quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Pai do assassino de Dafna Meir está "orgulhoso"

No seguimento dos posts anteriores sobre este assassínio:

Dafna Meir era uma pessoa. Sabia?

Capturado assassino de Dafna Meir

E este é apenas um entre tantos...

 

Sempre que os terroristas islâmicos assassinam judeus, os muçulmanos de todo o mundo festejam. De vez em quando damos aqui conta dessas reacções.

Somente numa sociedade muçulmana radical, como a dos chamados palestinos, é possível encontrar expressões públicas de alegria  pelo brutal assassinato de uma mãe de seis filhos.

Mostrem-nos um país civilizado em que o pai de um rapaz de 16 anos que invadiu a casa de uma mulher e a esfaqueou até à morte na frente dos seus filhos diz à Imprensa que está orgulhoso do seu filho.

Infelizmente, qualquer homem, mulher ou criança, com acesso às notícias, sabe a resposta a essa pergunta dolorosa.

O pai do menor Murad Badr Abdullah Adeis, que foi arrancado da sua cama por forças de segurança israelitas na noite de anteontem, por suspeita de assassinar Dafna Meir, de 38 anos, mãe de seis filhos, em sua casa, enquanto os filhos assistiam, disse à Imprensa "palestina" que apoia o seu filho.

"Estou orgulhoso dele", disse ele. Em seguida, queixou-se de que o IDF insistiu em interrogar a família e até ameaçou demolir a casa, que é uma das medidas que Israel utiliza como penalização e para desencorajar futuros actos de terrorismo.

 
A vítima do terrorismo Dafna Meir e o seu marido Natan. (Cortesia da família)
 

Na sequência de uma caça ao homem que levou mais de um dia, o IDF e o Shin Bet (Agência de Segurança de Israel) detiveram Adeis por suspeita de cometer o assassinato em Otniel.

Adeis foi capturado pela unidade "Duvdevan"  na sua cama, na aldeia em Beit'Amra, a cerca de duas milhas de Otniel, e agora está a ser interrogado pelo Shin Bet.

Uma teoria emergente sugere que o assassinato de Meir foi cometido em retaliação pela morte de um parente distante de Adeis, que foi morto ao tentar matar judeus. 

Outros relatos sugerem que Adeis tinha conflitos com os familiares e que assassinou Meir para "lhes ensinar uma lição". 

Ficou claro que Adeis não era um trabalhador árabe da área da construção, como chegou a ser avançado, mas que conseguiu infiltrar-se na área e assim levar a cabo o assassinato. Não foi difícil: embora Otniel seja patrulhada por forças de segurança, não é cercada por uma vedação, como é o caso em muitas comunidades judaicas na Judeia e Samaria.


Por: JNI.Media via United With Israel

Obs.1: Mesmo nas sociedades livres e democráticas há quem vibre com o terrorismo. Ainda há pouco tempo, o Grande Educador da Classe Operária lusa se congratulou com o Massacre de Paris.

Obs.2: Ao lado da extrema-esquerda convencional está a extrema-esquerda nazi, com indivíduos como ESTE, a quem o assassinato desta mãe de 6 filhos suscitou  comentário: "QUE SUSTO TÍPICA JUDIA FEIOSA". Entre outras "pérolas" impublicáveis, pela sua barbárie. Para denunciar o perfil desta criatura basta clicar abaixo da fotografia do perfil e do resumo, clique na seta para baixo  > Denunciar/bloquear [nome].


Este vídeo mostra o que impulsiona os "palestinos" a assassinarem judeus a sangue frio, e como uma criança completamente normal se torna um jihadista.

Qual é a "arma secreta"? Como se processa a lavagem cerebral que leva tantos civis a odiarem os judeus?

Como são tantos adolescentes capazes de massacrar mulheres e crianças a sangue frio? O que os leva a tal?

Como é que uma sociedade pode permitir que crianças inocentes se transformem em monstros sanguinários? Afinal de contas, não é fácil de transformar uma criança felize e pacífica, num assassino em massa. Ou é?

Assista a este vídeo para ver como os "palestinos" têm sido capazes de fazer lavagem cerebral a milhões de crianças e jovens. A sua visão dos "palestinos" nunca mais será a mesma.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.