quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Áustria: novo governo para resistir à islamização


Análise: o novo governo da Áustria promete resistir à "islamização"

Uma coligação entre dois partidos austríacos está preparada para catapultar o país para a vanguarda da resistência da Europa Ocidental à imigração muçulmana em massa.

Por: Soeren Kern, The Gatestone Institute

O Partido do Povo austríaco, anti-imigração, e o Partido da Liberdade austríaco, anti-sistema, chegaram a um acordo, criando uma nova coligação para governar a Áustria nos próximos cinco anos. A aliança política inovadora está preparada para catapultar a Áustria para a vanguarda da resistência da Europa Ocidental à migração em massa do mundo muçulmano.

O chanceler eleito Sebastian Kurz, de 31 anos, que venceu as eleições nacionais da Áustria no dia 15 de Outubro, depois de fazer campanha contra a imigração ilegal, governará com Heinz-Christian Strache, 48 anos, líder do Partido da Liberdade, que advertiu que a migração em massa está a "islamizar" a Áustria. Sob o acordo, Strache tornar-se-á o vice-chanceler; o Partido da Liberdade também assumirá o controle dos ministérios da Defesa, do Interior e dos Negócios Estrangeiros.

Kurz tem sido um forte crítico da política de migração da chanceler alemã Angela Merkel, que permitiu que mais de um milhão de migrantes, principalmente africanos, da Ásia e do Médio Oriente, entrassem no país nos últimos dois anos.

Durante o seu tempo como ministro dos Negócios Estrangeiros, Kurz foi fundamental para obter a aprovação parlamentar de uma nova e revolucionária lei que regula a integração dos imigrantes. A chamada Lei de Integração - que proíbe os véus muçulmanos em espaços públicos e proíbe os radicais islâmicos de distribuir o Alcorão - estabelece regras e responsabilidades claras para requerentes de asilo reconhecidos e refugiados que recebem residência legal no país.

A nova lei exige que os imigrantes de países não comunitários assinem um "contrato de integração" que os obrigue a aprender Alemão escrito e falado e a inscreverem-se em cursos sobre os "valores básicos da ordem jurídica e social da Áustria". Os imigrantes também são obrigados a "adquirir conhecimento da ordem democrática e dos princípios básicos derivados dela".

Anteriormente, Kurz foi fundamental para reformar a lei islâmica da Áustria (Islamicgesetz), que regula o estatuto dos muçulmanos no país. A nova lei, aprovada em Fevereiro de 2015, visa integrar os muçulmanos e combater o radicalismo islâmico promovendo um "Islão com um carácter austríaco". Também enfatiza que a lei austríaca deve prevalecer sobre a lei islâmica da Sharia para os muçulmanos que vivem no país.


Mudança demográfica na Áustria


A população muçulmana da Áustria já ultrapassa as 700.000 pessoas (aproximadamente  8% da população total), acima das cerca de 340.000 (4.2%) em 2001 e 150.000 (2%) em 1990, segundo os dados compilados pela Universidade de Viena.

A enorme mudança demográfica e religiosa em curso na Áustria, tradicionalmente um país católico romano, parece irreversível. Em Viena, onde a população muçulmana agora ultrapassa 12,5%, os estudantes muçulmanos já superam em número os estudantes católicos nas escolas do ensino médio e secundário. Estudantes muçulmanos também estão à beira de ultrapassar os católicos nas escolas primárias vienenses.

Ao mesmo tempo, a Áustria emergiu como uma base importante para o Islão radical. A Agência de Protecção do Estado e Contra-Terrorismo (BVT) da Áustria alertou para a "explosão da radicalização salafista na Áustria". O salafismo é uma ideologia anti-ocidental que busca impor a lei islâmica da Sharia.

"A imigração verificada nos últimos anos não está a mudar o nosso país de forma positiva, mas sim negativa", disse Kurz, que fez campanha numa plataforma de "lei e ordem"

"A imigração descontrolada destrói a ordem num país".


Denunciando o anti-semitismo


Strache, um partidário de Israel que distanciou o seu partido da rectórica da extrema- direita austríaca, insiste que o anti-semitismo não tem lugar no seu partido e pediu uma frente comum contra os islamistas. Ele também prometeu "garantir que os boicotes [contra produtos israelitas] sejam retirados da agenda".

Durante uma visita em Abril de 2016 ao memorial do Holocausto Yad Vashem em Jerusalém, a convite do convite do partido Likud do primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu, Strache disse:

"Para nós, é importante agir contra o anti-semitismo, e também contra o islamismo e o terrorismo, e discutir os problemas que temos em comum. O anti-semitismo geralmente surge do islamismo e da esquerda.


"Temos muito em comum [com Israel]. Eu digo sempre, se alguém define o Ocidente Judeo-Cristão, então Israel representa uma espécie de fronteira. Se Israel falhar, a Europa falha. E se a Europa falhar, Israel falha".

Strache chamou a Merkel  "a mulher mais perigosa na Europa" por causa das suas políticas de migração, e disse repetidamente  que o Islão "não é parte" da Áustria. 

Strache também advertiu que o "influxo descontrolado de migrantes que são estranhos à nossa cultura, que se infiltram no nosso sistema de previdência social, torna a guerra civil a médio prazo inevitável".

Um eurocéptico, Strache chamou à União Europeia um "monstro burocrático" e disse que a Grã-Bretanha "provavelmente ficará melhor após o Brexit".



A política de Merkel é 'grosseiramente negligente'


Por insistência de Strache, Karin Kneissl, especialista independente do Médio Oriente que fala oito línguas, incluindo Árabe e Hebraico, será a nova ministra dos Negócios Estrangeiros da Áustria. Kneissl tem sido uma crítica vocal do presidente da Comissão da UE, Jean-Claude Juncker, que ela tem como "o César de Bruxelas". Ela também criticou a política de migrantes da Merkel como "negligente demais".

Kneissl denuncia que a maioria dos "refugiados" que chegam à Europa são predominantemente jovens de 20 a 30 anos que são "migrantes económicos controlados pela testosterona"

Numa entrevista na Televisão austríaca, Kneissl disse que uma das principais razões para as revoltas no mundo árabe foram "muitos jovens árabes não poderem encontrar uma esposa, porque não têm trabalho nem a sua própria casa e, portanto, não podem alcançar o estatuto de homem numa sociedade tradicionalista".

O presidente do Partido da Liberdade, Herbert Kickl, redactor de discursos para o líder do partido, Jörg Haider, e confidente de Strache, será ministro do Interior, uma posição-chave para a segurança doméstica e o controle das fronteiras, enquanto Mario Kunasek, um soldado profissional, dirigirá o Ministério da Defesa . Dos 16 futuros ministros do governo, apenas Kurz possui experiência no gabinete.


Rejeitar as políticas de migração da UE


Um documento de 180 páginas explica a agenda do novo governo até 2022. E promete reprimir o islamismo político; acabar com a imigração ilegal; acelerar as decisões de asilo e patrocinar uma cúpula da UE sobre imigração quando a Áustria ocupar a presidência da UE no segundo semestre de 2018.

O documento também promete dar aos austríacos mais oportunidades de votar em referendos - embora se recuse explicitamente a permitir um referendo sobre a continuidade da adesão do país à União Europeia.

Ao mesmo tempo, no entanto, o documento promete um forte compromisso com a União Europeia: "Somente numa Europa forte pode haver uma Áustria forte na qual possamos aproveitar as oportunidades do século XXI".

Alguns observadores disseram que o compromisso manifestado por Kurz com a União Europeia visava acalmar as preocupações na Europa sobre os objectivos da política euro-céptica e anti-islamização do Partido da Liberdade. Outros acham que Kurz é um pragmático "que é anti-sistema e pró-sistema ao mesmo tempo".

No entanto, Kurz prometeu rejeitar a quota de migrantes obrigatória da União Europeia.  

"Vou trabalhar para mudar essa política de refugiados errónea", disse ele. 

"Sem a protecção adequada das fronteiras externas da UE, não resolveremos o problema da migração ilegal".




- Soeren Kern é um membro sénior do Instituto Gatestone, com sede em Nova Iorque.



----------------------------

COMENTÁRIO

Há 4 séculos, a investida maometana também caiu às Portas de Viena. Finalmente, Europa Ocidental elege um governo que não receia nomear o inimigo. Excelente!


Aventureiros, parasitas e terroristas.
Áustria: 90% dos muçulmanos na Áustria vivem de subsídios

Os jornalistas, profundamente contrariados, apelidam de "radicais de extrema-direita" (quando não de "nazis")  todos os que se opõem à jihad e à invasão maometana.

5 a 6 mil extrema-esquerdistas hippies-halal (possivelmente pagos pelo nazi George Soros) manifestaram-se  contra tomada de posse do novo governo, democraticamente eleito.

Numa altura em que os maometanos e os comunistas tomam as ruas da Europa e da América para exigirem abertamente a morte de todos os judeus, e em que os ataques contra judeus se multiplicam, eles vêm expressar a sua preocupação... com o anti-semitismo neste governo austríaco!
Já tínhamos assistido a esta hipocrisia quando a AfD entrou no Parlamento alemão:

AfD é anti-semita?

A Afd tem lá anti-semitas. Estes dois partidos austríacos também. Mas quer a AfD quer estes dois partidos, são os menos anti-semitas dos respectivos países.
Também cá em Portugal, os partidos bem comportados gostam de acusar  o PNR de anti-semitismo. No entanto, bem vistas as coisas, esse é bem capaz de ser o partido português com menos gente afectada por essa doença mental. Ainda agora se viu que o mal alastra na Assembleia da República, onde TODOS os partidos votaram contra o reconhecimento da Jerusalém como capital de Israel.

Parlamento austríaco foi invadido pelo senso-comum:

  

Maometano somali invade teatro infantil para pregar o Corão:

  

Esquerdista ataca concerto tradicional e leva nas lonas:

  

Colonos maometanos na Áustria têm ordens dos jihadistas para atacarem os cidadãos nativos e imporem o Islão:

  


Maometanos e comunistas protestam contra a proibição do véu islâmico:



Cidadãos protestam contra a islamização da Áustria:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.