sábado, 4 de março de 2017

Polvo Soros controla 1/3 do Parlamento Europeu

Colaboracionista nazi, estratega da extrema-esquerda globalista, anti-semita e inimigo de Israel, George "O Flagelo das Nações" Soros dava um blogue. Aqui só lhe podemos dedicar uma pequena secção. Eis como políticos se deixam comprar (possivelmente por mais que um prato de lentilhas);eis o porquê de certas posições absurdas e anti-patrióticas que os vemos defender:

O Polvo Soros: Pelo menos 226 deputados e dois ex-presidentes do Parlamento Europeu são fantoches de bilionário esquerdista Soros


Agora que os arquivos da Organização "Open Society Foundation" foram tornados públicos, sabe-se os nomes dos políticos da União Europeia que defendem os objectivos do bilionário esquerdista George Soros: em 751 membros do Parlamento Europeu, são 226 deputados - quase um terço.
E este é apenas um dos muitos grupos financiados pela Soros, de que o nosso site "Os Observadores" acaba de publicar a lista impressionante (uma lista a conservar, para se entender o comportamento antipatriótico de alguns*).
Entre os alemães, encontramos principalmente os parlamentares dos Verdes, o partido cripto-comunista "Die Linke" e os Liberais. Entre outros, Rebecca Harms, uma adversária histérica da Rússia entre os Verdes, o Conde Alexander von Lambsdorff Philipp entre Liberais e o ex-presidente do Parlamento Europeu, o socialista Martin Schulz.
Fonte
Tradução para o Francês, de Claude Haenggli

Via:
http://www.europe-israel.org/2017/03/la-pieuvre-soros-au-moins-226-deputes-europeens-et-deux-anciens-presidents-du-parlement-sont-les-marionettes-du-milliardaire-gauchiste-soros/

* - A lista das organizações financiadas ou criadas pelo próprio George Soros pode ser vista também AQUI, no site da EUROPE-ISRAEL.
Vamos dar alguns exemplos. Através deles podemos ver como se compra e se vende a fidelidade de políticos e activistas:

Al-Haq - produz relatórios, livros, artigos e análise jurídica sobre "violações dos direitos humanos em Israel" cometidos contra os "palestinos".
Amnesty International - esta famosa ONG é conhecida por atacar Israel e os Estados Unidos na sua denúncia das "violações" dos direitos humanos. Condena que os Estados Unidos prensam os terroristas em Guantánamo, mas não condena os terroristas (pelo contrário...).
Arab American Institute - uma fundação que condena as violações intencionais de direitos humanos contra árabes-americanos desde o 11 de Setembro, e que descreveu Israel como um "opressor brutal do povo palestino".
Catholics for Choice - esta organização nominalmente católica apoia o direito das mulheres ao aborto a pedido.
Catholics in Alliance for the Common Good  - grupo dedicada a gerar apoio da comunidade católica a candidatos, causas e legislação de esquerda.
Center for American Progress - Think tank de esquerda liderado pelo ex-mandatário de Clinton, John Podesta, que trabalha em estreita ligação com Hillary Clinton, e emprega  numerosos funcionários do governo Clinton. É um membro do núcleo do lóbi pelas fronteiras abertas, e opôs-se às medidas anti-terrorismo tomadas pelo governo dos EUA. O grupo visa "o desenvolvimento de uma visão de longo prazo de uma América progressista" e "fornecer um bom fórum para gerar novas ideias e propostas políticas progressistas".
Center for Constitutional Rights Esta organização pró-Castro é um membro nuclear do lóbi pelas fronteiras abertas, opôs-se às medidas anti-terrorismo após o 11 de Setembro e afirma que a injustiça americana provoca actos de terrorismo internacional.
Fair Immigration Reform Movement - Braço do movimento pelas fronteiras abertas, do Center for Community Change.
Gisha: Center for the Legal Protection of Freedom of Movement - Esta organização anti-Israel procura ajudar os "palestinos" a "exercer o seu direito de livre circulação" (querem basicamente que os terroristas são sejam incomodados quando entram em Israel com armas e bombas).
Global Exchange - Criado em 1988 pelo radical pró-Castro Medea Benjamin, este grupo condena a política externa da América, as suas práticas de negócios, e os seus assuntos internos. Após os ataques terroristas de 9/11, a Global Exchange aconselhou os americanos a examinarem "as causas do ressentimento contra os Estados Unidos no mundo árabe - desde a nossa dependência do petróleo do Médio Oriente à nossa política tendenciosa em relação a Israel".
Human Rights Watch - este grupo dirige uma quantidade desproporcional das suas críticas aos Estados Unidos e a Israel. Opõe-se à pena de morte em todos os casos, e apoia as fronteiras abertas e a amnistia para os estrangeiros ilegais.
I’lam - esta ONG anti-Israel busca "desenvolver e capacitar a Imprensa árabe e dar voz às questões palestinas". 
International Crisis Group - Uma das principais figuras desta organização é o seu Director  para o Médio Oriente, Robert Malley, que foi Assistente Especial do Presidente Bill Clinton para Assuntos Árabe-Israelitas. A sua análise do conflito no  é marcadamente pró -"palestina".
J Street  - este grupo anti-Israel adverte que a escolha de Israel de levar a cabo acções militares para deter os ataques terroristas do Hamas "será contraproducente e só aprofundará o ciclo de violência na região". Apoiaram o famoso acordo nuclear iraniano.
New Israel Fund - esta organização dá apoio a ONG's que produzem regularmente relatórios acusando Israel de violações de direitos humanos e perseguição religiosa.
World Organization Against Torture - esta coligação trabalha em estreita colaboração com grupos que condenam as medidas de segurança israelitas contra o terrorismo "palestino".
Etc., etc., etc.. A lista abrange centenas de grupos. Demos ênfase aos grupos anti-Israel que Soros apoia. Porque, tendo ele nascido judeu, há quem use essa circunstância para demonizar Israel e os judeus. Como se houvesse algum grupo humano isento de ovelhas diferentemente coloridas...

VISLUMBRE DO PARLAMENTO EUROPEU:


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.