segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Presidente checo ridiculariza "cobardes" europeus pela postura perante Jerusalém


NOTA: a "polémica" declaração de Trump não é nada de novo. Nem é "polémica".

- Também em ESPANHOL:
"A União Europeia, esses cobardes, estão a fazer tudo o que podem para que um movimento terrorista pró-‘palestino’ possa ter supremacia sobre um movimento pró-israelita", disse o presidente checo Zeman. 
O presidente checo, Milos Zeman, acusou os países da União Europeia (UE) de serem "cobardes" na sua resposta ao reconhecimento histórico do presidente Donald Trump de Jerusalém como capital de Israel. 
"A União Europeia, esses cobardes, estão a fazer tudo o que podem para que um movimento terrorista pró-‘palestino’ possa ter supremacia sobre um movimento pró-israelita", disse Zeman, de acordo com a AFP. 
Zeman disse esta sexta-feira que estava feliz com o anúncio de Trump e que ele próprio se manifestou a favor de que Praga mude a embaixada checa de Tel-Aviv para Jerusalém, numa visita há quatro anos. 
Trump reconheceu Jerusalém como a capital de Israel na quarta-feira, uma decisão que enraiveceu os “palestinos”, mas que foi saudada como histórica por Israel. 
A maioria dos países europeus expressou a sua oposição ao anúncio do Trump, e a chefe diplomática da UE, Federica Mogherini, alertou na quinta-feira que a decisão de Trump teve um "impacto potencial muito preocupante e pode levar a região para tempos mais escuros do que os que já vivemos"
Mogherini acrescentou que "as aspirações de ambas as partes devem ser cumpridas e uma maneira deve ser encontrada através de negociações para resolver o status de Jerusalém como a futura capital de ambos os Estados".

NDT: O que diria a italiana Federica  Mogherini se os israelitas lhe ordenassem que dividisse Roma com os colonos muçulmanos? É tão fácil mandar em casa alheia, desde que essa casa seja a pequenina casa dos judeus...
Os muçulmanos não pretendem dividir coisa nenhuma. Pretendem, desde sempre, obliterar Israel e extinguir os judeus. As "negociações de paz" sempre foram apenas e só manobras de diversão para entreter o Mundo, enquanto o terrorismo prossegue, inalterável:


Porque não existe um Estado "Palestino"?


A República Checa reconheceu na quarta-feira Jerusalém ocidental como a capital de Israel, seguindo as mudanças de política de Trump na cidade. De acordo com uma declaração publicada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da República Checa, o país "actualmente, antes da assinatura da paz entre Israel e a 'Palestina', reconhece que Jerusalém é, de facto, a capital de Israel, nas fronteiras da linha de demarcação a partir de 1967"
Israel tem a soberania do oeste de Jerusalém desde a Guerra de Independência de 1948 e o Estado judeu reunificou a cidade após a Guerra dos Seis Dias de 1967.
A República Checa acrescentou que, "juntamente com outros Estados membros da UE, seguindo as conclusões do Conselho de Assuntos Externos da UE", considera "que Jerusalém é a futura capital dos dois Estados, ou seja, o Estado de Israel e o futuro Estado da 'Palestina'"
Os checos romperam as fileiras com os membros da UE que defendem uma política de não reconhecer Jerusalém como a capital do Estado judeu sem um acordo de status final entre Israel e os "palestinos". No entanto, o anúncio checo diferiu da mudança de política dos EUA, na medida em que a República Checa condicionou a deslocalização da sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém com os resultados das negociações israelo-"palestinas", enquanto Trump expressou a intenção incondicional de mover a embaixada americana, embora não imediatamente. 
A iniciativa do governo checo sobre Jerusalém segue a aprovação da legislação do Parlamento checo em Maio que reconhece Jerusalém como a capital de Israel. Em Abril, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia tomou uma iniciativa semelhante, reconhecendo "Jerusalém ocidental" como a capital israelita.  

- Hiperligações no artigo original.

----------------------------------------------


Se amanhã desaparecessem os judeus e Israel, o Mundo Ocidental perderia a sua obsessão mais querida e o seu bode expiatório preferido, 5 vezes milenar...

"Eichmann: O quê, que não devemos odiar os Israelitas? 
Heydrich: Não, mas que não devemos preencher tanto as nossas vidas com esse ódio, que, quando eles desaparecerem, não tenhamos mais nada por que viver."

Daqui.

O verdadeiro problema dos Árabes (e não só...)




Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.