sexta-feira, 26 de maio de 2017

28 cristãos assassinados no Egipto (começou o Ramadão...)

Nós avisámos... No início de mais um Ramadão, o terrorismo islâmico diário intensifica-se.

Ilustração que afixámos na barra lateral a avisar da desgraça que se repete todos os anos, todos os Ramadões. Islão: 270 milhões de mortos desde o século 7. 30891 ataques contabilizados desde o 11 de Setembro e até este momento.
Entre outros massacres, hoje foram assassinados 28 cristãos coptas, no Egipto:


Mentalidade islâmica - muçulmanos festejam em transe maléfico o assassinato dos cristãos coptas, a franja de verdadeiros egípcios, dos egípcios descendentes dos da Antiguidade, e que escaparam ao habitual genocídio islâmico (270 milhões de mortos e a somar):



28 MORTOS, INCLUINDO CRIANÇAS, EM ATAQUE TERRORISTA CONTRA CRISTÃOS NO EGIPTO  

Netanyahu pediu novamente um esforço global unificado para combater o terror islâmico depois que um ataque contra cristãos no Egipto ceifar pelo menos 28 vidas, incluindo crianças. 
Os terroristas mascarados chegaram em três SUVs e abriram fogo na sexta-feira contra um camião cheio de cristãos coptas, incluindo crianças, ao sul da capital egípcia, matando pelo menos 28 pessoas e ferindo 22, disse o Ministério do Interior. 
Nenhum grupo reivindicou imediatamente a responsabilidade pelo ataque, o quarto para os cristãos de alvo desde Dezembro, mas o ataque tem as características do grupo Estado Islâmico (ISIS). O ataque ocorreu na véspera do início do mês sagrado muçulmano do Ramadão.
Israel condenou fortemente o ataque e enviou condolências ao presidente el-Sisi e ao povo egípcio.
"Não há diferença entre o terror do ataque no Egipto e o de ataques em outros países. O terror será derrotado mais rapidamente se todos os países trabalharem juntos contra ele", disse um porta-voz do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.
O assalto aconteceu quando o autocarro seguia por uma estrada secundária no deserto que conduz ao mosteiro remoto de São Samuel, aproximadamente 220 quilómetros ao sul de Cairo, onde os cristãos são mais de 35 % da população, a proporção mais elevada em qualquer província egípcia.
Autoridades de segurança citaram testemunhas dizendo que viram entre oito e dez atacantes vestidos com uniformes militares e usando máscaras. As vítimas estavam a caminho da província vizinha de Beni Suef para visitar o mosteiro.
Autoridades médicas e de segurança, que falam sob condição de anonimato porque não estavam autorizadas a conversar com repórteres, disseram que o número de mortos era de 28, mas temiam que ele pudesse aumentar. Segundo o portal de notícias Copts United, apenas três crianças sobreviveram ao ataque. Não se soube de imediato quantas vítimas eram crianças.
Estações de TV árabes mostraram imagens de um autocarro danificado numa estrada, com muitas das janelas quebradas e com numerosos buracos de bala. Imagens do interior do autocarro mostram manchas de sangue nos assentos e vidro quebrado.
Ambulâncias são vistas estacionadas ao redor do autocarro e corpos deitados no chão, cobertos com folhas de plástico preto. Outro vídeo pretendia mostrar cerca de 10 corpos de homens adultos deitados na areia do lado da estrada, com poças de sangue ao redor. As crianças, que gritavam histericamente, podiam ser ouvidas no fundo.
O aumento dos ataques dirigidos aos cristãos no Egipto aumentou os desafios enfrentados pelo governo do presidente Abdel Fattah al-Sissi, na medida em que luta para conter a insurgência, enquanto promove um programa de reformas ambicioso e politicamente sensível para reanimar a economia do país.
Não houve uma palavra imediata do governo sobre como pretende impedir que ataques similares ocorram, mas é provável que aumente a segurança em torno de igrejas, mosteiros, escolas e peregrinações anuais para locais cristãos remotos em todo o país.
Na quarta-feira, o Egipto bloqueou o acesso a quase duas dezenas de sites que diziam serem simpáticos aos terroristas ou espalhar a sua ideologia.
"O crescente número destes ataques terroristas não é nada reconfortante", disse o padre Rafic Greiche, porta-voz da Igreja Católica egípcia, numa estação de televisão local.
El-Sissi convocou uma reunião com altos assessores para discutir o ataque de sexta-feira. No mês passado, ele declarou o estado de emergência de três meses após dois atentados suicidas com bombas que atingiram duas igrejas ao norte do Cairo, no Domingo de Ramos.

Abram alas para o Ramadão!
O mês do jejum e das explosões chegou.
Os dias mais sagrados do Islão são também a época do ano em que The Religion of Peace acompanha e compara o terrorismo em nome de cada religião. O resultado, a cada ano, é sempre, milhares de mortos e feridos em nome do Islão e ZERO em nome de qualquer outra religião. Islamofobia!!! Islamofobia!!! Islamofobia!!! Islamofobia!!!


P.S. - Professor Martelo, está suficientemente "fascinado" e "inspirado"? Xeque Cotoveladas, isto nada tem a ver com o Islão, certo? É capaz de negar UM só dos seus mandamentos?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.