domingo, 20 de maio de 2018

O engenheiro judeu por trás do "carocha" de Hitler

"Ele foi excluído da História por causa da sua religião".
Uma exposição em Nashville destaca as contribuições de Josef Ganz e outros que foram varridos para debaixo do tapete quando foram colocados na lista negra pelo Reich.

  
Josef Ganz na década de 1960.

Quando o carro conhecido hoje como o "carocha" ("fusca" no Brasil) foi lançado há 80 anos, em 1938, foi anunciado como o “carro do povo” - volkswagen - da Alemanha nazi, e a ideia atribuída a Adolf Hitler e ao Dr. Ferdinand Porsche.
Mas especialistas dizem que os nazis omitiram uma voz judaica da história da criação: Josef Ganz, engenheiro e jornalista alemão-judeu.


O "carocha" foi originalmente chamado KdF Wagen quando foi revelado em 1938, referindo-se ao lema da Juventude Hitleriana "Kraft durch Freude", ou "Força através da Alegria".

Uma reconhecida autoridade em engenharia automóvel, Ganz desenvolveu muitos conceitos incorporados ao "carocha". Mas foi ameaçado de assassinato, forçado ao exílio e esquecido pela História, morrendo de um ataque cardíaco aos 59 anos na Austrália em 1967.
Enquanto isso, "carochas" saíram das linhas de montagem do pós-guerra até 2003, tornando-o o carro mais vendido de todos os tempos.


 O "carocha" tem sido atribuído a Adolf Hitler e ao Dr. Ferdinand Porsche.

A história de Ganz está a merecer uma maior consciencialização. Uma exposição no Lane Motor Museum, em Nashville, Tennessee, intitulada “A História de Josef Ganz: Como um Engenheiro Judeu Ajudou a Criar o Volkswagen de Hitler”, vai até 8 de Outubro.
A exposição mostra carros que influenciaram Ganz e um "carocha" do pós-guerra. Decorre paralelamente com "Violins of Hope", uma colecção de instrumentos de propriedade ou tocados por vítimas do Holocausto.


Josef Ganz, à esquerda, com o seu protótipo Maikafer - ou "Carocha de Maio" - para o fabricante de carros Adler em 1932, e o seu contemporâneo francês Paul Jaray.

A exposição de Ganz "conta uma história desconhecida", disse Rex Bennett, curador da exposição e director de educação do museu, que tem a maior colecção de carros europeus nos EUA.


Josef Ganz com o seu Standard Superior em 1935.

“O nome de Josef Ganz foi removido extensivamente e de propósito. Muito crédito foi dado a outras pessoas não pertencentes à herança judaica. Esta exposição traz à vida não apenas uma história de engenharia individual, mas alguém que merece um pouco mais de crédito, francamente, na criação do carocha da Volkswagen”, disse Bennett.
Um factor que contribuiu para o ressurgimento de Ganz é uma biografia do jornalista holandês Paul Schilperoord, “A vida extraordinária de Josef Ganz: o engenheiro judeu por trás do Volkswagen de Hitler”, publicada na Holanda em 2009.
No início daquela década, Schilperoord tomou conhecimento da vida e obra de Ganz quando leu um edição da revista Automobile Quarterly de 1980.

 

"Intrigou-me muito, que um engenheiro judeu pudesse estar por trás do sucesso da Volkswagen", disse Schilperoord, cujo site apresenta informações sobre projectos dele e de outros.

Os projectos incluem um documentário e uma tentativa de Schilperoord e de um parente de Ganz, Lorenz Schmid, para restaurar um automóvel Ganz antigo.

"Pode ver-se claramente o interesse crescente em Josef Ganz", disse Schilperoord.
“Nos últimos anos, o meu livro apareceu em muitos lugares diferentes.”

No Outono passado, Bennett encontrou o livro na biblioteca do Lane Motor Museum. Nunca ouvira falar de Ganz; o livro deixou-o “espantado e chocado”, disse.


"Ele foi excluído da História por causa da sua religião", disse Bennett. "É triste e fascinante ao mesmo tempo."
O "carro do povo" judeu
Nascido em Budapeste em 1908, Ganz tornou-se o que Schilperoord chamou uma figura central da indústria automobilística alemã no final dos anos 1920 e início dos anos 1930.
Um engenheiro mecânico, Ganz também foi editor-chefe da revista Motor-Kritik - "a revista mais influente na indústria automobilística alemã e também no exterior", disse Schilperoord. “Ele analisava carros e invenções relacionadas a carros, com muito know-how técnico. Não tinha ainda sido feito por mais ninguém.”

Prospecto do Klein-Motos-Sport, de Ganz.

A indústria automobilística alemã era dominada por carros de luxo que se tornaram impraticáveis ​​pela derrota do país na Primeira Guerra Mundial e pela subsequente depressão económica.
Ganz abordou uma questão fundamental - como criar um "carro do povo", dinâmico, eficiente em termos de combustível e "um pouco mais barato, para as massas", disse Bennett.


 Josef Ganz testando o protótipo do Ardie-Ganz Volkswagen de 1930.


"Muito do que seria apresentado pela Volkswagen, ou Josef Ganz patenteou ou defendeu fortemente na sua revista", disse Bennett.
“Um carro leve, barato e aerodinâmico com suspensão independente e eixos dinâmicos na parte traseira do carro” - ajudando o veículo a viajar por “estradas irregulares”, com cada roda capaz de suportar solavancos.


Josef Ganz em 1933.
Ganz aprendeu com os seus próprios carros - o Hanomag 2/10 PS, apelidado de “Kommisbrot” ou “pão de soldado” pela sua semelhança com as rações do exército da Primeira Guerra Mundial; e o Tatra T11, um modelo checo similar ao famoso modelo americano T de Henry Ford.
Empresas alemãs como a Adler, a Mercedes-Benz e a Standard contrataram-no como consultor para projectar protótipos, incluindo o Adler Maikafer, o May Bug e o Standard Superior.

O Hanomag 2/10 PS é um dos vários carros clássicos exibidos na exposição Josef Ganz no Lane Motor Museum, em Nashville, Tennessee. Ganz possuía um desses carros, apelidado de "Kommisbrot", pela sua semelhança com as rações de pão do exército do Kaiser na Primeira Guerra Mundial.

O Standard Superior foi lançado no Salão do Automóvel de Berlim de 1933, com a participação de Hitler, que recentemente se tornara chanceler do Reich. Ganz e Hitler "realmente não interagiam um com o outro", disse Bennett.“Ganz estava de pé ao lado do seu carro na exposição da empresa Standard. Hitler e o seu séquito visitaram a exposição.
Hitler era uma pessoa que gostava de carros - não um engenheiro de profissão Acho que ele tomou notas mentais"."Este pequeno carro particular foi bastante revolucionário", disse Schilperoord, citando os eixos dinâmicos na parte de trás, um tubo de chassis no meio e um motor montado na traseira - tudo entrou no carocha.
"Adicione-se a forma básica, uma forma aerodinâmica semelhante a um besouro, e a sua forma conceitual é muito semelhante a um Volkswagen".



Prospecto de 1932 do Ganz-Klein-Wagen.

Mas o seu criador tinha um inimigo: o oficial nazi Paul Ehrhardt, que havia trabalhado com Ganz na Motor-Kritik quando eles tiveram um desentendimento."Foi ele quem denunciou Ganz como judeu aos nazis", disse Bennett.
Ganz enfrentou acções judiciais por causa das suas muitas patentes e deixou de receber pagamento da Mercedes-Benz, da Adler e da BMW. As razões anti-semitas para isso não foram "explicitamente declaradas nos documentos, mas todos sabiam, até mesmo os seus contemporâneos não-judeus", disse Bennett. (...)
Ganz perdeu o cargo de editor-chefe da Motor-Kritik e, de acordo com o site josefganz.org, a Gestapo prendeu-o por suposta chantagem do sector.

O Tatra T11 é um dos vários carros clássicos exibidos na exposição Josef Ganz no Lane Motor Museum, em Nashville, Tennessee. Ganz possuía um desses carros.

Um carro apoiado pelos nazis

Nem todos os alemães se voltaram contra ele, disse Schilperoord. Mas Hitler estava apoiar a criação de um carro do povo e, disse Schilperoord, “o governo não queria que um engenheiro judeu estivesse lhe ligado tão de perto [com a Volkswagen]”.

"Hitler queria fazer isso", disse Bennett. “Ele escolheu alguns desenhos. Ele queria que o Dr. Porsche liderasse um carro do governo, um programa do governo. Não foi apenas apoiado financeiramente pelo governo alemão, [o governo] foi um defensor e um proponente”.


Josef Ganz num dos protótipos da Volkswagen da Suíça em 1937.

Hitler anunciou o projecto no Salão do Automóvel de Berlim de 1934. Naquele Verão, Ganz foi alvo de uma tentativa de assassinato. Ele partiu para a Suíça, cujo governo o contratou para trabalhar numa versão suíça de carro do povo. Mas Hitler e Porsche receberam o crédito pelo "carocha".
"Eles viram onde o estilo nos desenhos de Josef Ganz", disse Bennett. “E transformaram-no em outra coisa… A engenharia é um pouco diferente num carocha da Volkswagen. É um pouco maior, custa mais caro".Mas, segundo ele, o Standard Superior e o Volkswagen Beetle eram “visualmente muito semelhantes”. (...)


Hitler no "carocha".


Outros também foram deixados de fora, incluindo o contemporâneo francês de Ganz, Paul Jaray; O designer-chefe da Tatra, Hans Ledwinka; e Erwin Komenda, colega de Ganz na Mercedes, que mais tarde trabalhou com a Porsche.

Em 2014, a BBC informou que a Tatra ameaçou mover uma acção legal contra a Volkswagen por suposta violação de patentes, incluindo a de Ledwinka. Mas 1938, o ano do Volkswagen, também testemunhou o Anschluss, e de acordo com a BBC, quando os nazis anexaram a Áustria, eles marcharam até à fábrica da Tatra e impediram o público de ver os protótipos de Ledwinka.
Enquanto isso, Ganz "tinha inimigos na Alemanha tentando bloquear o trabalho que estava a fazer" na Suíça, disse Schilperoord. "Havia também algumas pessoas simpatizantes do nazismo na Suíça, tornando-lhe a vida difícil".
 

 Josef Ganz no protótipo May-Bug, 1931.


Negligenciado pela História




Em 1950, a Suíça não renovou o visto de residência de Ganz. Quando a sua namorada suíça emigrou para a Austrália, "parece que Ganz a seguiu até à Austrália para começar uma nova vida", disse Schilperoord.

Ganz continuou a trabalhar com carros, desta vez para a GM - Holden. Morreu solteiro e sem filhos.

Até então, o carro que ele ajudou a criar estava a ter sucesso como Volkswagen Beetle.


Os bombardeamentos aliados destruíram a maior parte da fábrica da Volkswagen, que produzia veículos militares durante a Segunda Guerra Mundial. Mas, segundo Bennett, os libertadores britânicos sentiram que a fábrica era promissora para a nova nação da Alemanha Ocidental se retomasse a fabricação do Carocha. "O resto é literalmente História", disse Bennett.

  
Brochura para o Standard Superior, 1933.


O primeiro "carocha" de Bennett foi uma edição de 1972 da qual só se separou há poucos anos. (...) Depois de ler o livro de Schilperoord, ele percebeu que havia mais na história.

"Não foi só o Dr. Porsche que, do nada, inventou o carro, houve muitos outros designers", disse Bennett. "Ganz foi muito influente". (...)

A exposição inclui um 1927 Hanomag 2/10 PS; um Tatra T11 (“nós temos um grande conjunto de Tatras, a maior colecção de veículos checos fora da República Checa”); um Mercedes-Benz 130H; e um "carocha" de 1956.

"O único carro que não temos", disse, "é o modelo Standard Superior exibido no Salão do Automóvel de Berlim em 1933".
 Standard Superior como exibido no Salão do Automóvel de Berlim de 1933.


Schilperoord e o parente de Ganz, Schmid, estão a restaurar o que Schilperoord chama o único sobrevivente da série original deste carro. Eles esperam concluir o restauro do original de 1933 neste Verão.

"A ideia é usá-lo para ajudar a promover a história de Josef Ganz", disse Schilperoord. “Provavelmente neste este Outono, depois de o carro estar a funcionar e restaurado, vamos levá-lo para participar em alguns eventos de carros clássicos”.

E a exposição de Nashville está a contribuir para restaurar a reputação da Ganz.

O protótipo do Mercedes-Benz 120H tipo "carocha" de 1931 com um motor montado na traseira.

"A exposição atrai pessoas interessadas em carros e que não têm ideia da verdadeira história do carocha", disse Bennett. "Nós ensinamos às pessoas algo sobre História, justiça social, política, sobre o qual elas podem não ter conhecimento".


- Traduzido por nós do artigo original do TIMES OF ISRAEL (com o correspondente pagamento de 10 biliões de sheckels por parte da Mossad, dos Iluminátes Maçónicos Judeus da Baviera, e dos Lagartos Espaciais Zionistas do Centro da Terra). 
- Algumas imagens deste site.

 ..........................................................................


COMENTÁRIO
Ora cá temos mais uma enorme maldade cometida pelos judeus: o carocha!




Boicote o carocha, amigo comunista/islamista/nazi/hippie-halal, coisa e tal, Bloco de Esquerda, Ana Bola e Salvador Sobral!

 


Visite o site JUDEUS CÉLEBRES:

  http://juifs-celebres.fr/

Mas o que deve mesmo boicotar (insistimos) são os medicamentos!

Então você quer boicotar Israel?


Um bocadinho de diversão para o seu domingão:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.