segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Historiador “palestino”: "Nunca existiu um povo palestino"




Em vez de aceitar a História e viver com ela, o líder "palestino" Abbas escolheu inventar factos, perpetuando a guerra "palestina" contra a existência de Israel. 
O chefe da "Autoridade Palestina" (AP), Mahmoud Abbas, publicou um artigo no Guardian do Reino Unido para marcar o 100º aniversário da Declaração de Balfour, no qual desconsiderou os factos históricos e apresentou uma versão revisionista dos eventos.    
A Declaração de Balfour, de 2 de Novembro de 1917, foi uma carta do Ministro dos Negócios Estrangeiros britânico Arthur Balfour ao Barão Rothschild afirmando que "o governo de Sua Majestade vê com agrado o estabelecimento na Palestina de uma casa nacional para o povo judeu"
Em 1922, a Liga das Nações adoptou essa resolução e tornou o Mandato Britânico "responsável pela execução da declaração", o que levou à votação das Nações Unidas em 1947 e ao estabelecimento do Estado de Israel em 1948.



O governo do Império Otomano na Terra de Israel, bem como na maior parte do Médio Oriente, começou em 1512 e durou mais de 400 anos. Nunca houve uma entidade "palestina" na região. No entanto, Abbas, depois de verberar Lord Arthur Balfour por prometer "uma terra que não era sua para prometer", passou a descrever o povo palestino como "uma nação orgulhosa com uma rica herança de civilizações antigas e o berço das crenças Abraâmicas"
Contrariando o revisionismo histórico de Abbas, apenas um dia antes, a TV oficial da AP transmitiu uma entrevista com o historiador Abd Al-Ghani Salameh, que explicou que em 1917, na época da Declaração Balfour, não havia “palestinos”
"Sempre houve uma luta histórica sobre a Palestina, e muitos queriam governá-la. Como é que as aspirações de governar afectam a existência palestina, as opções dos palestinos e as possibilidades de desenvolvimento dos palestinos?", perguntou o anfitrião do programa a Salameh durante uma transmissão especial dedicada ao aniversário do centenário da Declaração de Balfour. 
"Antes da Promessa de Balfour (isto é, da Declaração), quando o domínio Otomano terminou (em 1917), as fronteiras políticas da Palestina como as conhecemos hoje não existiam, e não havia nada chamado povo palestino com uma identidade política como conhecemos hoje" disse Salameh na televisão “palestina”, de acordo com o Palestinian Media Watch (PMW), uma organização que monitoriza o incitamento “palestino”.
Salameh explicou que "as linhas de divisão administrativa da Palestina se estendiam de leste a oeste e incluíam Jordânia e o sul do Líbano, e que todos os povos da região [os palestinos] foram libertados do domínio turco e imediatamente mudaram para o domínio colonial, sem formar um povo ou uma identidade política palestina"

Confira os factos históricos

No seu artigo no The Guardian, Abbas continuou a fazer revisionismo histórico, afirmando que tinha 13 anos "no momento da expulsão de Safed". Isso contradiz as próprias palavras de Abbas em 2013, quando admitiu na televisão da AP que os moradores de Safed não foram expulsos, mas deixaram Israel em 1948 por iniciativa própria.    
"O Exército de Libertação [árabe] retirou-se da cidade [Safed em 1948], fazendo com que as pessoas [árabes] começassem a emigrar. Em Safed, assim como em Hebron, as pessoas temiam que os judeus se vingassem do massacre [árabe] [dos judeus] em 1929. 
O massacre de 1929 foi mais severo em Safed e Hebron. O povo (de Safed, em 1948) foi dominado pelo medo e isso causou que as pessoas saíssem da cidade de forma desordenada ".
As Forças de Defesa de Israel não se vingaram do hediondo massacre de 1929, no qual 67 judeus foram mortos em Hebron e 18 em Safed. 

100 anos de rejeição árabe 

Ao longo do século 20, os líderes árabes rejeitaram os direitos dos judeus, promoveram uma visão de mundo exclusivista de que a terra pertence apenas a eles e encorajaram ataques violentos contra a população judaica.
Esta rejeição da reivindicação legítima e internacionalmente reconhecida do povo judeu a uma pátria nacional na Terra Santa é a causa do conflito árabe-israelita
"É o fio que liga todas as guerras, todas as atrocidades, toda a manobra diplomática e todos os actos terroristas iniciados pelo lado árabe, de 1917 até hoje", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel. 
"Mesmo agora, os “palestinos”, em vez de educarem as novas gerações para construírem um futuro de paz, continuam a tentar voltar atrás no tempo, re-litigar, negar e rejeitar a aceitação mundial da justiça da reivindicação do povo judeu” – completou o ex-ministro.
Abbas anunciou na Cimeira da Liga Árabe de Julho de 2016 a sua intenção de processar a Grã-Bretanha pela emissão da Declaração de Balfour. 
A rejeição dos próprios líderes “palestinos” da Declaração de Balfour reflecte a negação consistente de qualquer direito do povo judeu à sua terra natal e, assim, afasta a paz.
A veemente oposição à Declaração de Balfour permaneceu enraizada na visão anti-histórica de que os judeus são estrangeiros na sua Terra e na falsa suposição de que eles não têm conexão com a Terra e nenhum direito de qualquer tipo a viver lá. Esta atitude de exclusivismo árabe continua a conduzir o conflito árabe-israelita até hoje. 
Por: United with Israel (Com arquivos da PMW)







Desmontando o mito da Palestina Árabe
Os "palestinos" são conhecidos por fazerem afirmações ridículas de serem um povo antigo que remonta a milhares de anos. Existe alguma verdade nas suas reivindicações?



Este vídeo vai ao fundo do mito palestino que ganhou crescente credibilidade na arena internacional.

Ele determina de onde o termo "Palestina" veio e quando apareceu pela primeira vez.

Responde à questão de porque é que um grupo de pessoas sem ligação histórica ou étnica comum perpetuou um mito que tomou uma vida própria e lhe proporcionou uma grande legitimidade, aos olhos do mundo, na sua guerra contra Israel.

Não perca este vídeo educacional sobre o povo "palestino", um mito mantido pelo anti-semitismo:



QUESTIONÁRIO "PALESTINO"

    1. Quando é que o país foi fundado e por quem? 
    2. Quais eram as suas fronteiras? 
    3. Qual era a sua capital? 
    4. Quais eram as suas cidades mais importantes? 
    5. Quais eram as bases da sua economia? 
    6. Qual era a sua forma de governo? 
    7. Pode citar pelo menos um líder palestino antes de Arafat? 
    8. A Palestina alguma vez foi reconhecida como um país cuja existência, então ou agora, não deixasse margem a interpretação? 
    9. Qual era a língua da Palestina?
    10. Qual era a religião predominante da Palestina?
    11. Qual era o nome da sua moeda? Escolha uma data qualquer na História e diga qual era a taxa de câmbio da moeda palestiniana em relação ao dólar dos EUA, ao marco alemão, à libra esterlina, ao iene japonês ou ao yuan chinês na referida data.
    12. E, finalmente, dado que este país não existe actualmente, que é que causou o seu desaparecimento e quando é que ocorreu? Você que lamenta o "afundamento" de uma orgulhosa e nobre nação", diga s.f.f, quando exactamente é que essa "nação" era orgulhosa e nobre?





 


EXPLORE AS NOSSAS SECÇÕES


Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.