domingo, 17 de janeiro de 2016

Os estupradores islâmicos apenas cumprem o Islão


A besta maléfica, perdão, a digníssima advogada egípcia Nagla Al-Imam, diz que "os jovens árabes devem assediar sexualmente as mulheres israelitas onde quer que estejam no mundo." Diz também que os homens árabes não têm que se preocupar com a lei nos países islâmicos, porque não há leis para o assédio sexual nesses países. E também diz que a maioria dos países árabes não permitem que os israelitas lá entrem, de qualquer maneira. De modo que nesses países, não há o que violar! É assim que se "pensa" no Islão. É assim que se prega na famosa Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém.


A partir daqui o post é transcrição do EXCELENTE blogue LEI ISLÂMICA EM AÇÃO, a propósito do festim de violações da Passagem de Ano, que pôs a nu o que já se passa há muitos anos na Europa, com a invasão dos bárbaros muçulmanos. Na nossa etiqueta JIHAD SEXUAL falamos um bocadinho disto, mas a realidade é mais vasta e mais repugnante do que temos possibilidade de vos mostrar. Aqui vai então:


Vídeo mostra o assédio sexual a uma jornalista holandesa ocorrido em junho de 2013. Os homens muçulmanos estão praticando o ‘Taharrush’, que é quando homens em grupo atacam, roubam e estupram. O que vem acontecendo na Alemanha, e em outras cidades européias, é nada mais do que esta prática "cultural" sendo importada junto com os migrantes muçulmanos. Nem todos os muçulmanos fazem isso, mas os que não fazem defendem os seus irmãos estupradores com toda desculpa, como "eu conheço um muçulmano e ele não é assim" ou "eles não são muçulmanos" ou "quem mandou ela se meter em lugar perigoso."
Um vídeo como este vocês nunca verão na TV, seria considerado "islamofobia".



Taharrush Gamea é um jogo jogado em todo o mundo muçulmano, mas que chegou agora à Europa, através da imigração muçulmana em massa. Nós abrimos os nossos países a hordas de estupradores selvagens que não têm nenhuma ideia do que sejam as relações sexuais e românticas normais.
O assédio sexual coletivo que ocorreu em diversas cidades européias nas festas de fim-de-ano é mais uma contribuição que o "enriquecimento cultural" (como dizem os promotores da invasão da Europa) para o mundo livre. O interessante é que ele é tão comum no mundo árabe islâmico que tem um nome: Taharrusch jamai.
Taharrusch jamai (árabe تحرش جماعي, pronúncia aproximada "tárrarashu" "jamái-in"), ou taharrush gameâ) é um termo em árabe que poderia ser traduzido como "assédio sexual em grupo" ou "assédio sexual coletivo." Ele é usado para descrever uma ação coordenada de vários homens, com intuito de praticar agressões sexuais contra mulheres encontradas em locais públicos. O assalto geralmente acontece sob a capa protetora fornecida por grandes reuniões ou multidões,durante eventos públicos, tais como protestos, reuniões, concertos ou festivais).
Para muitos, o taharrush é um jogo, no qual a mulher é a prêsa, dois são destinados a apalpá-la, batê-la ou estuprá-la, enquanto que uma multidão cerca e protege os atacantes, se revezando com eles. Outros dois tem a missão de a resgatar, mas para tal têm que passar pela parede de homens que "protegem" os estupradores.
Este "jogo" ganhou evidência internacional durante os protestos contra o governo, no Egito, em 2011 e 2013. A CNN chegou a dizer que os estupros foram o lado negro dos protestos, tal a sua quantidade. A jornalista Lara Hogan foi a vítima mais famosa na época.
Agora, o taharrush está na Europa, trazido pela imigração islâmica. Esta é mais uma contribuição da imigração islâmica, que trouxe com ela a Sharia e a mutilação da genitália feminina. O próprio Escritório Polícia de Criminalistica Federal da Alemanha descreveu a violência sexual na véspera de Ano Novo de 2015/16, em Colônia, com este termo.
Nem todos os muçulmanos fazem isso, mas tanto eles, como os apologistas não muçulmanos, defendem os estupradores com desculpas, tais como, "eu conheço um muçulmano e ele não é assim" ou "eles não são muçulmanos" ou "quem mandou ela se meter em lugar perigoso."
(...)

Os 20 Mandamentos mortais do "diabólico" ("satânico") Maomé, o fundador do Islão


  1. Tu deves estuprar, casar e divorciar meninas na pré-puberdade. Alcorão 65:4, 4:3
  2. Tu deves ter relações sexuais com escravas sexuais e trabalhadoras escravas. Alcorão 4: 3, 4:24, 5:89, 33:50, 58: 3, 70:30
  3. Tu deves bater nas escravas sexuais, nos trabalhadores escravos, e nas esposas. Alcorão 04:34
  4. Tu deves ter quatro testemunhas masculinas muçulmanas para comprovar um estupro. Alcorão 24:13
  5. Tu deves matar aqueles que insultam o Islão ou Maomé. Alcorão 33:57
  6. Tu deves crucificar e amputar os não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 47: 4
  7. Tu deves matar os não-muçulmanos para garantir receber as 72 virgens no céu. Alcorão 9: 111
  8. Tu deves matar quem deixar o Islão. Alcorão 2: 217, 4:89
  9. Tu deves decapitar não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 47: 4
  10. Tu deves matar e morrer por Alá. Alcorão 9: 5
  11. Tu deves aterrorizar os não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 8:60
  12. Tu deves roubar e furtar os não-muçulmanos. Alcorão Capítulo 8 (Saque / Espólios de Guerra)
  13. Tu deves mentir para fortalecer o Islã. Alcorão 3:28, 16: 106
  14. Tu deves lutar contra os não-muçulmanos, mesmo que não queiras. Alcorão 2: 216
  15. Tu NÃO deves tomar os não-muçulmanos como amigos. Alcorão 05:51
  16. Tu deves chamar os não-muçulmanos de porcos e macacos. Alcorão 5:60, 7: 166, 16: 106
  17. Tu deves tratar os não-muçulmanos como as criaturas mais vis, que não merecem misericórdia. Alcorão 98: 6
  18. Tu deves tratar os não-muçulmanos como inimigos jurados. Alcorão 4: 101
  19. Tu deves matar os não-muçulmanos por não se converterem ao Islão. Alcorão 09:29
  20. Tu deves extorquir não-muçulmanos para manter o Islão forte. Alcorão 09:29.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.