segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

20.770 km² e 9 macabeus portugueses

Ou de como Governo e Oposição em Portugal estiveram de acordo uma vez. 

Ou de como os poucos judeus europeus que restam estão fugir para Israel, e mais de 50 milhões de muçulmanos já controlam as nossas sociedades e condicionam os nossos políticos.

Ou de como em 230 deputados, 9 tiveram CORAGEM. Uma proporção que faz lembrar os Macabeus.   Estiveram pela Verdade e contra os terroristas.  Que Deus abençoe estes 9 modernos macabeus.


Israel, 20.770 km² de Democracia e Liberdade numa extensão de terroristocracias islâmicas que nem cabe no mapa. 

A época vai festiva e não queremos maçar-vos agora com coisas muito aborrecidas. O Parlamento pré aprovou o reconhecimento do mirífico Estado árabe dito "palestino". Os Palestinos, ou Filisteus, foram um povo nómada, que ocupou brevemente a região de Gaza, e que, ao tempo de Jesus /Yeshua, estava há muito extinto. 

Nos anos 60 do século XX, a União Soviética ressuscitou essa mitologia, que o ultra terrorista Arafat tratou de popularizar, à bomba e a tiro, perante os aplausos unânimes dos anti-semitas de todo o mundo.

Israel há mais de 4 mil anos que é Pátria do povo judeu. A única vez que a Terra de Israel foi governada por "palestinos" ou quaisquer povos da Península Arábica, foi por um breve período, cerca de 635 d.C..
 

     "O único domínio árabe desde a conquista em 635 d.C. durou, como tal, meros 22 anos ..." . declarou o presidente muçulmano da delegação síria, no seu discurso na Conferência de Paz de Paris em Fevereiro 1919, referindo-se à Terra de Israel.
     "Sim, a existência de uma entidade palestina serve apenas para fins tácticos. A fundação de um Estado palestino é uma nova ferramenta na luta permanente contra Israel ..." disse Zuheir Muhsin, chefe do Departamento Militar da OLP e membro do Conselho Executivo, ao diário holandês Trouw, de Março de 1977.



Extrema-esquerda, extrema-direita, nazis, não alinhados e mainstream, a mesma luta: DESTRUIR ISRAEL.

NÃO HÁ NEM NUNCA HOUVE «PALESTINOS». Há egípcios e outros Árabes que foram mandados para Israel no século XX para fazerem valer o princípio da ummah, a possessão islâmica global, que Maomé preconizou e alargou, pela espada, e que hoje o ISIS e outros grupos islâmicos estão a restaurar, da mesma forma.

Os árabes "descobriram" a "Palestina" em 1920, está aqui, com imagens, o Mundo viu, ninguém pode negar:

É preciso ser-se completamente ignorante ou completamente anti-semita para se querer acreditar que os Árabes são em Israel outra coisa que não invasores sanguinários, e mais recentemente colonos, infelizmente muitos deles terroristas. Já o temos aqui demonstrado vezes sem conta e quem quiser pode constatá-lo. O problema é que poucos querem saber dos FACTOS, e preferem os MITOS.

Romanos, Persas, Bizantinos, Árabes, Turcos, Cruzados, Mamelucos, Mongóis, Franceses, Aliados da I Grande Guerra, Britânicos, e mais uns quantos, exerceram a soberania sobre a Terra de Israel, uns de forma mais violenta que outros. Os judeus nunca deixaram a sua terra, apesar dos milhares forçados ao exílio. Sob o domínio estrangeiro, a Terra Santa foi sempre palco de tirania, intolerância e crueldade sem limites. Apenas sob o domínio nativo (judaico), Israel e Jerusalém conheceram paz e convívio harmonioso entre credos e povos.

Em 1948, a Jordânia, uma criação pós colonial britânica, invadiu e arrebatou 80% da Terra de Israel. Israel consentiu, em nome da paz... Os 20% que restaram, quer muita gente (o actual Governo e Oposição em Portugal, por exemplo), que sejam definitivamente obliterados e oferecidos à inventada Palestina Árabe. 

A consequência lógica de tal acção, se viesse a concretizar-se, seria a chacina dos judeus pelos árabes, em poucas horas, como tentaram fazer na véspera da Restauração da Independência de Israel.  

O Ocidente, que andou a colonizar mais de meio Mundo durante séculos, acolheu, em muitos casos, os exilados judeus pós 70 d. C. com fogueiras e câmaras de gás. E não suporta que esse pequeno país e esse pequeno povo - a única democracia do Médio Oriente - tenham uma longevidade tão grande. "Mais de quatro milénios e ainda ninguém os conseguiu exterminar, nem retirar da sua Terra? Não pode ser! Vamos corrigir essa hedionda assimetria!"...

Na Segunda Grande Guerra não houve nunca umas bombas a mais, para destruir os caminhos de ferro que levavam milhões de judeus para os campos de extermínio. Agora, em 230 deputados da Assembleia da República, 9 votaram pela continuação da existência de Israel e dos judeus. Contra 221 que votaram com sangue nas mãos. Estamos a melhorar.


Seja você também um Macabeu - em relação a Israel, ao Tibete, ao Darfur, a todos os oprimidos e injustiçados deste Mundo. Seja um Macabeu para todas as vítimas do terrorismo islâmico, do férreo Comunismo, do neo Nazismo psicopata, do Capitalismo sem coração. Não tema, que Deus o ajudará.

5 comentários:

  1. Lamentável como tratam o único Estado legítimo e democrático da zona apoiando terroristas sem qualquer respeito por uma dose mínima de direitos humanos, democracia e convivência entre vizinhos. Alimenta-se a besta islâmica

    ResponderEliminar
  2. Bravo, que venham mais e mais Macabeus!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com Fé, o impossível torna-se possível.

      Abraço,

      I.B.

      Eliminar
  3. E como se não faltasse mais nada:
    "Tribunal Europeu retira Hamas da lista de organizações terroristas"
    http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2014-12-17-Tribunal-europeu-retira-Hamas-da-lista-de-organizacoes-terroristas

    Suponho que não seja terrorismo lançar rockets diariamente contra Israel, nem construir túneis com o objectivo de infiltar o território de outro país e raptar ou assassinar os seus cidadãos - idosos, mulheres e crianças indiscriminadamente. Tudo isto enquanto não só expõe mas encoraja a população de Gaza (que deixa a viver em condições de miséria, sem infraestruturas enquanto que a liderança do Hamas vive ricamente no Qatar) a actuar como escudos humanos, estando apenas interessados em que morra o máximo de população possível para que se possa condenar o estado judaico e fazer passar a imagem de um "genocídio" (apesar das extremas precauções e do sentido moral que regem a actuação das Forças de Defesa de Israel). Estas organizações ignoram continuamente os Direitos Humanos, embora apenas Israel seja condenado internacionalmente por, imagine-se, defender os seus cidadãos!

    Tenho vergonha de viver numa Europa que continua a financiar o terrorismo islâmico que visam destruir o Estado de Israel e eliminar todos os judeus da face da terra sob pretexto de "libertar" um pseudo-povo inventado por um egípcio e financiado pela União Soviética, esquerdalha em geral e estados árabes (que como bons muçulmanos que são, querem também a eliminação dos judeus).

    Continuem o vosso excelente trabalho na defesa de Israel e na exposição das mentiras dos "palestinos" (ainda não percebi o que distingue um palestiniano de um jordano, por exemplo) e a da "religião da paz" a que estamos expostos diariamente na comunicação social...

    ResponderEliminar
  4. Notícia na Visão:

    Hamas já não faz parte da lista da UE de organizações terroristas: http://visao.sapo.pt/hamas-ja-nao-faz-parte-da-lista-da-ue-de-organizacoes-terroristas=f804757#ixzz3MAoDDCJE

    Até o Egipto os considera terroristas, mas a UE não.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.