domingo, 18 de março de 2018

Intifacada - "100 Dias de Raiva" começam com 3 mortos

O terrorista Ala Qabha matou dois israelitas e feriu outros três, dois em estão em estado grave. Começou a comemoração dos "100 Dias de Raiva" decretados pela "Autoridade Palestina".

Nota: no vídeo do YnetNews disponível aqui, podemos ver que houve árabes que ajudaram as Forças de Defesa de Israel a tratar os feridos. Nem todos os muçulmanos em Israel se deixam levar pela propaganda do ódio jihadista. Que Deus os abençoe e os proteja de represálias dos terroristas.


..........................................................

2 soldados israelitas mortos; terrorista atropelador admite que queria matar

O terrorista "palestino" que cometeu um ataque por atropelamento na sexta-feira, um ex-prisioneiro de alta segurança, admite que queria matar israelitas.

Por: Adina Katz, World Israel News

Dois soldados das Forças de Defesa de Israel foram mortos num ataque terrorista no norte de Samaria, na tarde de sexta-feira, perto da comunidade israelita de Mevo Dotan, quando Ala Qabha, de 26 anos, atirou o seu carro para cima de pessoal das forças de segurança e fugiu da cena do crime. Mais tarde, ele foi encontrado e preso.
As vítimas foram nomeadas na noite de sábado como Ziv Daos, 21 anos, e Netanel Kalahani, 20 anos.

Netanel Kahalani, 20, um motorista do exército da comunidade de Elyakim, no norte de Israel, deixa pais e quatro irmãos, um dos quais serve na Brigada de elite Golani.

Ziv Daos, 21 anos, da cidade de Azor, no distrito de Tel Aviv, servia numa equipa de resgate e deixa pais e duas irmãs.

Três outras vítimas, também nos seus 20 anos, foram feridas - uma leve, uma grave e outra muito gravemente.
 
Qabha foi libertado da prisão no ano passado depois de cumprir uma sentença de 17 meses por actividades relacionadas com o terrorismo.

As forças de segurança realizaram operações durante toda a noite na aldeia de Barta'a, cidade natal de Qabha, onde prenderam o seu irmão e  o seu tio, que suspeitam terem sido cúmplices no ataque.


O carro usado no ataque, na manhã de sábado.


O terrorista originalmente alegou que se tratou de um acidente de carro. Sob interrogatório, admitiu que realizou o ataque deliberadamente, com a intenção de matar israelitas, disse o Shin Bet (Agência de Segurança de Israel).

A família de Qabha continua a negar o motivo. "Foi um acidente de carro, como qualquer acidente que se ouve todos os dias", disseram à Walla News. "Este não é o primeiro nem o último acidente, e acontece todos os dias".

"Conheço o meu filho muito bem. É um rapaz que trabalha,  tem ambições de se casar e construir uma casa, ele não tem tais pensamentos, e compartilho a tristeza das famílias dos mortos".




A família também rejeitou a declaração de elogio pelo ataque vinda do grupo terrorista Hamas.
O porta-voz do Hamas, Hazem Qassem, observou que  o massacre ocorreu "100 dias após a decisão de Trump de transferir a embaixada para Jerusalém, e prova a prontidão do nosso povo para continuar a intifada até que a plena liberdade seja alcançada". 



Evacuação dos feridos.



IDF: "Sem dúvida, o ataque foi deliberado"

O porta-voz do IDF, Jonathan Conricus, confirmou que o ataque foi "de facto deliberado".

Após o ataque, Yoav Mordechai, chefe de Coordenação de Actividades Governamentais nos Territórios da Judeia e Samaria (COGAT), anunciou um congelamento imediato de licenças para que a família do terrorista entre em Israel, incluindo 67 licenças de trabalho, 26 comerciais e quatro licenças de trabalho.

"Das profundezas do meu coração, envio condolências às famílias do oficial e do soldado das Forças de Defesa de Israel que foram assassinados ontem por um terrorista, e os meus melhores desejos de uma rápida recuperação dos feridos", afirmou o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu na noite de sábado. "Trabalharemos para demolir a casa do terrorista e lidaremos com ele na maior extensão da lei".

"Em todo o Shabat, as nossas orações e pensamentos foram para as famílias das vítimas do terrível ataque terrorista ocorrido na tarde de sexta-feira. Envio um caloroso abraço de conforto e força às famílias dos mortos, e rezo pela rápida recuperação dos feridos. Que todas as forças de segurança sejam fortalecidas, operando em todas as arenas - no campo e na gestão das informações - para investigar aqueles que perpetraram e ajudaram no ataque. Não descansaremos até que tragam todos aqueles que cooperam com o terror à Justiça, não permitiremos que o terror se torne uma norma aceite", afirmou o presidente Reuven Rivlin. 

  
A família enlutada do jovem soldado Netanel Kahalani, ontem.



Liberman culpa a "Autoridade Palestina", apela à pena de morte

"Vamos agir para condenar o terrorista à morte, demolir a sua casa e punir qualquer um que tenha participado do ataque. Não é um 'terrorista solitário'. É um terrorista apoiado por Mahmoud Abbas e pela Autoridade Palestina (AP) que paga prémios em dinheiro às famílias dos terroristas", afirmou o Ministro da Defesa, Avigdor Liberman. "Nós vamos detê-los", prometeu.

O embaixador israelita na ONU, Danny Danon, disse que "enquanto a Autoridade Palestina continuar a pagar centenas de milhões de dólares aos terroristas que matam israelitas, continuaremos a ver ataques tão hediondos. A comunidade internacional deve condenar este odioso acto de terror e exigir que a liderança palestina finalmente acabe com a prática desprezível de 'pagar para matar'".

Terrorista Yassin Abu al-Qar’a, um dos muitos beneficiários dos pagamentos milionários concedidos por Mammoud Abbas a quem mate israelitas.
...................................

As comemorações dos "100 Dias de Raiva" prosseguem, agora com um esfaqueamento, na Cidade Velha de Jerusalém, há momentos.



P.S. - O israelita esfaqueado mortalmente por um jihadista na cidade velha de Jerusalém foi identificado como Adiel Kolman, de 32 anos. 
Adiel Kolman, pai de quatro filhos, era de Kochav Hashajar, região de Binyamin. 


Kolman, que foi gravemente ferido no atentado terrorista da tarde, morreu de suas feridas no hospital horas mais tarde. 

Abd al-Rahman Bani Fadel.

Os jornalistas de todo o mundo estão a dar a notícia como é da praxe: titulam que a polícia israelita matou um "palestino". O terrorista é glorificado como "vítima inocente". 

O terrorista "palestino" Abd al-Rahman Bani Fadel, de 28 anos, foi morto a tiro no local por um polícia israelita.  

A faca usada no assassínio. 
Se o terrorista tinha "só uma faca" (com a qual matou um inocente) e o polícia tinha uma arma de fogo (malandros dos polícias israelitas, que andam armados), então o terrorista é que é o coitadinho. É assim que o raciocínio comum funciona. É pena que essas pessoas não experimentem levar as mesmas pacíficas facadas, só para verem como é.

Pouco antes das 17 horas, Fadel aproximou-se de Kolman na rua Hagai e apunhalou-o repetidamente na parte superior do corpo, ferindo-o gravemente.


Um médico corre para tentar salvar a vida de Adiel. E assim continuamos. Os maometanos até entre eles se matam sem cessar, há 1400 anos, mas a Israel é pedido que faça a paz com quem apenas deseja exterminar os judeus. 
COMENTÁRIO

Mais um capítulo da INTIFACADA, a campanha de extermínio dos judeus financiada pelo mundo islâmico, pelo mundo comunista e pelas potências ocidentais.
Para os islamistas e para grande parte do mundo, que desconhece a História de Israel e quase tudo sobre o país, e adopta a narrativa dos islamistas,  o assassino é um herói.
Porque essas pessoas têm uma "opinião". E se eu for da opinião de que uma galinha é um avião, pois é a minha opinião, pois tão válida pois como qualquer outra...
A propaganda de demonização de Israel (vulgo PALLYWOOD) arrebata corações já de si propensos ao anti-semitismo:

http://www.pallywood.com/

Clique na imagem para visitar o site homónimo.

Não perca este canal YouTube.


Quando os terroristas atacam aqui na Europa ou nas Américas, a opinião pública admite que se trata de terrorismo.
Quando  atacam em Israel, são louvados pelo seu "heroísmo", pois no imaginário ocidental, os terroristas que matam israelitas são uns "valentes que só têm paus e pedras" (e carros, e facas, e bombas, e pistolas, e metralhadoras), ao passo que Israel "tem um exército bem equipado". Portanto, os terroristas "têm razão".
Quando os mesmos terroristas atropelam, esfaqueiam, abatem a tiro ou à bomba seres humanos iguaizinhos aqui na Europa, os países europeus também têm exércitos bem equipados, mas o mesmo raciocínio não se põe.
Por acaso, Israel tem o Exército mais moral da História, mas não chega... Os soldados deveriam  matar o seu próprio povo e a seguir cometerem suicídio, para agradarem às pessoas que têm uma "opinião".


Ignoram os adoradores ocidentais do terrorismo, que o Islão não os poupará. Se forem portugueses, ignoram que a seguir a Israel é o nosso pais que está na lista das terras a conquistar para Alá.
E não adianta irem fazer-lhes tagatés, como o Professor Martelo.
Os muçulmanos olham para essas manifestações de submissão com um divertido desdém. Eles desprezam acima de tudo os COBARDES.


Para não mencionar que os protagonistas da INTIFACADA são afectos ou membros de grupos terroristas, alguns bastante sofisticados, como o Hezzbollah, a Fatah, o Hamas, etc..
Mas há sempre boas desculpas para o assassínio de judeus. Os nazis tiveram-nas, a Inquisição teve-as, então porque não a suprema imbecilidade de que Israel é dos Árabes, que invadiram a Terra Santa em 1920? Tudo serve.

E importa o que pensam as pessoas com "opiniões"?
Importa. Porque é a opinião pública cega pelo anti-semitismo que permite que continuem a ser despejados milhões nos cofres dos grupos terroristas que matam judeus em Israel.
Agora que os Estados Unidos cortaram os milhões Obamescos de subsídio aos terroristas, é ver a União Europeia aos saltinhos e a a dar ao rabinho, desejosa de se espojar (ainda mais) aos pés dos terroristas.
Porque a União Europeia sabe que a opinião pública europeia acha que é dinheiro bem gasto o que vai para armas, bombas, carros e subsídios para matar judeus em Israel.

O Senhor estará em guerra contra Amaleque de geração em geração
Êxodo 17:16

De resto, há quatro milénios que Amalek tenta obliterar Israel. Não conseguiu, não consegue, nunca conseguirá.
Cada um destes vis massacres só fortalece mais a determinação dos que confiam em Deus e na vitória do Bem.
Para além da legitimidade legal e histórica comum aos outros Estados, Israel é o único país do Mundo fundado por Deus, e os judeus são o povo nativo, que Ele escolheu para o habitar. Quem odeia o Deus de Israel... vinga-se nos judeus.
Mas podem os Amalequitas espernear quanto queiram, podem matar quanto possam.
As profecias estão cumpridas e se Deus quiser nunca mais os judeus perderão a soberania sobre a sua Terra.
Amen.



…Eu te abençoarei, engrandecerei teu nome; serás tu uma bênção! Abençoarei os que te abençoarem, amaldiçoarei aquele que te amaldiçoar. Por teu intermédio abençoarei todos os povos sobre a face da terra!”
 Génesis 12

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão desactivados. As nossas desculpas.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.