segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Soldados hesitaram em atirar no terrorista, temendo repercussões legais


Ontem, mais um muçulmano atirou um camião para cima de uma multidão e esmagou vários inocentes, matando uns e deixando outros estropiados. Mas calma! Não foram bem pessoas, foram só uns judeuzecos. Eles já estão habituados.
Além do mais, toda a gente sabe que  os israelitas é que são maus, e os colonos muçulmanos que os matam, é que são as "vítimas". Não faz sentido? Claro que não. O ódio aos judeus nunca fez sentido, não tem razão lógica.

Confira os posts anteriores, sff: 
Israelitas esmagados por terrorista islâmico. Jornalistas culpam camião.

Terrorista mata em Jerusalém. Jornalistas culpam camião.



Aqui vai uma notícia do World Israel News, que traduzimos para si:
Soldados hesitaram em atirar no terrorista, temendo repercussões legais, alega uma testemunha 
Um guia turístico que testemunhou o ataque terrorista no domingo, disse que soldados no local hesitaram em disparar, temendo que pudessem ser acusados ​​de assassinato. 
O atentado terrorista de domingo em Jerusalém, que custou a vida de quatro jovens israelitas e feriu cerca de 15 outros, poderia ter sido menos mortal se os militares no local não tivessem receio de receber o mesmo destino do soldado do IDF, Elor Azaria, condenado por homicídio culposo na semana passada, por ter atirado contra um terrorista. 
 
Elor Azaria, condenado por ter atirado contra um terrorista islâmico. Israel, o "mau da fita", solta terroristas islâmicos aos milhares* como prova de boa-vontade, e prende os seus filhos por atirarem num terrorista. 
"Houve um atraso na abertura do fogo", disse Eitan Rond, um guia turístico que conduzia um grupo de jovens israelitas e que ficou levemente ferido, à Rádio do Exército de Israel. "Não tenho dúvidas de que o caso Azaria foi um factor significativo".  
"Dói-me dizer isto", ele continuou, "mas alguns dos ferimentos mais graves foram causados ​​quando o camião retrocedeu. Alguns segundos menos de hesitação e talvez a situação tivesse sido menos grave"
Os soldados sentiram-se compelidos a "demorar", sem saber se a situação teria justificado a morte do terrorista, disse o guia. Na visão de Rond, a "demora" saiu muito cara. 
Por: Jonathan BenedekWorld Israel News

 



* - Israel solta terroristas como este demónio em figura de gente que se regozija de ter assassinado 8 crianças israelitas, na matança da pizzaria Sbarro: 

O vídeo do massacre de ontem:



Israel, por favor: corre com os colonos terroristas todos da tua pequenina terra. Pior não ficas. Quem te odeia não odiará mais.

2 comentários:

  1. Quando até mesmo os soldados têm medo das represálias do politicamente correcto, estamos conversados...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, caro amigo. É a loucura. No Reino Unido, por exemplo, a Polícia deixou os muçulmanos estuprarem mais de 1 milhão de crianças numa década, com receio do apodo de "racistas". Só os muçulmanos têm direitos. E que "direitos"... :-(

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.