sábado, 18 de março de 2017

Ataque islamista no Aeroporto de Paris-Orly

ACTUALIZAÇÃO: 

"O francês de 39 anos abatido este sábado no aeroporto parisiense de Orly-Sud afirmou-se prestes a matar e a "morrer por Alá", declarou o procurador da República de Paris, François Molin.

Ziyed Bem Belgacem, já condenado por vários casos de violência, atacou a patrulha afirmando: "Pousem as vossas armas, eu estou aqui para morrer por Alá. De qualquer forma, vai haver mortos", relatou o procurador, numa conferência de imprensa.
O homem apontou a arma à cabeça da militar e usou-a para se proteger, tendo conseguido retirar-lhe a espingarda
O procurador afirmou que o homem aparentemente pretenderia abater pessoas no movimento aeroporto parisiense" (...)
 
FONTE: Jornal de Notícias

---------------------------------


O terrorista foi abatido no aeroporto de Paris Orly esta manhã após ter tentado arrebatar a arma de um soldado (ou tê-la mesmo arrebatado, pois os relatos divergem).


"Atirei contra a Polícia": mensagem de texto enviada por um extremista islâmico que disparou contra polícias antes de se apoderar de uma arma de um soldado no aeroporto de Paris Orly e ser morto, enquanto Kate e William Windsor se encontravam com vítimas francesas do terrorismo.

     . O criminoso condenado Ziyed Ben Belgacem, de 39 anos, foi abatido a tiro no terminal sul do aeroporto. 
    . Menos de duas horas antes, tinha atirado em três agentes policiais depois de ter sido mandado parar por excesso de velocidade. 
   .  As autoridades acreditam que ele foi radicalizado na prisão, e o seu pai e irmão foram detidos. 
     Testemunhas relataram ouvir "quatro ou cinco" tiros, e o aeroporto foi evacuado. 
    . Os ataques ocorreram enquanto o duque e a duquesa de Cambridge visitam a capital francesa.

O terrorista Ziyed Ben Belgacem
 
Um criminoso condenado com ligações ao islamismo radical enviou uma mensagem de texto ao irmão e ao pai afirmando "Atirei contra a Polícia", pouco antes de ter sido morto a tiro durante um ataque no aeroporto de Paris Orly.
O homem de 39 anos, conhecido localmente como criminoso de carreira, de seu nome Ziyed Ben Belgacem, foi abatido depois de ter roubado a arma de um soldado e fugir para um McDonald's.

Menos de duas horas antes, ele tinha baleado uma mulher-polícia na cabeça, num subúrbio do norte de Paris, depois de ter sido mandado parar por excesso de velocidade.

O representante do Ministério Público de Paris disse que ele era suspeito de ter ligações terroristas, e a casa dos Ben Belgacem estava sob escuta  Novembro de 2015, após os ataques que mataram 130 pessoas.


Passageiros esperam no exterior do aeroporto de Orly, que foi evacuado.

 
O homem abriu fogo contra três polícias, em Stains, no norte de Paris, às 6:55 da manhã. Fugiu num Renault Clio, que foi encontrado em Vitry-sur-Seine, onde roubou o carro de uma mulher sob ameaça de pistola. O terrorista foi morto a tiro depois de ter tentado apoderar-se da arma de um soldado no aeroporto de Orly às 8h30.




O QUE ACONTECEU EM PARIS ESTA MANHÃ? 

As autoridades francesas estabeleceram um cronograma rudimentar para o ataque de hoje no aeroporto de Orly: 

6.55 da manhã - O atacante disparou contra polícias, ferindo um na cara, quando parado para uma verificação de trânsito. Fugiu, usando uma arma para ameaçar um motorista e roubar-lhe o carro, que mais tarde foi encontrado no aeroporto de Orly.
8.30 da manhã - O homem assalta uma patrulha de três soldados, todos da Força Aérea Francesa. Atacou um soldado, uma mulher, atirou-a ao chão, e tentou apanhar-lhe a arma.

Agentes da Polícia investigaram a casa de Ziyed Ben Belgacem,o terrorista que foi hoje abatido em Paris.

Os incidentes de hoje acontecem quando o duque e a duquesa de Cambridge visitam Paris, onde se encontraram com vítimas do terrorismo. Estavam a cerca de 10 milhas do aeroporto quando o tiroteio aconteceu.
Ben Belgacem já havia sido preso por tráfico de drogas e as autoridades acreditam que ele foi radicalizado na prisão.
Foi detido pela primeira no final dos anos 90, quando estava envolvido numa série de roubos de bancos nos subúrbios de Paris.
Fontes policiais disseram que Ben Belgacem era muito próximo da sua família, e vivia com os pais e o irmão no apartamento, num bairro social em Garges-lès-Gonesse, onde foi mandado parar pela primeira vez esta manhã.
A família é francesa e tem origem tunisina. O atacante estava armado com uma espingarda quando abriu fogo contra a polícia. Fugiu num Renault Clio, que mais tarde foi encontrado em Vitry, no sul da cidade, contendo uma camisa ensanguentada.


A Polícia prepara-se para revistar a casa do terrorista. 

O ministro francês do Interior, Bruno Le Roux, disse que o homem morto a tiros no aeroporto é o mesmo que "está relacionado com o sequestro de carros" anterior. Ben Belgacem já havia cumprido pena de prisão por assalto à mão armada e tráfico de drogas, e havia sido radicalizado na prisão, relata o Le Parisien.
A polícia antiterrorista invadiu o aeroporto em busca de possíveis cúmplices e explosivos, e as autoridades alertaram o público para ficar longe.
Os voos do terminal sul foram suspensos, mas funcionários do aeroporto confirmaram esta tarde que o terminal oeste está  novamente operacional.
Os passageiros que desembarcaram em Orly foram mantidos nos aviões enquanto a operação antiterrorista foi levada a cabo.
Um porta-voz da força militar que patrulha locais públicos em França diz que o soldado atacado no aeroporto de Orly estava "chocado", mas não ferido, depois da "agressão muito violenta".

 A operação policial no aeroporto:



Três policias foram alvejados (um deles na cara) em Stains, 90 minutos antes do ataque no aeroporto:


Uma testemunha identificada apenas como Dominique disse à rede de televisão francesa BFMTV: "Os soldados apontaram para o homem, que por sua vez apontou a arma que tinha apreendido contra os dois soldados."

Este relato foi contraditado pelo ministro francês da Defesa, Jean-Yves Le Drian, que disse que a atacante atirou a mulher-soldado ao chão, mas que ela conseguiu manter a arma.

O ministro diz que os outros dois soldados abriram fogo 'para protegê-la' e ao público no aeroporto.
Outro homem disse à BFMTV que o grupo de três soldados esteve sob ameaça de arma de fogo, e que eles tentaram acalmar o homem que roubou a arma. O homem disse que então ouviu dois tiros.

A Polícia nacional francesa twittou: "Operação policial em andamento, recomendamos que evite o aeroporto."

A passageira Isabelle Raynaud disse que ela não estava autorizada a deixar o seu avião como resultado da operação.

Ela escreveu no Twitter: 'Presos no avião para # orly somos impedidos de desembarcar. Houve tiros ...'.

 Mais imagens da operação policial:






Uma fonte policial disse que o suspeito foi morto por tropas que participam da 'Operação Sentinelle', uma iniciativa de segurança que está em vigor desde 2015, e envolve cerca de 7000 soldados.

A França está actualmente em estado de emergência após uma série de ataques de agentes do Estado Islâmico/ISIS e da Al-Qaeda nos últimos dois anos.


A Polícia resgata uma sobrevivente do ataque islamista contra o Ba-Ta-Clan.

UM PAÍS SITIADO - ATAQUES TERRORISTAS EM FRANÇA NOS ÚLTIMOS DOIS ANOS: 

3 de Fevereiro de 2017 - Um homem foi alvejado cinco vezes no exterior do Museu do Louvre, no coração de Paris, após a tentativa frustrada de um ataque terrorista contra o Museu.
14 de Julho de 2016 - No meio das comemorações do Dia da Bastilha, na cidade de Nice, na Riviera, um camião foi atirado para a multidão que festejava. Cerca de 86 pessoas de diversos países foram mortas. O motorista foi morto a tiros. Os extremistas islâmicos reivindicaram o ataque. O estado de emergência em França foi alargado, incluindo barreiras robustas para prevenir ataques semelhantes, foram instaladas em vários locais em França.
13 de Junho de 2016 - Dois polícias franceses foram assassinados em sua casa na frente do seu filho de 3 anos. O Estado Islâmico/ISIS reivindicou a responsabilidade pelo assassinato, que foi realizado por um jihadista anteriormente condenado por terrorismo. O assassino foi morto pela polícia na cena do crime.
13 de Novembro de 2015 - Militantes islâmicos mataram 130 pessoas na pior atrocidade ocorrida em França desde a Segunda Guerra Mundial. Uma série de atentados suicidas com bombas e tiroteio foram lançados em locais lotados no centro de Paris, bem como no subúrbio norte de Saint-Denis. A maioria das mortes ocorreu num teatro lotado onde os reféns foram tomados. Os extremistas islâmicos reivindicaram a responsabilidade e dizem que foi em represália pela participação francesa em ataques aéreos sobre as posições do grupo militante na Síria e no Iraque. Este ataque levou à declaração de um estado de emergência em França. Os poderes da Polícia foram expandidos.
Imagens dos ataques de 13 de Novembro de 2015:

7 de Janeiro de 2015 - Dois irmãos mataram 11 pessoas dentro de um prédio de Paris, onde a revista satírica Charlie Hebdo está sediada, no que os extremistas do Estado Islâmico/ISIS, alegam foi retaliação pela publicação de caricaturas sobre o Profeta Maomé. Mais pessoas foram assassinadas em seguida, em ataques numa mercearia kosher em Paris oriental e contra a Polícia. Houve 17 vítimas, incluindo dois polícias. Os atacantes foram mortos.

- Traduzido e condensado do Daily Mail Online

Nota: Este lista de ataques terroristas está muito incompleta. Veja:

Comentário ao ataque terrorista no Aeroporto de Paris-Orly



O terrorismo islâmico varre o Mundo, e os idiotas exigem que acolhamos mais islamistas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.