quinta-feira, 10 de maio de 2018

ISLAMONÁUSEA, e não islamofobia



Devemos parar de usar a palavra auto-escolhida pelos muçulmanos - “islamofobia” - para provocar o temor: isso destrói a comunicação. Devemos usar uma palavra mais acessível e factual que preserve as oportunidades de construção e aprendizagem de pontes: “Islamonáusea”. Isso não torna a comunicação impossível, mas permite que os hóspedes muçulmanos das nossas sociedades ocidentais compreendam os aspectos de seu comportamento que nos agoniam.
Não é de admirar que os muçulmanos usem a palavra “islamofobia” com tanta frequência. Faltando-lhes argumentos convincentes, charme ou contribuições construtivas para a sociedade, ser temido é a única maneira de ganharem pelo menos algum tipo de respeito. O termo islamofobia, medo do Islão, aponta para o que os muçulmanos querem, não para o que os não-muçulmanos sentem. Quem tem medo do Islão, afinal?
"Xenofobia", um medo irracional do que é estranho ou estranho, também não funciona. A aversão ao Islão não vem do desconhecimento da religião; na verdade, é exactamente o oposto. Não há motivo para temer ser chamado racista, já que nem o islamismo nem os muçulmanos são uma raça.
A nossa linguagem precisa de um termo que descreva o que muitas pessoas que pensam criticamente sentem sobre o Islão de acordo com os seus próprios termos, não de acordo com o que os muçulmanos desejam que sintamos ou com o que o establishment do Politicamente Correcto diagnostica, para nos assustar e permitir que mais eleitores da esquerda entrem nos nossos países. Precisamos de um termo que convide simultaneamente os muçulmanos a perceberem o que precisam mudar no seu comportamento e religião, se quiserem sair de um embaraçoso último lugar na evolução das Civilizações e ganharem algum respeito real entre a comunidade mundial.
Reacção natural
Como em muitas outras situações nauseantes, a islamonáusea é uma reacção normal e natural a algo anormal, e não o contrário.
O reflexo da náusea é inato, e é biologicamente natural e saudável sentir desconforto emocional e corporal com qualquer coisa desagradável, insalubre ou prejudicial.
Não há nada de fóbico ou racista em sentir náuseas ao ouvir sobre os massacres islâmicos realizados por Maomé e os seus muitos e devotos seguidores ao longo da História e em todo o mundo, até hoje. O mesmo vale para o relacionamento sexual de Maomé com uma menina de nove anos e o corte de membros e apedrejamentos em nome de Alá e suas leis da Sharia.
Pensando na prática epidémica de endogamia forçada dos muçulmanos (que prejudica a inteligência e aumenta o risco de doenças psiquiátricas) - muitas vezes e muitas gerações seguidas - também pode haver sentimentos desagradáveis ​​no abdómen. Também não há vergonha em sentir náuseas quando se testemunha o extremo controle social, violência e assassinatos cometidos para submeter e aterrorizar centenas de milhões das suas mulheres e impedi-las desfrutarem os seus direitos humanos de escolherem os seus próprios parceiros sexuais, roupas e estilo de vida.
Os muitos apelos ao ódio, violência e assassinato de não-muçulmanos comandados pelo impecável Alcorão são completamente repugnantes. Imaginar o auge da evolução como um califado islâmico do tamanho do planeta não é apenas um completo embaraço para a raça humana; pode também fazer com que alguém perca o apetite.
Exemplos
A palavra Islamonáusea pode ser usada para descrever um sentimento de náusea, repugnância, desprazer, desconforto ou aversão, que surge por si só quando se depara com o Islão ou com a cultura islâmica, ou seja lá o que for ou quem a represente.
Exemplos do uso da palavra: "Eu não tenho medo do Islão, eu tenho islamonáusea". “Eu não quero minaretes na minha cidade. Eles dão-me islamonáusea”. “Eles contraíram islamonáusea de todos os imigrantes muçulmanos e decidiram mudar-se para outro bairro”. “Ler o Alcorão me dá islamonáusea”. “Ele adquiriu o islamonáusea e decidiu deixar o seu emprego na prisão”. "Fico com islamonáusea quando testemunho todos esses crimes de honra". "Eu tenho islamonáusea só de pensar em comida Halal". "Eu tenho islamonáusea ao ver todos os muçulmanos aos saltos cima e para baixo,  dando tiros para o ar, tentando assustar-nos, de modo a fazerem-nos respeitar o seu comportamento infantil".
Prevalência
O primeiro uso da palavra que pude rastrear, é de 7 de Julho de 2005, num comentário no site Jihadwatch.org. Uma pessoa que se chama Sheik Canuck, escreveu um comentário a um artigo sobre a reacção positiva dos muçulmanos aos atentados suicidas em Londres nesse mesmo dia:
"Eu não tenho islamofobia, eu tenho islamonáusea, estou cansado de todos eles".
A primeira vez que ocorreu  num jornal dinamarquês foi numa carta de um leitor ao Nordjyske Stiftstidende (NDT: link retirado, ou o jornal já teria ido pelos ares) em 30 de Dezembro de 2011, intitulada "Temos náuseas".
O termo atraiu alguma atenção quando o comediante, ateu e crítico do Islão, Pat Condell, o usou num vídeo de 2009 chamado "Apologistas do mal":

 
A Islamonáusea merece o seu próprio artigo na Wikipédia. Ajude a integrar a islamonáusea nos nossos dicionários usando a palavra em blogues, em artigos e em Cartas ao Editor, e no discurso quotidiano.

Winds of Jihad


...................................................................

Relembramos: Não existem "muçulmanos moderados" e "muçulmanos radicais". Existem muçulmanos que seguem o Islão (a esmagadora maioria) e muçulmanos que, felizmente, não aplicam os mandamentos bárbaros do Islão:


Não existem assassinos moderados, violadores moderados, terroristas moderados, etc..


Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão desactivados. As nossas desculpas.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.