sábado, 13 de dezembro de 2014

Miracle - Uma canção de Hanuká

 

Estamos outra vez naquela época especial do ano em que os cristãos se aprestam para celebrar o Natal e os judeus o Hanuká (que também pode ser grafado como Chanukkà ou Hanukkah - ou em Hebraico חנכה, ḥănukkāh). Já falámos do significado do Hanuká neste blog, nomeadamente neste post:

Festival da Gratidão 


Recordamos que se trata da Festa das Luzes, a comemoração da vitória dos judeus sobre os ocupantes gregos (um dos muitos povos que invadiram e submeteram a Terra de Israel, ao longo da sua História de mais de 4 milénios). Cerca de 200 anos antes de Cristo, no período dos Macabeus, os ocupantes promoveram a 'helenização' da cultura judaica, pela força. O templo de Jerusalém foi inclusivamente profanado, tendo sido utilizado para celebrações pagãs. Para além de todos os abusos, da perda da soberania e da imposição de uma cultura estranha, a ideia de uma concepção do mundo politeísta e centrada no Homem e não em Deus, não foi aceite pelos judeus, uma cultura já então moldada por dois milénios de estrito monoteísmo.

A famosa Revolta dos Macabeus teve como personagens centrais Matatias e os seus filhos, sobretudo Judas Macabeu, que conseguiu vencer os gregos no ano 165 antes de Cristo. Jerusalém foi libertada o o Templo foi reconsagrado. 1Macabeus 5 (livro presente somente nas Bíblias católicas) narra assim o nascimento da Festa das Luzes:

E Judas, com seus irmãos e toda a assembleia de Israel, estabeleceu que os dias da dedicação do altar seriam celebrados a seu tempo, cada ano, durante oito dias, a partir do dia vinte e cinco do mês de Casleu, com júbilo e alegria.

Essa festa é lembrada no Evangelho de João, em 10,22:
Houve então a festa da Dedicação em Jerusalém. Era Inverno. Jesus andava pelo Templo, sob o pórtico de Salomão.
O Talmude, livro histórico da tradição hebraica, conta que depois da reconquista os Macabeus limparam o Templo. Segundo o ritual, a Menorah do Templo tinha que ser iluminada continuamente com azeite puro. No Templo, porém, só havia azeite para uma noite. Ainda assim, acenderam o candelabro enquanto, esperando encontrar entretanto azeite. Milagrosamente, aquele azeite durou o tempo necessário para os judeus obterem mais azeite: 8 dias.

Tendo tido, como quase todos os portugueses, uma formação cristã, toca-nos profundamente a imagem de Jesus/Yeshua, passeando pelo Templo, em Jerusalém, no Festival das Luzes, "sob o pórtico de Salomão".

Hoje só queríamos mesmo mostrar-vos esta canção do famoso Matisyahu, um judeu convertido, cujo nome, em Português, é... Matatias, o líder da famosa revolta que levou os judeus à vitória sobre os ocupantes largamente superiores em força e em número, motivando assim a festa que agora se comemora. Mas as conversas são como as cerejas. Ou como o azeite dos Macabeus. E esta introdução era necessária para contextualizar os aparentemente bizarros eventos deste vídeo.

Sobre esta canção, Matisyahu (não o Macabeu, mas o cantor), disse: "Há tantas canções de Natal. Eu queria dar às crianças judias uma canção de que se orgulhassem. Temos o Adam Sandler, que é divertido, mas eu tentei escrever uma canção com alguma profundidade e espiritualidade inerente a esta festa, de uma forma divertida. O meu amigo Kojak estava cá na cidade, de modo que fomos para o estúdio num espírito de milagres e de triunfos dos pequenos, e este foi o resultado. Feliz Hannukah!"


3 comentários:

  1. Seria interessante analisar o que o sheik disse neste programa:
    http://www.rtp.pt/play/p1627/pros-e-contras-xii

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que esse senhor, com as suas mentiras descaradas, me causa ainda mais aversão que essa apresentadora, com as suas falácias costumeiras.Não sei se terei estoicismo para me sujeitar a tal tortura. Se algum parceiro de blog ou leitor quiser comentar, esteja à vontade.

      José de Jesus

      Eliminar
  2. É realmente um grande desafio desmascarar as manhas artimanhas e patranhas com que essas bestas se enganam a si próprias e tentam enganar os outros.
    Entre outras coisas, a verdade é que o corão dele é o mesmo que o do estado islâmico.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.