domingo, 31 de dezembro de 2017

Suécia: Gangue maometano estupra e incendeia vagina de menor


Gangue maometano de estupradores de crianças no Reino Unido *.

A jihad do estupro, e a jihad do estupro na Suécia, estão longe de ser novidade. Estão tão popularizadas que até desistimos de falar nestas coisas. Fizemos alguns posts (ver abaixo), mas hoje em dia é "racista" dizer-se a verdade, e as pessoas preferem enfiar  a cabeça na areia:

"As mulheres brancas só são boas para uma coisa: para homens como eu f *** e usarem como lixo

* - A Epidemia dos Gangues de Estupro Islâmicos - para os incrédulos

Violação de crianças é "parte da nossa cultura" diz pregador islâmico na Dinamarca 
Etc....
O que o caso de hoje tem de novo é que, pela primeira vez após uma vaga de estupro, os suecos foram para a rua não para cumprimentar os estupradores, não para lhes agradecer e pedir para estuprarem ainda mais **, mas para dizer BASTA!

E os homens (?) suecos desta vez nem optaram pela brilhante iniciativa de vestirem saias! Na imagem de cima, a Polícia na Suécia socialista de hoje...
** -  Feministas pedem: “Não nos protejam dos estupradores islâmicos!”

Europeus PEDEM literalmente aos colonos maometanos para ESTUPRAREM as suas mulheres e crianças:


O que este caso teve de inovador foi que trouxe finalmente algumas centenas de suecos para rua para protestarem contra a jihad sexual - ver Pamella Geller.

 Alguns suecos atreveram-se a protestar!

Num mês, a polícia da cidade sueca de Malmö recebeu quatro relatos de estupros e tortura por gangues maometanos. Agora, os cidadãos foram avisados ​​para não saírem sozinhos à noite.

- "Esses predadores visam mulheres que andam sozinhas na rua. Eu quero dizer que se deve ter um cuidado extra e que não andem sozinhas, mas sim em grupos" - disse Anders Nilsson da Polícia de Malmö à SVT.

Na noite de sábado, a polícia de Malmö recebeu mais um relatório de uma vitima de estupro por um gangue. Desta vez, foi uma menina menor que foi estuprada e torturada por vários homens num campo de jogos no distrito de Sofielund.

- "O assalto contra a menor indica um tipo especial de crueldade e abuso", disse Nilsson.

Entre outros suplícios, derramaram combustível na vagina da garota e incendiaram-no.
Via SPEISA e Voice of Europe.


Na Suécia, 82% dos condenados por estupro em grupo são "migrantes". É o caso deste estuprador maometano do Afeganistão, de 41 anos, que entrou na Europa como "refugiado sírio" e que obrigava as meninas a chamarem-lhe "papá bonzinho" enquanto as estuprava Voice of Europe
O site Voice of Europe possui (tal como muitos outros) uma base de dados sobre a Jihad Sexual em curso na Europa.

Neste vídeo, um grupo de colonos estupradores maometanos gaba-se ter violado em grupo uma menina alemã (que era virgem,  dizem os bárbaros, divertidos) e de a terem coberto de sémen e lixo:



Consulte as nossas secções:

Visite os canais YouTube e os sites:

 

Festim de estupro maometano na Europa:



Estes bárbaros chegam de sociedades onde as mulheres (sobretudo as "infiéis") apenas servem para escravas sexuais, e dão largas aos seus instintos primitivos, pois sabem que cá ninguém lhes vai à mão, pois são considerados quase deuses.
Em resposta, as cidades europeias, para além das habituais medidas anti-terrorismo, criaram "zonas seguras" para as mulheres se abrigarem dos estupradores maometanos.


"Eles não são perigosos! Eles estão em perigo! Bem-Vindos, refugiados!"- dizem as pessoas evoluídas.

(Nós somos mesmo uns porcos reaccionários! Até ficamos indignados quando os sacrossantos maometanos estupram as nossas crianças e lhes incendeiam os genitais! Criminalizar o piropo - como quer o Bloco de Esquerda - é que é moderno!)

2 comentários:

  1. Os gays e as feministas são culpados, pois, eles incentivam esses migrantes islâmicos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As feministas suecas pedem expressamente para serem estupradas pelos maometanos.

      Eliminar

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.