bangui, capital da República Centro- Africana, em apenas dois dias de violência no início deste mês, segundo a Amnistia Internacional. O número é significativamente maior do que a estimativa anterior da ONU.

   
A
milícia muçulmana Seleka depôs o presidente Christian François Bozizé em Março e instalou o seu líder Michel Djotodia como presidente interino do país.

    
Isso provocou um conflito sectário, com as milícias cristãs leais a Bozizé a invadirem bairros muçulmanos e matarem cerca de 60 homens muçulmanos.

 
Após isso, os muçulmanos desencadearam ataques de retaliação, matando 1.000 pessoas em Bangui.(...)

    
"As forças do governo de-facto, conhecido como ex-Seleka, retaliaram em maior escala contra os cristãos, na sequência do ataque, matando cerca de 1.000 homens ao longo de um período de dois dias e saqueando sistematicamente casas de civis. Um pequeno número de mulheres e crianças também foram mortos", disse o relatório da Amnistia.

    
A violência também se espalhou para outras partes do país. Bossango, a 300 km ao norte de Bangui, também está deserta devido à violência religiosa no país.
    
Moradores de Bossangoa fugiram para um grande acampamento perto do escritório do arcebispo.

    
"Espontaneamente e em ondas, nos últimos dois meses, 40 mil cristãos na Bossangoa e aldeias vizinhas reuniram-se ao redor do arcebispado, amontoados em apenas quatro hectares", disse um funcionário do grupo de ajuda Acção Contra a Fome.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.