sexta-feira, 29 de novembro de 2013

A Al-Qaeda vai à Escola

O Público fala hoje sobre o sofrimento das crianças sírias. E há mais - a doutrinação no ódio. Terroristas da Al-Qaeda vão às escolas sírias e pregam a humilhação e o assassínio dos não muçulmanos e dos grupos muçulmanos rivais.



Seria refrescante ver algum porta-voz muçulmano no Ocidente, dos que insistem que o Islão não exige nada deste ódio e morte, explicar à al-Qaeda que esta organização terrorista está errada. Mas isso, nunca vimos, nem nunca veremos...


"Al-Qaeda em escola síria: infiéis devem ser abatidos; Obama, e outros líderes mundiais, são infiéis"
MEMRI - clicar para ver o vídeo.

   
Transcrição de trechos de um vídeo com a Al Qaeda numa escola síria, que foi publicado na Internet em 26 de Novembro de 2013:

    
Al-Qaeda: Os mujahideen estão a vir para cá, para a Síria. Eles vêm do Egipto, da Chechénia, de Marrocos, dos EUA, da Bélgica, da China, da Rússia, da República dos Camarões ... Quem os une ?

    
Crianças em idade escolar: Allah.

    
Al-Qaeda: Por é que que eles se reúnem aqui?

    
Crianças em idade escolar: Para o bem do Islão.

    
Al-Qaeda: O Islão une todos sob uma palavra, sem qualquer distinção entre a cor da pele, nacionalidade, ou qualquer outra coisa. Toda a terra pertence a Allah. O Islão eleva os muçulmanos e humilha os infiéis. Os "cruzados" - que são os cristãos - são muçulmanos ou infiéis?

    
Crianças em idade escolar: São infiéis .

    
Al-Qaeda: Allah disse: "Aqueles que dizem que Jesus filho de Maria é Deus, não creram". Allah disse
: "Aqueles que dizem que Deus é o terceiro de três não acreditaram. "Allah disse: "Aqueles que dizem que Deus é o terceiro de três não acreditaram . " Quem diz que Deus é três é um infiel".
(Ele está a parafrasear o Alcorão 5:72-3)

    
Quem diz que Deus é dois e que Jesus é Seu filho é um infiel também. Quem diz que Jesus é Deus também é um infiel.

    
É Bashar Al-Assad um muçulmano ou um infiel ?

    
Crianças em idade escolar: um infiel.

    
Al-Qaeda: Quem gosta de Bashar? Quem gosta de Bashar - levante a mão. Por que é que vocês o odeiam?

    
Crianças em idade escolar: Porque ele é um infiel .

    
Al-Qaeda: Imaginem que estava aqui connosco uma Alauíta, da família ou da religião de Al-Assad. Vocês gostariam dele?   
 Crianças em idade escolar: Não.

    
Al-Qaeda: O que é que vocês fariam com ele?

    
Crianças em idade escolar: Abatê-lo.

    
Al-Qaeda:
Abatê-lo.. Certo. Porque ele é um infiel .

    
[ ...]

    
Qualquer um que não acredita no Islão é um infiel. Obama é um muçulmano ou um infiel?

    
Crianças em idade escolar: Um infiel .

    
Al-Qaeda: E o presidente da Rússia?

    
Crianças em idade escolar: Um infiel .

    
Al-Qaeda: E o presidente da China?

    
Crianças em idade escolar: Um infiel.


Outro, de muitos exemplos, da doutrinação terrorista da Al-Qaeda nas escolas sírias:

4 comentários:

  1. Chossudovsky: os EUA estão 'lutando pela Al Qaeda' na Síria

    [...] Mas, de alguma forma, nos últimos meses, esse "paradigma da Al Qaeda" mudou. O público estadunidense se torna cada vez mais cético sobre a validade da "guerra contra o terror".

    Nesses meses que se passaram, com o desenrolar dos acontecimentos na Síria, algo bastante incomum ocorreu, e isso teve um impacto profundo na percepção e compreensão pública da "guerra contra o terror" promovida por Obama.

    O governo dos EUA está aberto e ativamente apoiando a Al Nusrah da Síria, a principal força armada afiliada a Al Qaeda, composta principalmente de mercenários estrangeiros.

    O dinheiro dos impostos dos EUA é inexoravelmente canalizado para os "rebeldes". Por sua vez, o Secretário de Estado John Kerry encontra-se com os comandantes rebeldes que supervisionam a entidade afiliada a Al Qaeda.

    Isso faz parte de um "novo padrão": a unidade dos opostos, em que "terrorismo" e "contraterrorismo" estão mesclados em um mesmo ponto na política externa?

    Isso está "politicamente correto" para um Senador dos EUA, associar-se a líderes de uma organização terrorista, enquanto, ao mesmo tempo, realiza uma operação pela "guerra contra o terror"?

    Enquanto para o Secretário de Estado dos EUA isso possa ser um "negócio usual", os militares estadunidenses agora estão se "recusando a lutar" em uma guerra a favor do terrorismo e sob o emblema de "guerra contra o terror".

    A canalização de dinheiro e armamentos para a Al Qaeda na Síria é feita "às claras" através do Departamento de Estado dos EUA e do Pentágono, ao invés de através de uma operação secreta da CIA.

    John McCain entra ilegalmente na Síria e posa para fotos com os líderes da Al Qaeda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vivemos tempos estranhos, amigo Diogo... :-(

      Já falámos aqui do apoio da administração Obama aos «rebeldes» na Síria, do apoio da mesma administração à Irmandade Muçulmana no Egipto, da indiferença em relação à perseguição aos cristãos no Médio Oriente, na possível cumplicidade de Obama e dos seus homens no assalto à Embaixada norte-americana na Líbia, e em mais uma mão cheia de casos absolutamente chocantes, mas aos quais a opinião pública permanece insensível, continuando num estado de encantamento para com Obama e sua equipa.

      IB

      Eliminar
    2. Os tempos não são estranhos, caro IB. È necessário compreender o que de facto são as «democracias representativas:

      Chris Gupta: Esta fraude consiste na fundação e financiamento pela elite do poder de dois partidos políticos que surgem aos olhos do eleitorado como antagónicos, mas que, de facto, constituem um partido único. O objectivo é fornecer aos eleitores a ilusão de liberdade de escolha política e serenar possíveis sentimentos de revolta contra a elite dominante.


      George Wallace (foi candidato à Presidência norte-americana. Este afirmou: "... não existe diferença nenhuma entre Republicanos e Democratas." … "... A verdade é que a população raramente é envolvida na selecção dos candidatos presidenciais; normalmente os candidatos são escolhidos por aqueles que secretamente mandam na nossa nação. Assim, de quatro em quatro anos o povo vai às urnas e vota num dos candidatos presidenciais seleccionados pelos nossos 'governantes não eleitos.' Este conceito é estranho àqueles que acreditam no sistema americano de dois-partidos, mas é exactamente assim que o nosso sistema político realmente funciona."


      O Professor Arthur Selwyn Miller foi um académico da Fundação Rockefeller. No seu livro «The Secret Constitution and the Need for Constitutional Change» [A Constituição Secreta e a Necessidade de uma Mudança Constitucional], que foi escrito para aqueles que partilhavam os segredos da nossa ordem social, escreveu:

      "... aqueles que de facto governam, recebem as suas indicações e ordens, não do eleitorado como um organismo, mas de um pequeno grupo de homens. Este grupo é chamado «Establishment». Este grupo existe, embora a sua existência seja firmemente negada; este é um dos segredos da ordem social americana. Um segundo segredo é o facto da existência do Establishment – a elite dominante – não dever ser motivo de debate. Um terceiro segredo está implícito no que já foi dito – que só existe um único partido político nos Estados Unidos, a que foi chamado o "Partido da Propriedade." Os Republicanos e os Democratas são de facto dois ramos do mesmo partido."

      Eliminar
    3. Não diferente do que se passa por exemplo em Portugal, onde a dicotomia PS-PSD é mais para eleitor ver, e na hora de partilhar o saque, são todos amigos. São os inconvenientes da democracia. Mas mesmo assim, o que se está assistir com a administração Obama ultrapassa os limites. O John McCain aqui há tempos dizia que o grito de Allahu Akhbar dos «rebeldes sírios» é comparável ao nosso "Valha-nos Deus". É pena é que eles lancem esse grito enquanto alvejam e decapitam inocentes...

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.