sexta-feira, 22 de setembro de 2017

O lado nazi de Angela Merkel


"Muttie! Muttie!" - os alemães voltam a encantar-se com uma "Mãezinha" que pensa por eles...

Conclusão de:
Nota: Escolhemos para título deste post o título do artigo original de Theodore Shoebat. Não concordamos necessariamente com todas as opiniões do filho do ex-terrorista islâmico e hoje cristão Walid Shoebat ("Salvem os Cristãos"), mas achamos que merecem atenção.
PAZ FALSA  
A opinião geral é que a Alemanha é hoje uma nação de paz - o mesmo tipo de sentimento que existia antes da erupção da Segunda Guerra Mundial.  
Theodore Shoebat 
Após a Primeira Guerra Mundial, a Alemanha foi completamente reduzida à pobreza extrema. A nação alemã tornou-se um lugar absolutamente devastado.
A Alemanha, por toda a destruição que os seus soldados causaram na Primeira Guerra, ficou a dever biliões de dólares. Como os alemães não pagaram, os franceses invadiram o centro industrial da Alemanha, o Ruhr.  
Em 11 de Janeiro de 1923, dezenas de milhar de militares franceses entraram no Ruhr. 
Os civis alemães, aterrorizados e enfurecidos, viram-se diante de sessenta mil soldados franceses. Em Março desse ano, os franceses haviam cortado o Ruhr e a Renânia do resto da Alemanha.

Soldados franceses no Ruhr.

De volta à França, o veterano de guerra e parlamentar francês, Andre Maginot, exigiu que toda a área do Ruhr fosse queimada, como a Alemanha fez na França. 
Mas os franceses não estavam interessados ​​em destruir o centro industrial da Alemanha, eles estavam interessados ​​em apropriar-se do seu carvão. Os franceses exigiram que os alemães no Ruhr trabalhassem para abastecer a França com carvão. Mas os alemães resistiram, recusando-se a trabalhar. 
Os mineiros declararam que não cavavam, e não trabalharam. De 170 mil trabalhadores, apenas 357 concordaram em trabalhar. Os franceses tiveram que usar a força, e 147 mil homens, mulheres e crianças alemãs foram exilados. 
Centenas de trabalhadores ferroviários revoltaram-se, cometendo actos de sabotagem. Quatrocentos trabalhadores ferroviários foram presos e 120 alemães perderam a vida. 
Agora, há muitas pessoas que dirão que o que os franceses fizeram foi injusto. Mas, quando os alemães invadiram a França na Primeira Guerra Mundial, eles executaram milhares de civis franceses e atacaram até as igrejas. 
O que os franceses fizeram, fazendo com que alguns dos alemães trabalhassem para pagar a compensação por todos os horrores que a Alemanha cometeu contra os franceses, foi até bastante civilizado.
A ocupação francesa da terra alemã era efectiva; a taxa de câmbio foi reduzida de 7.260 para o dólar, para 49.000 pontos para o dólar. Em Junho desse ano, caiu para mais para 150 mil pontos para o dólar, e em Agosto, caiu para um milhão.
A fome foi desenfreada no Ruhr e dezenas de pessoas foram mortas em distúrbios por causa de pão. Foi tão mau que trezentas mil crianças famintas foram transportadas do Ruhr ocupado francês, para a Alemanha continental. 
Os alemães ficaram tão desesperados que começaram a pedir ajuda aos americanos e aos britânicos.
Os americanos estavam muito hesitantes em agir, com o secretário de Estado, Charles Evans Hughes, dizendo: "A América tem sido o único ponto de estabilidade do mundo e por esse motivo, absolutamente não conseguimos fazer nenhum movimento, a menos que com a certeza de que seja bem sucedido"
O presidente Harding não estava muito interessado em ajudar, porque ele não queria que a sua administração ficasse presa entre o Congresso e a Europa. Evans disse ao embaixador britânico, Lord D'Abernon, que os franceses e os alemães teriam que "gerir o seu próprio caos" até chegarem a um acordo. 
Em 20 de Julho, os britânicos fizeram a sugestão de que talvez pudesse ser feito algum tipo de cooperação entre Londres e Washington para ajudar com a controvérsia das reparações à França por parte da agora faminta Alemanha. Mas, as tensões ainda estavam altas entre a Alemanha e a França. Berlim encorajava os alemães do Ruhr a resistir suavemente aos franceses. E quando o primeiro-ministro francês, Raymond Poincaré, disse à Alemanha que pedisse a paragem das actividades da resistência, e Berlim se recusou, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha decidiram retirar-se da tensão. 
Em 1923, Gustav Stresemann tornou-se chanceler da Alemanha. Stresemann acreditava que a ascensão do império americano trouxera uma nova ordem mundial, em que o poder económico americano dominava a Terra. 
Stresemann, assim como os japoneses antes da Segunda Guerra Mundial, acreditava que, para que a Alemanha sobrevivesse, precisava de se conformar com a hegemonia americana e criar "uma esfera económica de tamanho americano na Europa Central"
Em 26 de Setembro, a Alemanha não poderia por mais tempo suportar a ocupação francesa do Ruhr, e chegou a acordo. A Alemanha, fraca e patética, mergulhou tão profundamente num estado lúgubre, longe do seu antigo poder, e teve que se submeter aos Estados Unidos e ao Entente para sobreviver.


Gustav Stresemann. 

A direita na Alemanha estava furiosa, abandonando o chanceler Streseman, tal era o seu ódio por ele. Não só isso, Streseman também foi abandonado pelo Partido Socialista. O partido de centro-direita de Stresemann, o Partido do Povo Alemão, foi deixado governar sozinho. 
Nessa altura, havia muitas facções na Alemanha. Os comunistas alemães estavam a tentar a conquista revolucionária do país, com os Marxistas estabelecendo o seu próprio estado dentro da Saxónia.
A extrema direita estava em alta na Baviera, onde os admiradores de Mussolini se congregaram, e um verborreico austríaco chamado Adolf Hitler começou a conspirar rebelião, numa ira violenta contra os franceses. 
Hitler começou por pedir aos nacional-socialistas que atacassem o Estado marxista da Saxónia. A guerra civil estava a ser fomentada, e Stresemann precisava acalmar a situação. 
Ele enviou as forças de defesa alemãs (Reichswehr), contra os comunistas e os nacional-socialistas. O chefe do Reichswehr, general Hans von Seeckt, respondeu que não se importaria em atacar os marxistas, mas que não iria contra os nacional-socialistas. 
O que é mais interessante é que von Seeckt estava fortemente envolvido na facilitação do genocídio dos arménios pelo Império Otomano. Enquanto os turcos chacinavam os cristãos, von Seeckt escreveu: "É impossível ser aliado dos turcos e defender os arménios. Na minha opinião, qualquer consideração, cristã, sentimental ou política, deve ser eclipsada pela clara necessidade do esforço de guerra".
General Hans von Seeckt com os seus soldados, 1925.

Von Seeckt apoiou os otomanos no seu genocídio e não desejava detê-los, e também não queria parar os nacional-socialistas na sua violência. 
O que  significa isto? Isto significa que os fascistas - os nacional-socialistas - viram os muçulmanos otomanos como outros fascistas. 
Quando Hitler invadiu a Polónia,  ordenou o extermínio dos polacos, e referiu tanto os mongóis quanto os otomanos - ambos os povos do sangue turco - como sua inspiração. 
Numa carta de 1939, Hitler escreveu:
"A nossa força consiste na nossa velocidade e na nossa brutalidade. Genghis Khan matou milhões de mulheres e crianças - com premeditação e um coração feliz. A História vê nele apenas o fundador de um Estado.
É-me indiferente o que uma fraca civilização da Europa Ocidental vai dizer sobre mim.
Eu emiti a ordem de que o nosso objectivo de guerra não consiste em alcançar certas linhas, mas na destruição física do inimigo. Consequentemente, coloquei as minhas as formações em prontidão - apenas no Oriente - com ordens para que enviassem a morte sem piedade e sem compaixão, a homens, mulheres e crianças de ascendência e linguagem polacas.
Só assim podermos obter o espaço vital (Lebensraum) que precisamos. Quem, afinal, fala hoje sobre a aniquilação dos arménios?".


 Um soldado do Terceiro Reich ao lado de civis mortos a tiros na Jugoslávia.

Os arménios foram destruídos pelos otomanos, e Genghis Khan e seus bárbaros passaram seis meses matando e saqueando a China. Estas foram as inspirações de Hitler, e ambas eram turcas.
O que torna isto interessante é que os alemães foram os que destruíram a parte ocidental do Império Romano, sob o guerreiro germânico Odoacer, no ano 476, e foram os turcos, no ano 1453, que destruíram a parte oriental do Império Romano. 
Em 1923, o principal barão de carvão e aço do Ruhr, Hugo Stinnes, e o estadista alemão, Konrad Adenauer, concluíram que os Estados Unidos não se preocupavam com a Alemanha e que nenhuma "ajuda significativa" deveria ser "esperada tanto da América ou a Inglaterra". 
Stinnes queria criar um "bloco continental" baseado no Ruhr e na Renânia, que seria capaz de resistir ao poder "anglo-saxão". O que isso me lembra é como as autoridades alemãs estão a falar hoje em relação aos Estados Unidos: eles dizem que os EUA já não estão interessados ​​em garantir a segurança da Europa e, portanto, uma nova ordem de política militar deve ser configurada.

Quando os alemães começaram a falar assim na década de 1920, os Estados Unidos ficaram com medo de uma Alemanha em ascensão, com uma economia que poderia ofuscar a dos EUA. Os americanos começaram então a tentar manter boas relações com os alemães.
Os britânicos também começaram a expressar a sua simpatia pelos alemães. O primeiro-ministro britânico Ramsay MacDonald chegou mesmo a condenar os franceses, chamando a ocupação da Alemanha pela França uma conquista de um país "debilitado e desarmado" por um "país bem armado e poderoso", e até mesmo como o triunfo do "mal". Para MacDonald, o único caminho para a prosperidade da paz era que a França cessasse "a sua política de vaidade egoísta".

Philip Snowden, o primeiro chanceler do Tesouro do Partido Trabalhista, condenou a ocupação francesa do Ruhr como a tentativa de "escravização" por parte da França "de sessenta ou setenta milhões das pessoas mais instruídas, mais industriosas e científicas".
Olhe-se para esta maneira de falar, para este elogio do povo alemão como uma espécie de raça elevada. É uma reminiscência do tipo de vã exaltação que você ouviria dos fanáticos da extrema-direita de hoje. Há outra situação que ocorreu na Europa, que também tem paralelo com o jargão de hoje. Quando os franceses ocuparam a Alemanha, não foram apenas tropas francesas, mas também auxiliares senegaleses. Algumas histórias começaram a espalhar-se sobre como os soldados senegaleses supostamente violavam mulheres alemãs. As histórias tiveram uma grande propaganda e provocaram a raiva dos nacionalistas. Um dos propagandistas foi um britânico chamado E.D. Morel, que retrataria os episódios como "Black Horror on the Rhine" ("Horror Negro no Reno"). Não surpreendentemente, Morel usou os episódios na propaganda contra a ocupação francesa da Alemanha, afirmando que a França queria "rasgar os pulmões e o coração do corpo vivo da Alemanha".

Simpatia pela Alemanha como uma nação cujas mulheres estão a ser estupradas por estrangeiros para despejar combustível nos incêndios do nacionalismo foi o que aconteceu então, e estamos a ver uma situação bastante semelhante hoje, com os casos de mulheres alemãs agredidas sexualmente por migrantes a serem usados ​​como meio de propaganda por neo-nazis.

Em Março de 1924, o chanceler Stresemann falou contra Hitler, cujo movimento nacional-socialista cresceu em popularidade. Falando para o Partido Popular Nacional Alemão de Direita (DNVP) em Hanôver, Stresemann disse que, embora fosse a coisa mais fácil tornar-se o homem mais popular da Europa ao juntar-se a Hitler, o populismo não era um caminho prudente. 
O "apelo por um ditador" era o pior "diletantismo político" para Stresemann. Mas, quando o DNVP concorreu às eleições em Maio de 1924, tornou-se o segundo partido no Reichstag. Mais de um quarto do eleitorado alemão votou na extrema direita. 19% dos votos foram para o DNVP e 7% foram para o Partido Nacional dos Trabalhadores da Alemanha Socialista (NSDAP) de Hitler. Stresemann rejeitou a sugestão de unir forças com os radicais nacionalistas do DNVP pois para ele pan-germanismo e o anti-semitismo não eram "adequados para exportação".

Hitler obteve 7% dos votos em 1924, e o chanceler da Alemanha expressou o seu desgosto com o nacional-socialismo. Se estivéssemos a viver naqueles tempos, a ideia de que a Alemanha voltaria ao militarismo teria sido inconcebível, porque a maré do nacionalismo teria parecido tão minúscula. Mas aconteceu, com a ascensão do nacional-socialismo a dominar o país.
Então, quem pode dizer que não acontecerá novamente? Os sentimentos dos poderes mundiais de desarmamento militar e paz perpétua impregnaram o mundo após a Primeira Guerra Mundial, como fazem hoje, sempre que se fala de  harmonia entre os países ocidentais.

Em 14 de Setembro de 1926, a Alemanha, a Itália, a Grã-Bretanha, a França e a Bélgica, ratificaram o Pacto de Segurança de Locarno, segundo o qual esses países concordaram em manter uma paz perpétua. Em 1927, o chanceler Stresemann recebeu o Prémio Nobel da Paz e, na sua aceitação em Oslo, declarou que o Pacto de Locarno era a realização de um sonho europeu comum, a visão carolíngia de que "Treuga Dei, a paz de Deus" que iria prevalecer

Da esquerda para a direita, Gustav Stresemann, Austen Chamberlain e Aristide Briand durante as negociações de Locarno.

Em 27 de Agosto de 1928, quinze nações, incluindo a Alemanha, reuniram em Paris para endossar um tratado que exigia que os seus signatários "condenassem o recurso à guerra para a solução de controvérsias internacionais e renunciassem a ela como um instrumento de política nacional nas suas relações com outras nações".

Após estes acordos e conversações de paz, houve verdadeiramente paz? Não. A Alemanha quebrou a sua palavra de paz. Então, o que nos faz pensar que a Alemanha não retornará à guerra?
Se as conversações de paz e a diplomacia são razões para acreditar que a Alemanha nunca voltará ao militarismo, então você cometerá o mesmo erro que os que  acreditaram que a diplomacia que foi realizada antes da Segunda Guerra Mundial era realmente credível.
Na destruição do Império Romano, houve alemães e turcos. Um da terra do Reno e o outro dos vales de Orkhon e Selenga. Belisário combateu os primeiros, enquanto muitos dos imperadores de Bizâncio combateram os segundos. Um dia, os escravos de Odin invadiram Roma e o trono do Ocidente caiu.

E depois de algumas centenas de anos, o povo de Osman esmagou a última sede do Império. Sob as mãos turcas morreu a civilização, deixando o mundo para reconstruir na tempestade do caos, com o conhecimento que tinha sido preservado. 
Antes de o Império otomano colapsar, os filhos de Caim desejavam atacar os indefesos filhos de Abel. Os otomanos mataram milhões de transportadores da Cruz - Arménios e Assírios, os cristãos da Grécia - e atrás do turco, veio o alemão. O primeiro foi batido, enquanto o último conseguiu um banho de sangue.

Muitas flores murcharam, muitas nascentes secaram, muitos Invernos foram e voltaram, e a espada de Odoacer e a espada de Mehmet voltarão a aparecer, prontas para destruir o mundo novamente, na sua guerra contra a Humanidade.

A questão que assoma na alma é: o que será da Cristandade?

---------------------------------------

Com um Papa alinhado à esquerda e aparentemente indiferente ao Holocausto dos Cristãos, as perspectivas não são boas, Theodore Shoebat...

2 comentários:

  1. São tempos muito estranhos e confusos: os media, os comunistas, os islamistas estão unidos para derrubar fronteiras e erradicar raças, o cristianismo, o budismo, a família verdadeira, envenenar a juventude.
    As contradições avolumam-se carne Halal nas dietas e os animalistas agressivos mas não contra isto;
    Igualdade da mulher mas mais islão, mais porrada na mulher, menos direitos de herança, de livre escolha da sua vida;
    Combater o ódio mas aceitar o ódio aberto de imãs, de anti-fas, de pro-abortos;
    Pela dignidade humana mas mais respeito pelos animais
    Muito medo da pedofilia (na Igreja) mas muita tolerância com todas as outras fontes;

    É tanta contradição que só penso: é de propósito para ninguém ter qq convicção a que se agarrar.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.