quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

A narrativa natalícia da TVI

O presidente da "Autoridade Palestina", o mega-terrorista islâmico Mahmoud Abbas, compareceu na Missa do Galo na Igreja da Natividade, em Belém.  Um terrorista que persegue os cristãos e manda assassinar judeus, mas que sabe aparecer para as fotos que enganam o mundo!

A TVI acabou de mostrar parte da missa de Natal celebrada em Belém pelo Patriarca Latino de Jerusalém, o responsável máximo da Igreja Católica na Terra Santa.   
A jornalista disse "pelo menos por uma noite israelitas, palestinianos e muitos visitantes celebraram juntos e em paz".  
Não podia ser mais falso: o carro do Patriarca foi apedrejado por dezenas de palestinianos à saída da missa e os israelitas estão proibidos de entrar em Belém, não têm forma de ir lá celebrar "juntos e em paz".

São estes os jornalistas e o jornalismo que temos.
In AMIZADE LUSO-ISRAELITA  

O Jornalismo foi substituido pela "narrativa". As coisas já não são como são. São como os jornalistas querem que o Mundo acredite que são. O The Times of Israel, em colaboração com a Associated Press (lendariamente anti-Israel) - e a própria agência noticiosa "palestina" Ma'ancontam que o Patriarca foi recebido à pedrada, e que estavam planeados ataques terroristas contra os cristãos. 

Aliás, quando o actual Papa esteve em Belém, a Missa que celebrava foi interrompida pelos famosos gritos jihadistas de "Allahu Akbar":

Muçulmanos insultam o Papa e os Cristãos


Mas os jornaleiros calaram-se todos bem caladinhos, como sempre.


 O Patriarca Latino de Jerusalém Fouad Twal, nas celebrações de Natal, na cidade da  Belém, na véspera de Natal, 24 de Dezembro de 2015.
O Patriarca Latino de Jerusalém foi recebido à pedrada em Belém 
A Autoridade Palestina alegadamente prendeu 16 "salafistas radicais" que planeavam realizar ataques terroristas contra turistas que comemoravam o Natal.
O carro que transportava o Patriarca Latino de Jerusalém, Fouad Twal, chefe da Igreja Católica na Terra Santa, foi atingido sexta-feira, dia de Natal, em Belém, por pedras atiradas por manifestantes palestinos.
Nenhum dos passageiros no veículo do Patriarca ficou ferido no incidente, mas o carro sofreu danos, de acordo com um relatório da agência noticiosa Ynet.
Um relatório da agência de notícias palestina Ma'an afirma que foram detidas 16 pessoas.  De acordo com a notícia, o grupo de radicais salafistas preparava-se para realizar um ataque terrorista contra turistas ocidentais que estavam em Belém para celebrar o Natal. 
O relatório não identificou os detidos como sendo filiados em nenhum grupo jihadista conhecido. 
Um relatório em idioma Hebreu no diário Ma'ariv disse que altos funcionários da Autoridade Palestina se encontraram em Belém no início desta semana, a fim de formularem uma estratégia contra a ameaça representada pelos extremistas para as celebrações cristãs na cidade.
Pelo menos quatro pessoas estão sob detenção sem julgamento em Belém, e quatro outras pessoas, partidárias do Estado Islâmico, foram presas em outros locais. 
Não se sabe onde estão as outras oito pessoas. 
Na quinta-feira à noite, o presidente Mahmoud Abbas e o primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Rami Hamdallah, participaram numa Missa na Igreja da Natividade de Belém, noticia a Ma'an
Em comunicado divulgado pelo seu gabinete antes da visita, Abbas elogiou os cristãos palestinos pelo seu papel na criação de uma "sociedade rica e diversificada." 
"Este ano, assistimos a mais igrejas ao redor do mundo que apoiam o pedido de reconhecimento do Estado da Palestina, e a um número crescente de grupos cristãos em campanhas de alienação de empresas que lucram com a ocupação israelita da nossa terra", disse Abbas. 
A população palestina cristã diminuiu significativamente nos últimos anos. Os cristãos de hoje perfazem apenas 2 por cento da população palestina na Cisjordânia.

- Como temos incansavelmente demonstrado, a Judeia e Samaria são território israelita -  a "Cisjordânia" não existia há 46 anos, e a "Palestina" é uma pura invenção.

- Os cristãos são implacavelmente perseguidos nos territórios sob administração "palestina", ao contrário do que afirma o mega-terrorista e incitador-chefe Abbas. Daí o seu declínio acelerado. Em todo o Médio Oriente, Israel é o único país onde existe liberdade religiosa e onde os cristãos, nomeadamente, estão em segurança. Vero próximo post:


O Único Lugar Seguro para os Cristãos no Médio Oriente

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.