quinta-feira, 15 de março de 2018

Benefícios da diversidade - o Canibalismo

Surto de canibalismo: não 28 dias depois, mas a Europa em 2018
- Um artigo de Defend Europa
Se tiver estômago (no pun intended) consulte a nossa secção CANIBALISMO.


Menos de duas semanas depois da notícia de que a máfia nigeriana matou e possivelmente jantou uma jovem italiana, surgiu outra horrível história de canibalismo, desta vez dos subúrbios parisienses. Três homens foram presos no dia 19 de Fevereiro em Clichy-sous-Bois, uma notória Zona Proibida a Não-Muçulmanos, depois de uma sobre dinheiro ter resultado em pedaços de orelhas e lábios de um homem sendo mordidos e engolidos. Os perpetradores provêm das ilhas cabo-verdianas, ao largo da costa do noroeste da África. A origem étnica da vítima, devido ao típico obscurantismo burocrático francês, é desconhecida.

Desmembrada e comida pela máfia nigeriana: não deveríamos ter um bocadinho de cuidado com quem entra na Europa dizendo-se "refugiado" da Síria?




Nota: se você é contra o canibalismo, não respeita a tradição cultural de outros povos, é um etnocentrista e possivelmente até um racista.

Embora seja tentador descartar estes eventos horríveis como ocasionais, a preponderância de evidências vindas de África sugere o contrário. A Sociedade Leopard, operando a partir da África Ocidental - Serra Leoa, Nigéria, Costa do Marfim e Libéria principalmente - capturava e desmembrava pessoas e compartilhava a carne, na crença de que poderiam absorver energia da vítima e de que esta os fortaleceria como guerreiros.
Em países como a Tanzânia, o desmembramento de albinos, e muitas vezes a ingestão da sua carne, é praticada por bruxos, e os membros dos albinos falecidos são vendidos como encantos de boa sorte.
O ditador ugandês Idi Amin gostava muito da carne humana, e o Exército de Resistência do Senhor, que opera naquela nação e em várias outras, pratica o "canibalismo mágico".
Em 24 de Outubro de 1986, o auto denominado Imperador do Império Centro Africano, Jean-Bédel Bokassa (Imperador Bokassa I), foi julgado, embora nunca tenha sido condenado, por comer várias pessoas. Nos anos seguintes, a minoria muçulmana tem sido rotineiramente vítima do canibalismo na República Centro-Africana. O canibalismo forçado foi uma prática comum durante as guerras civis liberianas, congolesas, serra leonesas e sudanesas.

Do relatório da União Africana sobre o Sudão:

    "A comissão encontrou casos de violência sexual e de género cometidos por ambas as partes contra as mulheres. Também documentou a extrema crueldade exercida através da mutilação e queima de corpos, drenagem de sangue de pessoas acabadas de matar e o imposição aos membros de uma comunidade étnica de beberem sangue ou comerem carne humana queimada".

Houve vários relatórios do Congo de que os pigmeus Mbuti estão a ser tratados como um tipo de especialidade gastronómica perversa - e que esses pigmeus geralmente são comidos vivos.
Sete homens sul-africanos foram presos e tentaram, no ano passado, trabalhar com um curandeiro tradicional para atrair mulheres, estuprá-las e depois consumir a sua carne. Eles supostamente alimentaram com essa carne trezentas outras pessoas. O Dr. Gwyn Campbell, escrevendo no The South African Medical Journal, observa que, tradicionalmente, na África do Sul e em Madagáscar, as pessoas praticam dois tipos de canibalismo:
    "Exocanibalismo, onde os inimigos são consumidos, e endocanibalismo, onde parentes mortos são comidos para ajudar a sua passagem para o mundo dos antepassados, ou para prolongar o contacto com familiares amados e admirados, e absorver as suas boas qualidades".

O endocanibalismo é amplamente praticado no Burundi, onde os parentes falecidos são comidos, na crença de que isso também permitirá a ingestão das proezas de caça do referido parente.
Em certas partes do Quénia, como da Tanzânia, o canibalismo dos albinos é praticado sob a crença de que trará riqueza e boa sorte.
Entre a tribo Luhya no Quénia, acredita-se que comer os órgãos genitais de uma jovem virgem curará a AIDS.
Em 2016, o traficante humano eritreano "The General" Medhanie Yehdego Mered foi preso quando transportava um telemóvel que apresentava imagens gráficas e vídeos de execuções de migrantes e do consumo da sua carne e venda dos seus órgãos. Mered está associado a uma rede de tráfico que opera principalmente em África e na Itália. 
Ainda não está convencido? Em 2003, foram feitas onze prisões de praticantes de "magia negra" nos Camarões, que haviam assassinado e comido os órgãos de dezassete vítimas.
Onze prisões foram feitas na Nigéria, em 2014, num restaurante que servia cabeças humanas assadas como iguaria.
No ano passado, um homem sul-africano foi executado pela Polícia depois ter recusado parar de comer uma mulher que havia decapitado.
Também no ano passado, na África do Sul, um tio matou o seu sobrinho de quatro anos e o fez dele um ensopado. Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, o ditador residente da Guiné Equatorial, tem sido conhecido por torturar os seus inimigos políticos até à morte e comer os seus testículos e cérebros.
O canibalismo não se limita a África. Houve relatos recentes da sua prática na Síria, no Iraque, na Índia, no Laos, no Cambodja, na Indonésia, em Myanmar e no Paquistão, e todos estamos familiarizados com a antiga tradição guineense de Papua Nova Guiné de exocanibalismo (muitas vezes testemunhado em toda a Polinésia).
Assim, além do aumento das taxas de criminalidade, ataques com ácido, agressões sexuais, pedofilia, erosão do capital cultural, bordeis de bestialidade e pequenos horrores deprimentemente regulares como um migrante sírio sendo detido por estuprar um pónei num zoo infantil na Alemanha, nós também temos outro "benefício" da diversidade para adicionar à lista - o canibalismo!
Isto é precisamente o que se pode esperar quando os nossos líderes decidem que a sua população deve ser substituída por pessoas vindas de regimes onde reina a Idiocracia, que estão esmagados sob montanhas de lixo, que têm sistemas de saneamento inexistentes, apesar de receberem literalmente biliões em ajuda internacional, ou que valsam com os mortos, como os malgaxes fazem durante o festival de Famadihana - o que, sem surpresa, levou a várias ocorrências da Peste Negra.

..............................................



Uau! Vai fazer furor no Starbucks!


4 comentários:

  1. Esse é o Multiculturalismo defendido pelos esquerdistas no mundo todo.

    Merkel está a destruir a Europa.

    ResponderEliminar
  2. Estou a ver que o amigo é como eu, um malvado de um reaccionário que discrimina os canibais! Um canibalofóbico!

    Não tarda seremos obrigados a frequentar aulas de tolerância à diversidade nutricional...

    OdF ;)

    ResponderEliminar
  3. Os indígenas americanos também praticavam canibalismo mas os esquerdistas acham que os europeus são malvadões por terem convertido os índios ao cristianismo e acabado com isso. Alguns ainda enterram crianças que nascem com deficiência. Já que falou sobre Idi Amin e Bokassa porque então não falar do apoio que Gadaffi deu a eles ? Ou então de como a Arábia Saudita deu refúgio a Idi Amin por caridade islâmica após Gadaffi o expulsar ? Por falar em Gadaffi quem não se lembra do que ele andou financiando ao longo da vida ? Aliás muita coincidência Bokassa ter se convertido brevemente ao islã durante seu reino. Falando em Obiang vale a pena citar: diplomacia entre Estados Unidos e Guiné Equatorial entrou em colapso em 1993, quando o embaixador John E. Bennett foi acusado de prática de bruxaria nas sepulturas de 10 aviadores britânicos. Depois de receber uma ameaça de morte, em Malabo, Bennett deixou o país em 1994.[3] Nenhum novo diplomata foi nomeado, e a embaixada foi fechada em 1996.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Rogério, estou a ver que vai parar a um campo de reeducação comigo. Quando são pessoas não ocidentais nem judeo-cristãs a praticar o canibalismo, o estupro, a guerra santa, etc., chama-se CULTURA.

      Ora vamos é seguir o exemplo da amiga Anna (ver post), uma rapariga moderna que foi a Madagáscar dançar com os mortos, beber rum e apanhar uma camada de Peste Negra.

      OdF ;)

      Eliminar

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.