quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Matar à facada NÃO É terrorismo! *

* - Dependendo de quem são as vítimas...
O Primeiro  Ministro da Suécia Stefan Lofven cumprimenta o mega-terrorista Mahmoud Abbas, o cérebro do Massacre das Olimpíadas de Munique e de outros massacres, o multimilionário à nossa custa, que recompensa e condecora assassinos de judeus.
 
 
Longe vão os tempos em que a Suécia era famosa pela sua social-democracia, pela excelência do seu Estado Social, pela curiosidade científica das suas beldades relativamente ao Zezé Camarinha, pela sua arquitectura anódina, ou por essa sofisticada forma de tortura que são os filmes de Ingmar Bergman.
 
Hoje, a Suécia ostenta outros atributos. É vice-campeã mundial de estuprosLidera orgulhosamente a islamização da Europa, com o enriquecimento cultural daí decorrente (até de pitorescas decapitações no IKEA a Suécia hoje beneficia!!!). E até tem um governo composto por hippies de birkenstocks e patchouli, que apoiam o terrorismo islâmico (como mostrámos no post anterior)!
 
A camarada Asa, Vice Primeira-Ministra da Suécia, (a Marisa Matias lá do sítio), chorou baba e ranho quando teve que comunicar que a entrada de terroristas na Europa iria ser um bocadinho dificultada, devido ao Massacre de Paris. Ken Buda e o seu Joelho Pneumático explicam.
 
E SE FOSSE O P.M. SUECO O ESFAQUEADO?

 
Uma garfada na testa - será terrorismo? 
 
Apenas um dia depois de o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu,  ter registado o seu protesto em relação às declarações ignorantes da Ministra dos Negócios Estrangeiros sueca, foi a vez de Stefan Lofven, o Primeiro-Ministro, declarar que  os ataques à facada de terroristas islâmicos contra cidadãos israelitas não constituem terrorismo.
 
"Não, não é terrorismo", disse Lofven à agência noticiosa sueca TT esta segunda-feira.
 
"Há uma classificação internacional sobre o que constitui ou não constitui terrorismo. Tanto quanto eu sei, os ataques à facada em Israel não são definidos como terror", continuou Lofven.
 
O senhor Lofven, que, ao que consta, não cheirava a whisky nem a haxixe, fez estas declarações no dia seguinte a ter recebido um telefonema de protesto de Benjamin Netanyahu (link United With Israel) relativamente aos discursos de apoio ao terrorismo feitas pela senhora Margot Wallstrom, Ministra dos Negócios Estrangeiros.  
 
Não queremos aqui apelar à violência, mas seria uma experiência sociológica interessante que alguém espetasse um pequeno garfo na testa do senhor Lofven.  Só uma garfadinha. Nada de facalhões afiados, como em Israel. Só para sabermos como classificaria ele a ocorrência.
 
E SE FOSSE A MARGOT A ESFAQUEADA?
 

 
Margot Wallstrom
 
Margot Wallstrom (que também tem boa testa para uma garfadinha) tem afirmado o terrorismo islâmico global se deve a que Israel não trata bem os "palestinos", (link United With Israel) e também tem acusado Israel de levar a cabo "execuções extra judiciais" de "palestinos" supostamente inocentes (link United With Israel) . Por "execuções extra judiciais de inocentes", a senhora Margot entende os terroristas que são abatidos pela Polícia quando estão a assassinar israelitas.

Temos feito alguns posts sobre a Intifada das facas.
 
“Há um padrão moral para Israel e outro para o resto do Mundo” - disse Netanyahu na reunião semanal do partido Likud. Ah, a ingenuidade judaica... É bem pior que isso, senhor Benjamin! Eles querem outra vez a Solução Final! Não com a crueza da do Hitler, claro, que os suecos são gente civilizada. Uma Solução Final lá longe, da vista e do coração, com bombas iranianas ou facas egípcias e jordanas. Uma coisinha assim que mal se dá por ela vista aqui da Europa.
 
Há três meses que os israelitas são diariamente atingidos por ataques terroristas islâmicos dos "palestinos"(link United With Israel) a maior parte deles à facada. 21 israelitas já morreram e 215 ficaram feridos. Um número superior de terroristas suicidas tem ido para o paraíso de Alá, sob os gritos de regozijo da família, amigos, conhecidos e correlegionários.
 
A SUÉCIA CULTURALMENTE ENRIQUECIDA
A Suécia experimenta já as maravilhas do enriquecimento cultural, à medida que a percentagem de muçulmanos aumenta. Desde cidadãos espancados na via pública por serem infiéis, aos sempre pitorescos ataques de indignação islâmica, passando pela supra referida jihad sexual  e pelos proverbiais gangs-sharia, tudo é colorido e vibrante!
 
 

 


De vez em quando os hippies vão aos bairros muçulmanos, enriquecerem-se culturalmente. São corridos à pedrada e voltam ainda mais enriquecidos e apaixonados:
 

4 comentários:

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.