quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Israel Cycling Academy - uma equipa muito especial

Depois do 2º lugar de ontem, Krists Neilands, campeão letão e membro da Israel Cycling Academy, volta a disputar o sprint e arrancar um 4º lugar na etapa que terminou em Viana do Castelo. Mantém assim a liderança do Prémio da Juventude e reafirma a formação israelita como das principais animadoras desta volta.
Aqui vai um artigo com aspectos interessantes sobre esta equipa, uma das equipas profissionais de Israel:


Gustavo Veloso (W52/FC Porto) venceu esta quarta-feira a quinta etapa da Volta a Portugal, depois de 179,6 km entre Boticas e Viana do Castelo, num sprint no alto de Santa Luzia.

Equipa de ciclismo profissional de Israel sente o carinho
 
Embora tenha ganho 13 corridas na Europa e em Israel este ano, a Team Cycling Academy é tanto um empreendimento de acção social como um empreendimento desportivo.
 , 2015, com tradução nossa
A Israel Cycling Academy, a equipa de ciclismo profissional de Israel, recentemente formada, não ganhou nenhuma medalha no recente Challenge USA Pro, de 17 a 23 de Agosto, em Denver. Mas recebeu muito amor.


A equipa Cycling Academy em Jerusalém, no início da sua aventura. Foto: Tim de Waele/TDWSport.com

No topo de quase todos os exuberantes picos da rota montanhosa, os corredores encontraram presentes de fãs sob a forma de bandeiras israelitas e até mesmo, numa ocasião memorável, um homem que soprava um shofar (um chifre de carneiro), um poderoso símbolo judaico. No asfalto, as suas rodas encontraram as Estrelas de David apressadamente pintadas e milhares de espectadores acenando com as cores de Israel, o azul e o branco.

"Estamos a deixar as pessoas orgulhosas", diz Tsadok Yecheskeli, jornalista e consultor para os media da equipa, falando com o ISRAEL21c desde Denver. "Não é apenas um projecto de ciclismo. A equipa transmite algumas mensagens que estamos apenas a começar a entender."

A Cycling Academy e Dan Turek são aplaudidos no USA Pro Challenge em Denver. Foto de John Pearce.


Embora a equipa tenha vencido 13 corridas em toda a Europa e em Israel neste ano inaugural, a Cycling Academy é tanto um empreendimento de acção social como um empreendimento desportivo. 
De acordo com a visão do fundador da equipa e dono Ron Baron e do manager Ran Margaliot, a Academia recruta jovens ciclistas promissores de qualquer país onde faltem oportunidades profissionais. A lista de atletas inclui actualmente 13 ciclistas do sexo masculino - cinco israelitas, quatro polacos, dois eslovacos, um checo e um espanhol, que vão de 19 a 24 anos - cujos sonhos no ciclismo não seriam realizados de outro modo.

Momentos de emoção e boa disposição:


Esta pode não ser uma receita à prova de falhas para evitar tropeções, mas produz surpresas reconfortantes.
Por exemplo, Dan Turek, de 22 anos, da República Checa, foi o primeiro na linha de chegada na corrida internacional Volta ao Azerbaijão, em Maio. "Esta foi a nossa primeira vitória, e Dan foi saudado opormilhares de muçulmanos nas ruas e na linha de chegada", diz Yecheskeli. 
"Dan não conseguiu entrar numa equipa profissional séria no seu país natal, então nós fomos buscá-lo e encontrámos uma jóia. Ele é um corredor muito agressivo e tornou-se a estrela da equipa. Antes de nós existirmos, ninguém lhe deu uma chance de competir nas grandes corridas, e nós permitimos que ele brilhasse. Eu acho que ele está a caminho de uma grande equipa profissional", prevê Yecheskeli.

Nota nossa: Dan vence a Volta ao Azerbaijão e é saudado pela assistência muçulmana. O desporto tem destas coisas maravilhosas...
 

Depois, há o Yoav Bear, de 24 anos, o único dos oito corredores da Team Cycling Academy a terminar a corrida de 620 milhas do Colorado, em que altitudes de 3.000 metros derrubam mesmo os mais bem treinados atletas.
"Yoav tinha-se aposentado do ciclismo há um ano e estava a estudar na universidade. Ron persuadiu-o a regressar. Então ele juntou-se à equipa e ele leva os seus livros escolares com ele quando viajamos", diz Yecheskeli.

Viagens mundiais

A equipa viaja um pouco para além das suas corridas em Israel. Logo após a sua fundação em Dezembro passado, num evento público em Jerusalém, a 
Israel Cycling Academy foi para a Argentina para a Volta a São Luís. Em Março, competiram em três eventos na Croácia e um na Áustria e na República Checa.
Entre Abril e Agosto foram novamente para a República Checa e para a Áustria, bem como para a Sérvia, Croácia e Polónia, Azerbaijão, Hungria, Alemanha, Eslováquia e na China. Antes de irem ao USA Pro Challenge, eles treinaram nos Alpes e competiram no campeonato de ciclismo checo.
Os últimos quatro meses de 2015 estarão ocupados com a Volta à Bulgária, à Boémia, a Hradec Kralowe-Wroclaw, com os Campeonatos do Mundo UCI de Estrada na Virgínia, a Volta ao Cazaquistão, a Taça do Japão e a Volta ao Ruanda.
Durante uma corrida de seis dias na Polónia, Yecheskeli soube que a cidade de onde os ciclistas partiram tinha sido 50% judaica antes da Segunda Guerra Mundial e nenhum judeu ficou vivo. "Pareceu-me simbólico termos três israelitas e três polacos na equipa, competindo juntos, ombro a ombro".
A estrela da Volta à França, Peter Sagan, ciclista da equipe do World Tour Tinkoff-Saxo, concordou em ser o embaixador internacional da Israel Cycling Academy  porque gostou da sua abordagem de "academia" para desenvolver futuros talentos de todos os segmentos da sociedade. Quando estão em casa, os atletas da Academia de Ciclismo ajudam a treinar jovens desfavorecidos na Escola de Ciclismo Shimshon Riders em Beit Shemesh.
Em Junho, a equipa recrutou com sucesso Guy Sagiv, de 19 anos, logo depois de ele se ter tornado o vencedor mais novo da corrida de estrada dos Campeonatos Nacionais Israelitas no Parque Nacional Beit Guvrin. Entre os que ele superou, estão três outros membros da Israel Cycling Academy.
Devido à sua distinção, Sagiv corre com um equipamento especial em azul e branco (quando ele não está a usar o uniforme do IDF) A estrela do pop israelita e o entusiasta de ciclismo Ivri Lider projectou o equipamento oficial preto e verde da equipa, que dá nas vistas pela falta de patrocinadores. Nota nossa: a equipa já angariou patrocínios.

Guy Sagiv usa um equipamento especial em reconhecimento ao seu estatuto de campeão (entretanto, e após este artigo ter sido escrito, outros campeões nacionais se juntaram à equipa e envergam as cores dos seus países).

"Depois do primeiro ano, talvez possamos receber patrocinadores", diz Yecheskeli. "A nossa visita aos EUA mudou algumas das nossas perspectivas, e vemos que os EUA poderiam ser uma base maravilhosa para a equipa. Fomos solicitados para recepção após recepção e fomos convidados a ficar e treinar no Colorado, então achamos que a equipa vai conquistar algum talento americano. Temos em mira um ciclista judeu-americano que está disposto a fazer aliá. Isso reforçará a identidade da equipa e inspirará as pessoas ainda mais do que até agora".

Não são apenas os americanos que querem juntar-se à Team Cycling Academy. "Você não pode imaginar quantos apelos tivemos no último mês, de países árabes, e estamos totalmente abertos a ter um corredor muçulmano", diz Yecheskeli. "Os amigos que seguem a nossa página no Facebook são de países como Argélia, Marrocos e mesmo do Irão".

YouTube: Israel Cycling Academy.

 Um presente muito especial para a ICA, cá em Portugal:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.