terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Sabe quem era Zemir Begic?

"É uma regra não escrita da Imprensa bem-pensante, da Política bem-pensante e das pessoas bem-pensantes, que certos grupos humanos têm sempre razão. E de que outros nunca têm razão. A realidade não conta para nada. A ideologia e o preconceito são soberanos."

Zemir Begic, ninguém conhece. A sua epiderme não permite. Há umas semanas, o jovem Michael Brown foi abatido pela Polícia, em Ferguson, Estados Unidos da América. Os media mainstream (Al Público & C.ia), que se arvoram sempre em proprietários exclusivos de toda Virtude e toda a Verdade, tem repisado até à exaustão que se trata de um "jovem negro", de "brutalidade e racismo policial". Assim mesmo, sem cerimónias.


 Se a pigmentação de Brown fosse outra, seria retratado como herói e vítima?

Imaginemos que tinha sido um jovem de outra pigmentação que tinha morrido. Será que os media também martelariam essa característica no cérebro do público? Será que o elegeriam como herói e mártir? Será que as multidões de Donos da Verdade e da Virtude, como o racista Al Sharpton, andariam aí numa roda viva, a acicatar o ódio? 

 
O Reverendo Al Sharpton, eterno pregador de ódio


Mas não foram apenas gangsters notórios como Sharpton que deitaram gasolina no fogo. O próprio Obama himself, subiu para a carruagem. Por inépcia ou deliberadamente, fica a dúvida do costume.


 O APROVEITAMENTO ISLÂMICO

O mundo islâmico não perdeu tempo e deu de imediato largas à sua obsessão preferida: Israel! Em Ferguson circularam bandeiras do ISIS e cartazes a condenar... Israel! O aiatola Khameini, supremacista religioso, pregador de ódio e líder de uma das mais brutais ditaduras do Mundo, tem usado os meios de comunicação dos infiéis para acusar os Estados Unidos de "brutalidade" e chamar-lhes... Israel. Que é o pior insulto que existe para aquela boa gente.

Uma estratégia óbvia de dividir para reinar, tentando reanimar o fantasma do racismo nos Estados Unidos. Tudo serve ao Mundo Islâmico (e às forças do Mal em geral) para combaterem o Mundo Livre.

Um twitter do pacífico aiatola Khameni é acompanhado da imagem de propaganda acima, e compara Ferguson a Gaza. Os muçulmanos acham normal chacinar judeus e um crime quando estes ripostam. E querem que os afro-americanos pensem da mesma forma.

Bandeiras do ISIS nas ruas de Ferguson. O ISIS enviou uma mensagem bizarra aos protestatários: "Ei, Negros! O ISIS vai salvar-vos!".

O QUE SE PASSOU COM MICHAEL BROWN


O jovem criminoso Michael Brown durante o assalto à mão armada, agredindo o dono da loja. Este assalto (e outros) estão documentados em vídeo.

Seria uma rematada estupidez afirmar que não existem polícias racistas nos Estados Unidos. Ou em qualquer outro país. Como os há noutras profissões e em todas as "raças". Mas o que se passou com Michael Brown nada teve a ver com racismo. O delinquente de 18 anos assaltou uma loja, empurrou o funcionário à saída, passeou-se pela rua com a calma de quem está habituado a estas vidas, ignorou descaradamente o agente Darren Wilson, que o abordou, insultou o agente, agrediu-o e tentou roubar-lhe a arma.

Está tudo registado em vídeo e há testemunhas oculares. 


A "CARNIFICINA" JÁ COMEÇOU

O agente foi ilibado e os protestos têm enchido as ruas.  Já há ameaças de "carnificina". E a carnificina já começou.  

O imigrante bósnio Zemir Begic foi assassinado este domingo de manhã perto de Ferguson. Testemunhas oculares afirmam que uma multidão de afro-americanos percorria as ruas com cânticos e gritos de "F**** OS BRANCOS! MATEM OS BRANCOS!", antes de assassinar Begic à martelada:


Como é óbvio, os media estão a ignorar este linchamento racista, os políticos estão calados, ou já vieram dizer que se trata de um "incidente isolado" - onde é que já ouvimos isto?...   

É uma regra não escrita da Imprensa bem-pensante, da Política bem-pensante e do público bem-pensante, que certos grupos humanos têm sempre razão. E de que outros nunca têm razão. A realidade não conta para nada. A ideologia e o preconceito são soberanos.


A multidão de racistas em fúria e a vítima, Zemir Begic, que deu a sua vida para salvar a da namorada, Arijana Mujkanovic.

Um dos movimentos racistas anti-brancos (mas que integram muitos, muitos brancos!) que está a ameaçar uma "carnificina" para a noite da Passagem de Ano chama-se  “Stop Mass Incarceration”, e, como o nome indica, acha-se encarcerado em massa. Acha-se prisioneiro da sociedade capitalista e essas grandiloquências todas a que estamos habituados.

Os "Encarcerados em Massa" querem uma revolução comunista nos Estados Unidos. Seria tão fácil fugirem do "cárcere". Cuba é já ali. A Coreia do Norte é outra possibilidade.

QUEM ERA MICHAEL BROWN

Neste vídeo, Michael Brown, o herói, a vítima, o mártir, o Che Guevara, o menino adorável, a pobre criança abatida pelos porcos racistas dos polícias, espanca e rouba um velhinho, na via pública, para gáudio dos amigos, que filmam e riem.




Era esta a vida de Brown. É esta a vida de milhões de indivíduos que os media e certos sectores políticos idolatram.

Temos por todo este mundo Ocidental milhões de garotos, de todas as cores, que contam com a complacência da Sociedade para levarem vidas de crime e marginalidade. A ideologia oficial determinou que a culpa é da Sociedade. Que é como quem diz: é nossa, é de quem trabalha, cumpre leis e anda pelas ruas com medo de encontrar um Michael Brown qualquer e levar uma sova deste calibre, porque ele viu uns ténis de que gostou, porque lhe apetece "dar na branca" ou por qualquer outro motivo. Uma coisa é certa: a culpa é nossa!

4 comentários:

  1. Para a mentalidade jornalística, o Zemir Begic é pessoalmente responsável pela escravatura (mas só pela dos afro-americanos) e como tal, teve o que merecia.

    Vivemos mesmo numa era de insanidade.

    I.B.

    ResponderEliminar
  2. Sabe que é assim é bem desagradável, mas daí ver as manifestações é nauseante.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.