domingo, 18 de fevereiro de 2018

Activista pró-"refugiados" descobre que era a "p*** alemã estúpida"


Activista alemã de extrema-esquerda pró-refugiados #WOKE: "Aqueles que comiam comigo, bebiam, dançavam, riam - eles [refugiados] falavam sobre mim como 'a puta alemã estúpida'".  
Recebo e-mails de ex-esquerdistas como esta. Infelizmente, as habilidades cognitivas atrofiadas dos esquerdistas tornam a transição para a razão e a lógica lenta e dolorosa. Mas muitos estão a chegar lá. A conselheira da ONU, Rebecca Sommer, uma artista e activista alemã pelos direitos dos povos indígenas, publicou uma entrevista no site polaco EuroIslam.
Pamela Geller 

Vlad Tepes traduz: 
Rebecca era apoiante dos ‘refugiados’ muçulmanos na Alemanha e descreve como a sua experiência a fez "mudar gradualmente de ideias sobre questões fulcrais". 
As experiências de Sommer abriram-lhe tanto os olhos que ela deixou de ter medo de dizer as verdades sobre a migração massiva islâmica, verdades que são inaceitáveis ​​para as elites europeias que insistem em acelerar os seus países em direcção ao suicídio cultural. 
Algumas das suas revelações: 
- Tentei constantemente justificar esses padrões repetidos de comportamento e pensamento, a maneira de eles perceberem o mundo - que é baseada na sua religião, o Islão, e na sua cultura. Eu acreditava que essas visões medievais mudariam ao longo do tempo. Coloquei grande confiança nos nossos valores europeus libertários e equitativos, e pensava ingenuamente que toda a gente se deleitaria com eles e os adoptaria. 
- Tive que admitir perante mim mesma que, quando se trata de refugiados muçulmanos, eles cresceram com valores completamente diferentes, eles foram sujeitos a lavagem cerebral e doutrinação pelo islamismo e não têm intenção de adoptar nossos valores - pior, eles olham-nos, incrédulos, com superioridade e arrogância. 
- Descobri que aquelas pessoas que lidavam comigo, que comiam, bebiam, dançavam e riam, que não oravam, não frequentavam a mesquita, não observavam o Ramadão, zombavam da religião e das pessoas profundamente religiosas, eles, enquanto comiam a minha comida, sentados no meu jardim, não falavam de mim a não ser como "uma puta alemã estúpida". 
- A nossa liberdade é muito preciosa e muito frágil, se pensarmos em quantas pessoas chegam aqui de repente, com o seu "lenço na cabeça" [a sua mentalidade islâmica] e por chegarem em grande número, fazem com que tudo mude para nós. Estamos a ver isso agora. Tornei-me muito cautelosa e extremamente desconfiada. Agora acho que aqueles que realmente precisam de asilo devem procurar o asilo ou buscar uma vida melhor nos países muçulmanos, em vez de tentarem impor-nos os seus valores medievais e acabarem por nos submeter a todos. 
- Num casamento muçulmano, temos muita violência e estupro. Uma mulher não tem valor humano, ela é percebida como um objecto sexual e não como parceira. Ela é uma trabalhadora e uma máquina de parto. Esse é o seu trabalho como uma boa mulher muçulmana. Assim como a maioria dos muçulmanos não nos respeita, eles não respeitam as suas próprias mulheres. 
- Graças à existência da taqqiya, os muçulmanos estão livres de qualquer responsabilidade para com os infiéis - este é o meu aviso para as mulheres que lidam com eles! Mas também especialmente para os nossos políticos que entram em acordos com sindicatos islâmicos - nenhum juramento, mesmo em nome de Alá, tem qualquer valor, por causa de taqqiya, porque Alá dispensou os seus fiéis de cumprirem os juramentos feitos aos infiéis.


Nota do Tradutor: a taqqiya é a mentira em nome do Islão:


Saber estas quatro palavras árabes pode salvar a nossa Civilização

- Os abusos sexuais contra os voluntários acontecem permanentemente, mas nenhum de nós relatou um caso desse tipo à Polícia porque nenhum de nós queria ser visto como oponente de refugiados e causar problemas ao centro. 
- Depois, houve uma surpresa muito desagradável quando um imigrante tido como não hostil me arrastou pelos cabelos para a casa de banho no momento em que eu queria sair. Ele não consegue entender que eu sou livre de sair, porque porque afinal, porque é que a "prostituta" viria sozinha ao seu quarto? 
- Os Tribunais aqui são bastante esquerdistas. Muitos juízes são pró-imigrantes e há casos em que imigrantes e alemães de origem migrante recebem um "bónus cultural e religioso" e são favorecidos. Entre eles também há juízes femininas e considero-os particularmente más - mulheres que são contra mulheres. 
- Tenho medo de que nas próximas eleições, dentro de quatro anos, possamos ver um fenómeno novo - os muçulmanos vão estabelecer o seu partido e, porque eles já têm um grande eleitorado, eles serão imparáveis. Com a ajuda da ala esquerda e de quase todas as partes, eles começarão a mudar as regras e seremos nós que teremos que nos adaptar. 
Leia tudo aqui.
.........................................................

COMENTÁRIO

Sugerimos a consulta das nossas secções MULHERES, JIHAD SEXUAL e ISLAMIZAÇÃO DA EUROPA.
A elite europeia está a islamizar a Europa, como temos repetidamente mostrado, e não é teoria da conspiração, é política oficial, ver EURISLAM, o plano oficial de islamização da Europa. 
As forças políticas europeias, não apenas as de esquerda,  não se importam de sacrificar a população nativa se isso lhes permitir cativar o voto islâmico. Outros são simplesmente pagos para promover essa agenda:
Nas suas bolhas de paz, amor e caridade, muitos padres, pastores, rabinos e outros líderes religiosos, sentem-se na obrigação de acolher os supostos refugiados. O padre Hammel era um deles, e foi sacrificado ao deus Alá durante a Eucaristia, na sua própria igreja.
Muitos oportunistas vêem na "crise dos refugiados" uma excelente oportunidade de encherem os bolsos - a "caridade" hoje em dia é um negócio de milhões.
As pessoas bem intencionadas acreditam na propaganda de Estado e  acham que somos "alarmistas", "racistas", "instigadores de ódio", "xenófobos", "nazis", etc., porque vamos contra o que a Televisão diz. E se a Televisão diz, só pode ser verdade!
Não são "casos isolados". São pessoas cuja cultura interpreta os valores europeus e ocidentais de liberdade, democracia e direitos humanos como fraqueza e decadência. 
Uma pequena amostra do que vai pela Europa:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.