domingo, 14 de julho de 2013

Viva pois, a pilhagem de cadáveres!




O descarrilamento do comboio em França foi exaustivamente reportado pelos media mainstream. Menos atenção foi dada ao facto de «jovens» (o código do jornalismo francês para muçulmanos) terem atacado as equipas de socorro e pilhado os cadáveres das vítimas!

"Uma cena inacreditável foi a que a Polícia encontrou quando chegou a Brétigny-sur-Orge.
Enquanto as equipas de socorro tentavam auxiliar as vítimas do decarrilamento de comboio Paris-Limoges, em que morreram pelo menos 6 pessoas, eram atacadas com pedras por um grupo de «jovens». Na origem do ataque, saqueadores que vieram para roubar dos mortos e dos feridos tudo quanto pudessem transportar.
"Pareciam estar a ajudar as vítimas". Nathalie Michel, representante da Polícia descreveu a cena em directo à Europe 1. "Eram 5.30, e os nossos colegas chegavam para ajudar, viram um grupo de «jovens» que pareciam estar a ajudar as vítimas. Muito rapidamente perceberam que eles estavam era a roubá-las, começando pelos cadáveres." - disse a representante da Polícia com indignação."
Fonte: Europe1
Uma questão interessante é se os «jovens» estavam apenas a saquear ou se foram eles que provocaram o descarrilamento para saquear.

- O nosso comentário:

É intolerável que a Imprensa dê notícias destas! Segundo certas opiniões, estas notícias devem ser mantidas secretas, «para não despertar ódio aos muçulmanos» e também derivado à Santa Inquisição, que também fez umas maldades.

Na nossa opinião, o que deveria ser feito era o que fez o mayor de Londres após a decapitação do jovem soldado Lee Rigby, e o que as sábias palavras de David Munir aconselham: ir imediatamente apertar o bacalhau aos muçulmanos! E pedir-lhes desculpas pelos estereótipos negativos que as barbaridades que eles cometem possam despertar!

Afinal de contas, e como diz uma amiga nossa, «é a cultura deles, e temos que respeitar»! Viva pois, a pilhagem de cadáveres!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.